Quarta-feira, 15 de Março de 2017

Tratados ortográficos internacionais

Na audição do Centro de Estudos de Linguística Geral e Aplicada no Parlamento (aqui), a 22 de fevereiro, duas semanas depois da ida da Academia de Ciências ao parlamento, foi esclarecido que as várias línguas "pluricêntricas", como o espanhol, o francês e o alemão, têm tido acordos internacionais sobre a sua ortografia. Trata-se de uma questão de facto sobre a qual têm mentido várias personalidades como Artur Anselmo e Bagão Félix e que tem sido objeto de análise neste blogue.

Só o Inglês não tem ortografia acordada - diz um dos representantes do dito centro (CELGA).

Também já comentei o caso do inglês.

Veja:

 

publicado por Redes às 11:06
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 11 de Março de 2017

Acordo Ortográfico: Declarações falsas sobre a ortografia de língua espanhola

É que o mínimo que se pode exigir é que estejamos informados sobre o que se passa com outras línguas internacionais.

Vejam por favor as declarações de Artur Anselmo sobre a ortografia nos países de língua espanhola produzidas na audição da Academia das Ciências de Lisboa​ na Assembleia da República na qual ele sugeriu que cada país tinha a sua ortografia própria, em resposta a Edite Estrela.

O mesmo faz Bagão Félix na RTP (c/ Isabel Pires de Lima e Carlos Fiolhais).

Infelizmente, isso não coincide em nada com a breve pesquisa que fiz. Essa ideia de diversidade ortográfica foi imediatamente desdita pelo primeiro artigo da Wikipedia com que me deparei. Há uma obra chamada Ortografía (2010) que é aprovada pela Real Academia em conjunto com as dos outros países. Para exemplificar, o espírito da coisa cito um trecho da introdução:

Por último, la ortografía representa un valor incalculable en la unidad de la lengua. Mientras los demás planos lingüísticos (fonología, morfología, sintaxis y léxico) se hallan sujetos a los parámetros de variación (geográfica, social, cultural, situacional), la ortografía es un código uniforme en el que todas las variables se diluyen. Aunque su pronunciación sea distinta, una misma representación gráfica unifica la voz literaria de Gabriel García Márquez, Carlos Fuentes, Mario Vargas Llosa o Miguel Delibes. Su unidad y su vocación de permanencia convierten a la ortografía en un factor de unidad y de contención contra la dispersión y contra una evolución descontrolada del idioma.

Por este documento, observamos o seguinte:

  • Existe um esforço dos países de língua espanhola no sentido da unificação ortográfica.
  • Há uma Associação das academias de língua espanhola com sede no México. O documento acima referido foi produzido pela RAE em coordenação com a dita associação.

Caro leitor, ponho aqui a ligação para o referido documento. Se estiver interessado facilmente encontrará os sítios das ditas organizações.

De facto, a Ortografia está aqui disponível para consulta http://aplica.rae.es/orweb/cgi-bin/buscar.cgi. Curiosamente, consegui esta ligação, numa página da Acacemia Mexicana de la Lengua (http://www.academia.org.mx/ortogra).

Nessa mesma página, podem ver um artigo de José G. Moreno de Alba que compara o presente acordo ortográfico português com o processo de convergência ortográfica espanhola. Destacam-se os seguintes aspetos:

  • Em Portugal e no Brasil, o processo é controlado pelos governos, enquanto em Espanha e na América Hispânica, a ortografia tem sido controlada desde o século XVIII pela Real Academia Espanhola com muito êxito. Relata-se inclusive o caso considerado anedótico da revolta de Ramon Jiménez que escreveu um livro desafiando as regras da academia.
  • Considera-se a unidade ortográfica espanhola muito mais avançada do que a portuguesa.
  • A partir de 1999, as academias encontram-se a implementar uma nova reforma que conseguirá uma unidade ainda maior (a presente da Ortografía de 2010).

cf. Asociación de Academias de la Lengua Española (2010), Ortografía

publicado por Redes às 15:14
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Aniversário da Revolução Russa (a boa)

Bertone de Sousa lembrou-a neste seu artigo: Os cem anos da Revolução Russa.

Estou inteiramente de acordo com a perspetiva que é apresentada aqui, mas, há trinta anos atrás, eu discordaria: poria as culpas todas em Estaline e tentaria salvar a imagem de Lenine e de Trotski.

A última machadada na minha tentativa de me pensar "marxista", foi o livro de François Furet O passado de uma ilusão. É triste, mas é verdade, a unidade democrática anti-fascista na Europa do pós-guerra, e um pouco por todo o mundo, não tem qualquer fundamento porque o comunismo não é mais democrático nem melhor do que o fascismo, embora tenha sido eventualmente útil e contribuído para converter os marxistas-leninistas europeus à democracia e ao parlamentarismo.

publicado por Redes às 02:42
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 9 de Março de 2017

Encontro sobre o Acordo Ortográfico na Academia das Ciências - primeiras observações

Enquanto membro da Associação de Professores de Português, participei no encontro sobre o Acordo Ortográfico que a atual direção da Academia promoveu.

A iniciativa, realizada para discutir um importante aspeto da nossa cultura, é louvável e os presentes, ao que me parece, na sua generalidade, oponentes ao Acordo, estão de parabéns. O facto de estar pouca gente não é imputável nem à instituição nem à importância do tema, mas a dificuldades inerentes a eventos deste nível de exigência, pois já estive em encontros de grande qualidade com muito parca assistência. Se estão em causa ou não os meios de divulgação empregues, só a Academia poderá ajuizar.

A presidente da APP fez o histórico dos acordos ortográficos para acentuar a responsabilidade histórica da Academia na gestação da presente legislação ortográfica. Agora, com centenas de milhar de jovens ortograficamente formados com as novas regras, seria no mínimo uma falta de respeito, dizer-lhes que o estado português lhes pede desculpa por os ter levado ao engano.

A seguir, falou Maria do Carmo Vieira, com argumentos que já lhe conhecemos e sobre os quais já aqui escrevi e sobre os quais voltarei a escrever. Às objeções que lhe pus, respondeu sobre a minha pessoa, chamando-me de ignorante. Noutra entrada, tratarei disso. Limito-me a observar que a intolerância de que esta professora se queixa, de não ser ouvida, está patente na sua atitude ao reduzir os que não concordam com ela a simples "ignorantes".

Tratava-se das maiúsculas nas estações do ano. Segundo ela, todos teríamos de as continuar a utilizar porque num poema de Ricardo Reis as ditas estações são alegorias, referem entidades únicas. "Se é esse o caso, porque não se grafam com maiúsculas?" -, tinha eu objetado. Passam a ser nomes próprios, não é? Mas quando eu escrevo "Esta primavera vou ao estrangeiro", será "primavera" um nome próprio? Se a Primavera é o nome de uma deusa, que se escreva então com maiúscula.

Será por eu ter dito que isso não passa de uma convenção que ela concluiu que eu era ignorante da cultura clássica? Não é uma arrogância, por uma questão ortográfica, ajuizar do conhecimento de cultura clássica do seu oponente? Então, imagine a Carmo Vieira o que acontece ao dito poema ao ser traduzido para o alemão: todos os nomes, próprios ou não, aparecerão com maiúscula e a Primavera, deusa ou não, será igual a todos os nomes comuns! Perde-se a intenção alegórica de Ricardo Reis na tradução alemã? Ou em espanhol em que as estações do ano se escrevem com minúscula?

Então aqui está para fechar este assunto, uma ocorrência de "primavera" de Ricardo Reis lida por "nuestros hermanos":

 

Cada cosa a su tiempo tiene su tiempo.
No florecen en el invierno las arboledas,
Ni por la primavera
Tienen blanco frío los campos.

A la noche, que entra, no pertenece, Lidia,
El mismo ardor que el día nos pedía.
Con más sosiego amemos
Nuestra incierta vida.

A la hoguera, cansados no de la obra
Pero porque la hora es la hora de los cansancios,
No acerquemos la voz
Encima de un secreto,

Y casuales, interrumpidas, sean
Nuestras palabras de reminiscencia
(Para nada más nos sirve
La negra ida del Sol) —

Poco a poco el pasado recordemos
Y las historias contadas en el pasado
Ahora dos veces
Historias, que nos hablen

De las flores que en nuestra infancia ida
Con otra consciencia recogíamos
Y bajo otra especie
De mirar lanzado al mundo.

Y así, Lidia, a la hoguera, como estando,
Dioses hogares, allí en la eternidad,
Como quien compone ropas
Otrora lo compongamos

En este desasosiego que el descanso
Nos trae a las vidas cuando sólo pensamos
En aquello que ya fuimos,
Y hay sólo noche allá fuera.

 

http://www.fpessoa.com.ar

 

Que escândalo, não é? Escreverem "primavera" como nós fazemos agora!

Mas há mais, Maria do Carmo Vieira, se todas as utilizações da palavra "Primavera" forem grafadas com maiúsculas, não haverá diferença entre a "Primavera" alegórica, a única que nos visita todos os anos, da minha reles que aparece em "Esta Primavera não passeei nada". Numa tradução portuguesa da Odisseia, em todos os dias bons aparece a "Aurora de róseos dedos" justamente grafada com maiúscula.

publicado por Redes às 12:01
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2017

O Acordo Ortográfico entre aspas

Vi de novo o Artur Anselmo a colocar o Acordo Ortográfico entre aspas. Sempre pensei que o dito documento é um texto legal aprovado no nosso parlamento. Por isso, não entendo onde estão as aspas: na validade legal (inconstitucionalidade?), no acordo (seria um desacordo?) ou no adjetivo "ortográfico" (seria antes um acordo disortográfico?). Enfim, cabe ao presidente da Academia das Ciências de Lisboa, a instituição que nos pôs este tratado nas mãos, dizer porque põe aspas no trabalho dos seus colegas.

Mesmo que o novo presidente da academia tenha votado de vencido, não sei como foi, não me interessam as questões internas da dita organização nem a posição pessoal anterior de Artur Anselmo, o que é certo é que foi a sua instituição que produziu este objeto em 1990. Então para mim, pessoa de fora que só vê a instituição e se desinteressa dos elementos que a constituem, é a Academia de Ciências de Lisboa que se vem arrepender 26 anos depois do acordo entre aspas ter sido concluído.

A comentar a ida ao parlamento do referido desacordado presidente, vimos Francisco José Viegas a esclarecer-nos com as perguntas do jornalista. Seria correto que escrevêssemos como falamos? Claro, essa é a tendência atual desde a década de 70 (foi o que me pareceu ouvir), em muitas línguas.

A primeira dúvida é o que significa "escrever como se fala" no que à ortografia diz respeito. É que pôr a questão nestes termos parece-me diferente de perguntar qual é o lugar da etimologia na ortografia, isto é, se os elementos ortográficos que deixaram de ter qualquer função devem ou não continuar a fazer parte da grafia das palavras.

Numa primeira interpretação, a palavra "casa", tanto poderia ser escrita com "s" como com "z". Ora, isso nunca esteve em causa. A palavra "mesmo", poderia ser escrita assim "mejmo", já que o "s" nessa posição, antes de uma consoante sonora, palatiza-se e sonoriza-se. As formas do plural, entre nós, poderiam acabar em "ch". "Vamos passear", seria grafado assim: "vamoch passiar", mas não em "vamos à escola", porque neste contexto o "s" sonoriza-se mas não se palatiza. Enfim, a ortografia seria uma espécie de transcrição fonética.

Como não é isso que está em questão, acho errada a formulação "escrever como falamos". Quanto à etimologia, José Viegas foi buscar o estafado exemplo Egito/egípcio. Como o próprio mostrou o "p" aparece magicamente numa palavra derivada. No oral, estamos perante um facto: o "p" caiu, em "Egito", mas não caiu em "egípcio". O que os partidários da ortografia etimológica querem é que o "p" morto na oralidade permaneça na escrita. Para manter a coerência morfológica, não deveria continuar lá? A verdade é que o étimo que é o mesmo passou na diacronia a ser representado por dois alomorfes "egipc" e "egit", pois, na verdade, as palavras têm história independente: "Egito" deriva do latim  "aegyptus" e "egípcio" de "aegyptius". Num contexto, "pt" passou a "t", noutro, passou a "pc". Portanto, não somos nós que aplicamos um sufixo para formar uma nova palavra.

O princípio da prioridade do fonológico sobre o etimológico na ortografia não é recente, como Francisco José Viegas pretendeu mostrar, mas secular. Já Gonçalves Viana e Vasconcellos Abreu na sua Ortografia Portuguesa de 1885, propunham o fim de todos os símbolos gráficos sem valor: th (por exemplo, thermómetro), ph (etnographia), ch (por exemplo, chimica, machinamechanica), y (lyrio, physica), mudanças que vieram a concretizar-se em 1911.

 

publicado por Redes às 22:21
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 31 de Janeiro de 2017

O reino de Walter Hugo Mãe em questão

"O Nosso Reino" - a infância narrada por Walter Hugo Mãe está em questão, pelo menos, para os adolescentes do 8º ano que ou conhecem já todas asneiras da obra ou estão com um currículo oculto deficente. Seria possível uma obra ser "realista" sem essas asneiras?

De acordo com os pais dos alunos duma escola da capital, os seus educandos não podem ler textos literários realistas sobre a infância e juventude. Isto é, não podem ver por escrito o que muitos dos seus colegas ou os pais deles nessas idades viveram. Essas coisas são apenas para ser vistas no Youtube, para gerar polémica e aparecer nos telejornais nacionais. Quanto a acontecer a personagens de uma obra lida na escola, nada feito. Uma obra literária deve ser limpa, cheia de bons exemplos, com palavras que não façam corar ninguém. Parece ser essa a ideia de literatura que os pais têm.

Os professores da escola terão com certeza escolhido a obra depois de a lerem. O Plano Nacional de Leitura não tem nada a ver com o assunto. Mas estou certo que quem a escolheu para figurar nesse "plano" também leu a obra e achou que o vocabulário asneirento que os alunos dizem quando os pais não estão por perto, a linguagem grosseira com que expressam a sua virilidade ou feminilidade nascentes, já podia entrar num texto que trata mesmo desse assunto.

Se tanto uns como outros estão preparados para defenderem as suas opções, porque dão o braço a torcer invocando erros ou uma autoridade superior?

Como não acredito que os professores da dita escola não estejam preparados para as ditas "asneiras", não compreendo também a fuga para o PNL. Nem entendo por que se tem que pronunciar o presidente da república sobre este incidente. "A escolha é subjectiva, discutível e criticável" - disse ele. Mas estão lá os professores que leram a obra para discutir e para responder às críticas. Onde estão as escolhas literárias objectivas, indiscutíveis e ao abrigo de qualquer crítica?

publicado por Redes às 20:18
link do post | comentar | favorito
|

Defesa da escola pública nos EUA

A Tablet Magazine, uma publicação jadaico-americana de elevada qualidade, condena a escolha de Betsy DeVos para secretária de estado da educação da administração Trump. A revista critica a opção de  favorecimento das escolas privadas sob a égide da "free choice" e defende os professores sindicalizados das escolas públicas contra o abaixamento do rendimento e das condições de trabalho dos professores nas escolas privadas, religiosas e "charter". Veja "Protecting Public Schools"

publicado por Redes às 18:38
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 20 de Dezembro de 2016

Bilinguismo e ortografia

Em O Português na hora di bai?, Nuno Pacheco dá-se conta, aparentemente surpreendido, da dualidade linguística fundamental das crianças africanas, como o serão também, as timorenses, divididas entre a língua materna e a da escola. Os países africanos são multilingues e os seus cidadãos, bilingues.

Que as crianças caboverdianas tenham de aprender o português como uma segunda língua e não como se fosse a primeira é um avanço que vai permitir a expansão do Português. Até onde vai esta lusofonia é uma incógnita, mas tome-se nota de que em Angola o português já está a matar as línguas africanas e a dualidade linguística a desaparecer.

O que interessa a respeito do acordo ortográfico é se há ou não uma ortografia comum aos dois países que têm o português como língua materna e como língua oficial (os tais milhões) extensível aos outros que têm a vontade política de manter o português como língua oficial e de cultura.

Se Portugal fizer marcha atrás no acordo, não sei que consequência terá isso para o Brasil onde milhões de crianças já foram alfabetizadas com as alterações acordadas. Não estou a dramatizar. Estou apenas a dizer que não sei. O que fica é uma irresponsabilidade e uma falta de solidariedade institucional e política que envolve na sua ação milhões de pessoas. As variações ortográficas em tão pouco tempo exibirão sobretudo essa flutuação da mediocridade governativa, já que, em si mesmas, importam muito pouco, pois não foi possível unificar ortografias que têm muito pouco de diverso.

publicado por Redes às 16:11
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016

O Ipiranga de Artur Anselmo

Artur Anselmo, presidente da Academia das Ciências de Lisboa, vai propor alterações ao Acordo Ortográfico. Um dos exemplos dados é a distinção ortográfica entre "para" e "pára" que se perdeu com o Acordo. Antes de avançar para as declarações do presidente da Academia, vou comentar este caso.

Em termos ortográficos, não é muito grave a homografia de duas palavras de classes diferentes - uma preposição e uma forma verbal - que muito dificilmente entrarão em contextos geradores de ambiguidade. Maiores dificuldades oferecem as numerosas palavras homógrafas e homónimas da nossa língua, especialmente quando se trata de nomes como por exemplo: "o canto era muito belo" (o da sala ou o da soprano?) "a sede naquele lugar era insuportável" (a falta de água ou o centro de um clube?). Contudo, embora possamos relativizar a gravidade desta mudança, não podemos negar que há uma perda de distintividade.  A minha posição é que haveria uma perda mínima, nesta como noutras alterações ortográficas, em função de um objetivo maior - o da unificação ortográfica, se esse objetivo político fosse prosseguido.

Mas o caso toma um aspeto bizarro quando nos damos conta de que os brasileiros também tiveram de mudar o seu par para/pára, pois também eles punham o acento na forma verbal. Se a distinção valia dos dois lados do Atlântico porque foi anulada? Também lá apoiantes e oponentes se esforçaram por racionalizar, isto é, inventar razões linguísticas para justificar mudanças ou para se opor a elas.

Neste caso, veja como o Gramatigalhas justifica para os brasileiros a perda do acento na forma verbal "pára": "Para e pára". Oiça bem como o professor José Maria da Costa pronuncia a preposição "para". Para si, tem ou não acento tónico na primeira sílaba? "Para" difere da sua forma reduzida, "pra". Esta é claramente átona. É frequente a preposição "para" ser pronunciada totalmente com acento tónico na primeira sílaba, especialmente em frases em que se dá uma ênfase ilocutória muito particular, embora também seja frequente a sua redução a átona.

Voltamos à pergunta "Porque foi alterada uma coisa comum às duas ortografias? Porque se quis reservar o acento gráfico para distinguir a sílaba tónica e não para distinguir diferentes fonemas representados pela mesma letra: /ɐ/ de "para" e /a/ de "pára". Por este princípio, só os casos em que o acento assegura a identificação da sílaba tónica é que as palavras graves (paroxítonas) o mantêm (Base IX). Então, "para" e "pára" foram vítimas duma tentativa de diminuir as exceções a uma regra geral.

Quanto ao presidente da Academia, ele não se limitou a propor algumas mudanças. Ele afirmou que o acordo tinha falhado, pois não se tinha chegado a uma ortografia comum, que o Brasil tinha sido colonialista a impor a sua a Portugal, que a orografia não era uma questão política e que agora era necessário tratarmos das ortografias nacionais. Enfim, um grito de Ipiranga ao contrário.

Como é que ele se sente perante a instituição que dirige e que, durante 26 anos, andou a negociar este acordo? Com o discurso que apresenta, ele deveria propor o regresso a 1945 e não "pequenas correções".

Não há coisa mais política do que a ortografia portuguesa. Desde o rei D. Dinis até às reformas de 1911, 1945 e 1990 foi sempre o poder político a regulamentar. Seria irónico que a democracia perdesse esse poder. A quem o entregaria? Quem é que teria legitimidade para decretar uma ortografia para a Escola, o Governo e os Media? Seria o Artur Anselmo?

Eu considero aquilo em que o acordo ortográfico mexeu uma insignificância em termos linguísticos. Espero que os especialistas façam um bom trabalho em fixar o que é comum e o que é diferente entre os vários países lusófonos, que se ponham de acordo a respeito duma ortografia para as organizações internacionais - desde logo, aquela em que se redigem as atas da CPLP - e que acabem os disparates nos jornais e na televisão.

Referências bibliográficas:

"Pronúncia do português europeu" in Instituto Camões

"Para ou pára" in Dúvidas de Português

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (pdf) Porto Editora

 

publicado por Redes às 22:43
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 4 de Dezembro de 2016

Ser ou não ser Fidel

Daniel Oliveira expôs as razões dos que se acham à esquerda e se afirmam democratas acima de tudo em "Porque continuo anti-castrista" no Expresso diário de sábado, 3/12/2016. De facto, esta é uma das dificuldades de quem andou por caminhos vizinhos dos do líder cubano, mas não o sente como parte da sua herança ideológica.

Primeiro, há que dizê-lo sem medo das palavras: Fidel era um ditador e, nessa qualidade, a sua silhueta ombreia com as de todos os que pululam à sua direita ou à sua esquerda. Não há mais nada a dizer a este respeito: somos contra déspotas. Não nos venham com a especificidade cubana, o bloqueio, ou o que quer que seja.

Comentário: Não posso deixar de lamentar os que na América Latina ou nas résteas de partidos comunistas europeus de ortodoxia soviética que ainda há por aí que, ao mesmo tempo que fazem o jogo democrático nos seus países, se afirmam amigos do regime cubano e de outros do mesmo género.

Segundo, a ditadura de Castro, assim como a de Salazar, para referir uma de esquerda e outra de direita, não têm comparação possível no que respeita a barbárie e violência com a ditadura de Staline ou a de Hitler, para referir também uma da esquerda e outra da direita.

Terceiro, não podemos ignorar os sucessos sociais na educação, na saúde e na segurança social conseguidos pelo regime cubano, mas temos que os colocar no seu devido contexto: resultam de uma ideologia socialista aplicada por um regime autoritário. Temos também que mostrar os seus limites: falta de iniciativa económica individual, de inovação tecnológica, de criação artística e de estímulo para impulsionar carreiras profissionais, dificuldades que conduziram à emigração maciça de centenas de milhar de cubanos para os Estados Unidos.

Posto isto, nós de esquerda e democratas, temos que nos solidarizar com todos os cubanos, de direita e de esquerda, que se posicionam contra o regime por se sentirem oprimidos, com direitos humanos cerceados, e por não poderem participar na política cubana com as suas ideias e iniciativas próprias.

No mesmo tom, mas mais direto e com maiores razões para exprimir a sua perspetiva, está o bloguista brasileiro Bertone de Sousa que em "Notas sobre a morte de Fidel" chama a atenção para o culto castrista dos políticos do Partido dos Trabalhadores e congéneres.

publicado por Redes às 17:52
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

. Bilinguismo e ortografia

. O Ipiranga de Artur Ansel...

. Ser ou não ser Fidel

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO