Quinta-feira, 23 de Novembro de 2006

Um ruido ensurdecedor

No debate sobre a TLEBS, investe-se tudo o que há à mão para atirar. Vários comentadores ficam nus, pois mostram a sua ignorância ou a falha num tópico - a gramática, qualquer que ela seja - a dita tradicional, a generativa, a funcionalista, a estruturalista, pouco importa, como o José Viegas a falar dos nomes epicenos, como se fosse coisa nova. Eu também não me lembraria, assim de repente. Mas tive o cuidado de, para cada item, socorrer-me de várias gramáticas, à medida que ia lendo a Terminologia.
Mas o que mais impressiona nisto tudo, é a mistura que se faz das coisas mais díspares: é mais uma pedra para atirar à ministra de entre várias outras que se arrolam.
No meio disto tudo, há uma luta interdepartamental, entre linguistas e homens da literatura.
Um comentador acusava a TLEBS  de destruir o ensino da literatura, numa reedição da velha crítica de se sujeitar Os Lusíadas a exercícios de divisão de orações, no velho quinto ano dos liceus!
Parece querer-se arregimentar, dum lado, os linguistas, do outro, os literatos, forçando toda a gente a uma profissão de fé: "De que lado é que está?"
Eu, por exemplo, sou um defensor do cânone literário, dos livros que a história da literatura seleccionou como os melhores, os mais relevantes. Acho que a leitura desses textos deve valer por si própria e não como meios de desenvolver competências linguísticas ou discursivas em determinados modelos de texto, embora creia que a leitura de tais textos  contribuirá para o desenvolvimento dessas ditas competências. A leitura deve servir-se de informação cultural, histórica, enciclopédica, mas também de análise gramatical e retórica, na medida certa.
Outra questão é a de que conceitos gramaticais é que nos devemos servir. Actualmente, não há nenhuma unidade terminológica. A que existe legalmente não é seguida há muito tempo, nem o poderia ser. Há professores que ensinam o mesmo tópico duma maneira, outros de outra, no mesmo nível de ensino.
A unificação da terminologia linguística deve ser discutida no seu próprio campo, o da gramática, conceito a conceito. Quem quisesse, devia já ter dado a sua contribuição, substantiva, nos anos em que nos Encontros de Professores de Português o assunto esteve em discussão.
Como acha que devemos definir Sujeito de uma frase? O que é e como se determina o Predicado? Estas questões parecem ser demasiado comezinhas para os grandes e pequenos críticos da TLEBS. Só linguistas, metódicos, que amam a língua e as línguas, é que têm investido neste trabalho.
Depois, há um outro campo, que é o de como é que vamos introduzindo as noções gramaticais no Ensino Básico e Secundário. Estas são, para mim, as únicas coisas que interessam. Quanto ao resto, esqueçamos.
publicado por Redes às 23:08
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De helena a 24 de Novembro de 2006 às 21:52
A sensação com que fico não é a de uma luta *entre* linguistas e literatos, é a de guerra aberta contra os linguistas.
Um dos argumentos já esgrimido várias vezes é que os linguistas odeiam a literatura (argumento bizarro considerando que a esmagadora maioria dos linguistas se licenciaram em cursos de literatura). Só existem cursos de linguística há cerca de 16 anos.
A mim parece-me o contrário: os professores de literatura odeiam gramática, aprenderam o que foram obrigados e nunca mais quiseram saber. Para a maioria dos meus colegas de LLM, o Latim (onde um bom conhecimento de gramática tradicional era indispensável) e a Sintaxe e Semântica eram a grande estucha, as duas cadeiras que se faziam no fim do curso, depois de sucessivos chumbos). Para quem estuda literatura, o principal são as questões que se prendem com a fruição estética da língua, não o seu funcionamento – para mim, tudo bem!
Continua viva uma mentalidade de fim de século (mas XIX, atenção!), em que o conhecimento dos bons autores e da boa língua é indispensável a quem almeje a algum prestígio intelectual. É esta elite livresca (e um pouco papagueante…) que se toma a si própria como referência quando fala de qualquer facto social, língua incluída – ignorando olimpicamente que haja disciplinas do conhecimento que desenvolveram métodos e teorias para explicar o que observam. Quando a linguística reclama a língua – toda a língua – como seu objecto de estudo, o feudo da língua é atacado e os velhos senhores reagem com as suas sempiternas bandeiras – os valores da tradição, dos bons autores, da boa língua, da boa e velha gramática tradicional – contra valores que destronam a sua autoridade.
Os nossos intelectuais vivem num mundo de pensamento sincrético (são autoridades numa data de áreas de que não têm conhecimento específico), alheado do pensamento científico (em que a observação é o ponto de partida para a construção de modelos explicativos e não o contrário) e altamente autoritário (pertencem a uma elite iluminada e portanto os seus pontos de vista não necessitam de legitimação alguma – se eles acham que é assim… é assim).
Talvez esteja a exagerar, mas tanta arrogância e ignorância misturadas fazem-me lembrar velhas senhoras decadentes a tentar manter a sua autoridade num mundo que já não se rege pelos seus valores.


De Redes a 26 de Novembro de 2006 às 15:45
De facto, impressiona como eles opinam sobre tudo e tudo transformam em questão política.
Claro, a decisão de avançar com a terminologia é uma decisão política, mas há todo um trabalho anterior que deve ser respeitado.
Sobretudo, não conhecem a situação real: que conceitos de gramática nós utilizamos hoje em dia. Nem se deram ao trabalho de ver os programas e os manuais escolares. Exemplo disso: a conversa da Alzira Seixo sobre a designação de "substantivo".
Pensam erradamente, que a terminologia, é uma mudança radical.
Os professores do 2º ciclo sabem que há apenas uma ou duas mudanças significativas, mas têm medo de errar e ficam manietados - isso é verdade.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO