Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

Livre arbítrio

O "livre arbítrio" é, certamente, a mais importante das qualidades que nos fazem humanos à imagem de Deus (Génesis 1:27).

Deus tinha colocado no Jardim muitas árvores de fruto entre as quais se encontrava, mesmo no meio, "a árvore da vida" e, por perto, "a árvore da ciência do bem e do mal" (Génesis 2:9). De todas, o homem se poderia alimentar, excepto desta última: "No dia em que dela comeres, certamente morrerás (Génesis 2:9)".

Não se percebe bem se a proibição aconteceu antes ou depois do aparecimento da mulher, pois o texto relata num versículo a criação do homem, logo a seguir à dos outros animais, para depois mais à frente, contar-nos o episódio da costela de Adão. Nesse primeiro versículo, aparece já a referência a macho e fémea: "E criou Deus o homem à sua imagem: à imagem de Deus o criou; macho e fémea os criou".

Após a proibição, Deus olha para o homem e vê-o só, com falta de uma companheira. Faz desfilar todos os animais do jardim para ver se ele encontra alguma que lhe sirva e, perante o fracasso, decide-se pela célebre cirurgia e empreendimento genético de onde nasceu Eva - uma escolha pela negativa de Adão.

Este episódio pode ser entendido como uma analepse para explicar em pormenor como tinha sucedido o facto já referido, mas nada o indica a não ser um subtítulo colocado a posteriori entre os versículos 17 e 18 do capítulo 2.

Seja como for, quando Eva é interpelada pela serpente, já estava ao corrente da proibição. Quando ela a informa, a serpente desmente Deus: "Certamente, não morrereis. Porque Deus sabe que, no dia em que dele comerdes, se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal" (Génesis 3:4,5).

O que a serpente dizia não era inteiramente falso. Adão sabia que aquela árvore era a da ciência do bem e do mal. Portanto, se Deus o tinha criado à sua imagem, porque lhe estava vedado o conhecimento do bem e do mal? Não há muitas soluções para este paradoxo. Se o livre arbítrio fazia parte da criação original, como se pode exercê-lo com ignorância? Por outro lado, como poderia Adão saber quão errado era desobedecer se desconhecia o bem e o mal?

Quando Eva veio, toda delico-doce, com o fruto na mão, Adão, talvez se tenha decidido a esbanjar a vida eterna, não só por ela, mas também pelo livre arbítrio,. Talvez também lhe tenha ocorrido o peso da responsabilidade de ser uma personagem principal e tenha comido do fruto para tornar possível um história que ficaria por contar.

Os castigos deste lamentável incidente são conhecidos. No fim, Deus concluiu justamente que só depois da QUEDA, o homem ficou verdadeiramente à sua imagem: "Eis que o homem é como um de Nós, sabendo o bem e o mal" (Génesis 3:22).

Para evitar que o homem atinja a igualdade perfeita comendo o fruto da árvore da vida, Deus expulsa-o do Jardim.

publicado por Redes às 14:58
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Paulo G. T. Prudêncio a 17 de Fevereiro de 2008 às 22:31
Nem sei se era essa a tua intenção, mas tendo em conta os tempos que correm... é em cheio. Abraço.


De duarte carvalho a 18 de Fevereiro de 2008 às 10:50
"Para evitar que o homem atinja a igualdade perfeita comendo o fruto da árvore da vida, Deus expulsa-o do Jardim."
Assim termina a dissertação sobre o "Livre Arbítrio", com um comentário interpretativo bastante plausível.
Mas, posto que em texto anterior se recorre a Eça, lembremo-nos do conto "A Perfeição": Na ilha de Ogígia , "o mais subtil dos homens" (Ulisses, pois claro) "ao sair cada manhã sem alegria do trabalhoso leito de Calipso " pensa, e pensa em Telémaco : se obedece a um "padrasto", se mendiga um "salário" ("padrasto", "salário", são lexemas de um discurso de época, novecentista certamente).
Por isso (e por muito mais), o "facundo" (Ulisses, pois claro) decide partir para os braços de Penélope, e os argumentos podem fornecer a base para outro comentário interpretativo:
1. na penúltima página: "Ó deusa imortal, eu morro com saudades da morte!";
2. no "excipit" do conto: "Ó deusa, o irreparável e supremo mal está na tua perfeição. E [...] [comenta o narrador, talvez porta-voz do Autor] fugiu [...] partiu para os trabalhos, para as tormentas, para as misérias - para a delícia das coisas imperfeitas".
Entenda-se: em Ogígia , no Paraíso, onde tudo é perfeito, concluso, o homem não pode ambicionar a ser sujeito, "sujeito" de trabalho criativo, trabalho que acrescente perfeição às coisas imperfeitas, pode apenas conformar-se a ser "objecto" decorativo.
Moral da história:
1. Adão, no Paraíso, já adivinhava que, no séc. XIX, a burguesia iria promover a ideologia do trabalho produtivo;
2. Adão, no Paraíso, já adivinhava que, no séc. XVIII, iria ser inventado o mito do "Progresso".
Bibl. Eça de Queiróz (sic), "A Perfeição", in Contos, Mem Martins, Europa-América, s.d. [1987], p. 184-198 (3ª ed.).


De Redes a 18 de Fevereiro de 2008 às 13:07
Muito obrigado pelo seu magnífico comentário que me lembra o texto de Scholes sobre os protocolos de leitura. Numa leitura projectam-se sempre outras. A Pietá (no exemplo de Scholes ) está presente numa fotografia de uma mãe banhando a sua filha geneticamente deformada por mercúrio.
Assim, Adão junto de Eva, antes da queda, reaparece em Ulisses junto de Calipso . Ao ler Génesis, estamos fatalmente condenados a ler o mesmo que já lemos noutros sítios e vice-versa. O tema da imperfeição humana versus perfeição divina, assim como o tema do trabalho como castigo pelo pecado original são elementos importantes da ideologia calvinista da virtude do trabalho como meio de atingir a felicidade celestial que Max Weber encontra na origem do capitalismo moderno.
A questão é a seguinte: como é que os crentes lêem Génesis hoje? O descrente Eça aceita o repto divino para dizer que o homem se realiza no trabalho e que o paraíso seria um aborrecimento. Contudo, parece-me que os crentes aceitam o castigo como tal e ambicionam o regresso ao paraíso (para alguns, celestial).


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28

30


.posts recentes

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO