Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2008

O que está em causa - viva o 8 de Março!

Os movimentos críticos da avaliação do desempenho que o Ministério da Educação quer impor à Escola expressam um mal-estar muito profundo que resulta não só desse último diploma, mas também da forma como a gestão do défice se repercutiu na profissão docente - a talho de foice!

De repente, milhares de professores viram a sua carreira interrompida. Repare-se que não se trata de uma mudança na estrutura da carreira negociada, sofrida, com medidas de transição que acautelassem expectativas justificadas, mas de uma brusca brutalidade. Professores que estavam em vias de apresentar relatório para a mudança de escalão, descobriram que já não valia a pena fazê-lo.

A seguir, o Ministério impôs aos professores um novo horário de trabalho, com uma componente não lectiva "presencial", a reduzir perigosamente o tempo disponível para elaborar enunciados, corrigir testes, elaborar projectos de trabalho com os alunos e um grande etc.

Para uma grande parte dos professores, a componente não-lectiva tornou-se lectiva, com as aulas de substituição, sem que as respectivas horas extraordinárias lhes fossem abonadas.

A divisão entre titulares e não-titulares soou arbitrária para a maior parte dos professores, incluindo a maior parte dos que se conseguiram incluir na nova categoria. Muitos dos que concorreram e falharam sentem que não são piores e, muitas vezes, são, mesmo, melhores do que alguns dos que foram agora investidos do título.

Por vezes, a sensação de injustiça vem da avaliação dos critérios do próprio concurso, outras, da comparação do trabalho efectivamente realizado na escola. É que até agora a progressão salarial tinha apenas relação com a antiguidade e muitos dos que faziam a Escola desenvolver-se e desempenhavam cargos não pertenciam aos últimos escalões da carreira. E muitos dos professores agora agraciados de "titulares", desempenhavam as suas funções num grau mínimo de exigência e olhavam com desprezo para a inovação tecnológica e para as questões pedagógicas e científicas mais prementes no universo da educação.

O concurso para titular premiou esses mesmos professores, redundantemente, pois, como já estavam no topo da carreira, dispensavam a homenagem. Portanto, podemos concluir que o concurso foi REDUNDANTE e ARBITRÁRIO.

Depois de reduzir drasticamente o tempo disponível para preparar aulas, produzir materiais didácticos adaptados a alunos com dificuldades, e etc., o Ministério aparece com um dispositivo burocrático de avaliação com itens de observação, incluindo a observação de aulas alheias, com ponderações, alienações numéricas a impor a uma classe ainda não refeita das mudanças anteriores.

As escolas vão parar para fazer a avaliação da classe docente. Da bolsa de substitutos disponíveis, migrarão titulares que em vez de substituir vão complicar as aulas dos seus avaliados. Será que os titulares da biblioteca terão também de abandonar esse trabalho para fazer avaliação? Os apoios pedagógicos continuarão a fazer-se?

Qual será o preço desta avaliação ponderada, antes classificação, redução a número do diverso, coisa do tipo do que fazemos aos alunos com a escala de 1 a 5 a condensar milhares de coisas diferentes?

Todos os que batem palmas à Sra. Ministra da Educação por ela ter conseguido "pôr os professores na ordem", fazem-no justificadamente, pois o Estado Português S. A. R. L., - sim aquela empresa que oferece cargos chorudos como prémio de carreira a políticos medíocres e aos amigos dos políticos medíocres e respectivos "compagnons de route" -  tem na Sra. Ministra um dos mais eficazes capatazes no que toca a conter a massa salarial! A talho de foice!

Muitos colegas perdem-se a discutir coisas como os critérios do concurso para titular, o que me parece completamente irrelevante. Por aí, só encontramos divisões.

É o próprio concurso que é uma aberração, precisamente por sancionar o sistema que quer condenar e promover a mediocridade, numa indiferenciação que continua. Em todos os sistemas, há pessoas verdadeiramente medíocres, há pessoas que se esforçam com mais ou menos êxito que consideram criticamente as suas falhas e procuram melhorar e outros que são bons, verdadeiramente exemplares.

Ora o concurso para titulares juntou todos no mesmo molho, como já estavam nos escalões de topo e deixou de fora muitos bons que mereciam ser promovidos e não o foram em benefício de alguns medíocres ou de menor merecimento.

Isto tem que ser dito com todas as letras e temos que deixar a cantiga alienante de que nós os professores somos isto ou somos aquilo. Não somos nada mais do que as outras profissões. Temos uma deontologia não precisamos que nos digam como ensinar, como avaliar.

NÃO PRECISAMOS DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO PARA AVALIAR OS PARES. Posso ser avaliado por qualquer colega e posso avaliar qualquer outro. A questão é: quem de nós tem o direito de o fazer e como o vai fazer e com que garantias, pois somos concorrentes uns dos outros e essa concorrência aumenta com a instauração de um sistema de avaliação selectiva deste género.

Perguntem: que acção de formação teve o Armando Vara para ir para a administração da CGD e, depois para o BCP?

Abandonemos os argumentos de oportunidade do género "as aulas de substituição não servem para nada". Não! As aulas de substituição melhoraram o ambiente da escola em muitos aspectos. Cabe ao substituto torná-la proveitosa. O problema não é esse: É que é um TEMPO LECTIVO. Os professores que fazem substituições têm que se preparar com materiais e planos de actividades para tornar proveitoso o tempo dos alunos. E essas horas são lhes roubadas.

Por isto tudo e muito mais, estarei no 8 de Março!

publicado por Redes às 23:53
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Paulo G. T. Prudêncio a 27 de Fevereiro de 2008 às 09:49
Olá Luís. Tens um ponto de vista, sobre uma ou outra questão, que se pode considerar polémico, é certo. Mas também é certo que estás a colocar-te do lado da razão: o lado irritado dos professores. O governo não entende, ou parece não entender, que esta equipa ministerial não entrou sequer na sociedade da informação e do conhecimento. Só promove procedimentos atávicos e isso queria um mal estar que vai subindo de tom e que não sei onde pode parar. Abraço.


De Redes a 27 de Fevereiro de 2008 às 13:00
Obrigado.
Estou de acordo com o que dizes.
Acho que é preciso polemizar.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28

30


.posts recentes

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO