Terça-feira, 25 de Janeiro de 2005

A febre do código Da VinciCrítica

Finalmente, li O código Da Vinci! Um pouco
forçadamente, é certo, para saber do que se trata,
quando, no café ou em reuniões de família,
alguém fala dele. Isso acontece tão frequentemente, que
a leitura se tornou obrigatória. As referências não
vêm geralmente a propósito da história contada no
livro, mas sim das teses históricas que constituem o seu
material. Para muitos leitores, o romance vale como ensaio, síntese
ou mesmo documento histórico.


É, contudo, um romance policial. No início,
somos colocados perante o mistério de um homicídio e
com duas personagens que se envolvem no caso. A progressão
faz-se por meio de charadas, mensagens cifradas que se trata de
descodificar. O mistério para o leitor é apenas o
seguinte: aquilo que o narrador não nos revela e adia.
Portanto, nem sempre coincidentes, são vários os
mistérios que se desenvolvem, o do leitor e os das
personagens. O narrador, omnisciente, mesmo que quisesse não
nos poderia nunca dar tudo de uma vez, pois o tempo do contar tem de
alguma maneira de se corresponder com o tempo do acontecer romanesco.
As próprias sincronias romanescas resolvem-se, necessariamente
em diacronias discursivas.


Além disso, o contador quer deixar-nos em
pulgas, ansioso pelo próximo capítulo e doseia
intencionalmente a informação para obter esse efeito. O
romance apresenta-se como uma trança que se vai fazendo.
Larga-se uma sequência espaço-temporal para acorrer a
outra que, mais à frente se vai encontrar com a primeira. E de
várias sequências e de várias pontas se faz este
jogo.


Logo de início, assistimos ao assassinato do
conservador do Louvre. Enquanto morre numa dolorosa morte lenta, o
conservador defronta-se com um problema: como deixar o seu segredo
apenas a certas pessoas e não a outras. Temos o pensamento, a
perspectiva da personagem, mas não o próprio segredo.
Desconfiados - então se temos o pensar do homem para umas
coisas porque não a temos para outras? -, aceitamos o contrato
e prosseguimos ou fechamos o livro. Aceitei e fui de sequência
em sequência, de capítulo em capítulo, tenso, com
os nervos à flor da pele, até ao fim.


De enigma em enigma, seguimos as duas personagens que
tentam descobrir a mensagem da vítima. A esta sequência
acrescenta-se a da polícia que tenta descobrir o assassino e a
deste que pensa deter finalmente o segredo de que era detentor o
conservador e comunica com o seu mandante.


O desenvolvimento destas três sequências,
os enigmas a resolver, as aproximações da polícia,
as decepções dos criminosos vão-nos criando
indícios a respeito de quem é o mandante do crime e
qual o móbil do seu crime. Este problema só existe
porque o narrador dá-nos perspectivas interiores incompletas
das personagens. Assim, a respeito dum tal misterioso Professor
que se corresponde com o chefe da Opus Dei e com o executante do
crime, adensa-se - na mente deste leitor -, a suspeita à volta
do chefe da polícia, devido às suas tentativas de
incriminar, perseguir e prender os nossos dois heróis. Esta
suposição é, a seu tempo, desmentida pelo
próprio curso dos acontecimentos.


A matéria histórica aparece através
do móbil do crime. O conservador fora assassinado por ser
chefe duma sociedade secreta, o Priorado do Sião,
e detinha o segredo do Santo Graal que era, nada mais nada menos que
a verdadeira história do cristianismo. Era do interesse do
Vaticano que os documentos que os templários detiveram, antes
da sua destruição no século XIV, fossem
destruídos, pois eles contavam uma história de Jesus
contrária aos seus ensinamentos.


Toda
a história da igreja primitiva, assim como as suas crenças
originárias teriam sido modificadas no tempo de Constantino,
mudanças que foram consagradas no Concílio de Niceia.
Jesus é apresentado como um jovem homem assexuado, pois, em
nenhum momento, nos é mostrada nos evangelhos, a ventura dum
encontro afectivo e sexual que dê um pouco de cor à sua
breve vida terrena. Na verdade, há outros textos que nos
contam a história de maneira diversa. Maria Madalena era, na
verdade, a companheira de Jesus e não a prostituta arrependida
de que os evangelistas nos falam.


Madalena
correspondia ao modelo das deusas antigas que representavam a
fertilidade e a capacidade criadora da natureza. Deus, de acordo com
o Priorado do Sião, deveria dar lugar à Deusa; o amor
sexual verdadeira força genesíaca de toda a natureza
deveria ser santificado e não repudiado como coisa impura a
que os santos deviam renunciar. Haveria então uma linhagem que
ia de Jesus até à dinastia dos merovíngios, os
célebres reis taumaturgos que precederam Carlos Magno e a sua
dinastia.


Então,
o segredo incluiria também o nome dos herdeiros do santo
matrimónio entre Jesus e Madalena. Entre os grão-mestres
do Priorado do Sião incluíam-se nomes como Da Vinci,
Isaac Newton e Jean Cocteau. O primeiro teria nas suas próprias
obras cifrado alguns dados da história de Cristo. Por exemplo,
a androginia de Mona Lisa é tido como exemplo do sagrado
feminino. Na última ceia, os traços femininos de uma
das personagens permite-nos identificá-la como a companheira
de Jesus. Mas são poucos os factos iconológicos
tratados no livro e não apresentam de modo nenhum uma
evidência que se possa considerar esmagadora.


Dan
Brown afirma referir-se a factos e documentos históricos, mas
um documento histórico só prova alguma coisa num
contexto de análise e crítica documental que não
é nem pode ser de modo nenhum o caso de um romance policial. O
Priorado do Sião é
apenas uma organização criada no século XX e que
inventou a sua própria história, com uma sucessão
de grão-mestres que remontam a Da Vinci e Newton.


Apesar
dos documentos citados, são muitos os analistas que contestam
a validade. Quanto aos merovíngios, não há
ninguém que consiga provar que é seu descendente. Eles
eram cristãos, pelo que suspeito que não se tenham
considerado eles próprios descendentes de Cristo.


Encontrem-se
ou não os herdeiros dos merovíngios, ou mesmo os de
Cristo e Madalena, e apenas constataremos a sua comum humanidade. Se
é interessante a história de Cristo e Madalena, claro
que é, mas é uma história que não é
mais nem menos válida da que nos é contada pela Igreja.


publicado por Redes às 01:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2005

Centralismo democráticoPolítica

O sistema funciona assim:


O partido elege um presidente, um secretário-geral, ou qualquer coisa do género. Normalmente, há uma ou duas listas suportadas por n assinaturas dos militantes. A votação é feita de modo indirecto em congressos de delegados, de modo directo em mesas de votos espalhadas pelo país todo, ou ainda, de modo ainda mais indirecto, no comité central do partido.


O senhor que sai desta eleição tem o poder total. Não só é o candidato do partido a primeiro-ministro, como, ele e a sua equipa, filtram todas as listas de candidatos a deputados do partido.


As listas distritais são cozinhadas na comissão nacional do partido. Os comités distritais fazem é certo propostas mas estas têm de estar de acordo com o ranking nacional de militantes e o peso de cada um nesse top é avaliado pela comissão política nacional.


Os partidos apresentam listas nacionais nos distritos. A deslocação dos candidatos de um para outro distrito depende da elegibilidade e do dito ranking e não da representação dos habitantes do distrito. Se é assim, porque não nos apresentam uma única lista nacional?


Não estou a defender a representação de interesses particulares, regionais, pois reconheço que a eleição é de carácter nacional. Mas, mesmo assim, os candidatos devem ser escolhidos pelas organizações distritais dos partidos, mesmo mantendo a obrigação de defender um programa de governo. Penso que, em votações essenciais, os deputados deviam estar obrigados a seguir a posição maioritária da sua bancada. Isso impediria acontecimentos lamentáveis como o orçamento do queijo limiano.


Como se vê o actual sistema torna a maioria parlamentar dependente do seu governo, uma vez que é escolhida por ele e, mesmo assim, não impede casos de regionalismo de vista curta como o de Daniel Campelo.


Se as listas distritais fossem decididas a nível distrital, os deputados seriam menos dependentes dum centro único do poder - o líder do partido e o primeiro-ministro. O governo teria que negociar muito mais com a sua própria maioria e com as outras bancadas. Os deputados seriam menos amorfos. Teriam que fazer trabalho de base no seu distrito para ganhar a candidatura. Os amigos do secretário-geral (ou presidente) não teriam hipótese. Haveria menos amuos como o de Pôncio Monteiro no PSD.

publicado por Redes às 00:48
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2005

Os descobridores do BrasilDiscursos

Andava perdido no zapping televisivo quando me deparei com o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, qual raposa matreira que se preparava para uma grande tirada, a dizer:

"Fomos nós que descobrimos o Brasil. Agora tire daí as suas ilações". Como já ouvi muita gente dizer que fomos nós que fizemos isso de descobrir o Brasil, fiquei a pensar nas ilações que o pobre jornalista teria que tirar. Por exemplo:

1. Nós somos superiores aos brasileiros, já que lhes descobrimos o país, coisa que eles não conseguiriam fazer por si próprios. Pelo contrário, nós nunca precisámos que ninguém nos ajudasse a descobrir o nosso.

2. Os brasileiros são muito novos, coitados, inexperientes. Só têm a ganhar em aprender connosco, que até lhes descobrimos o país.

3. Os futebolistas brasleiros devem vir de preferência para Portugal porque nós é que os descobrimos. Por exemplo, os castelhanos do Real Madrid não têm que ir lá fazer nada. Se quiserem futebolistas que os vão buscar às terras que eles descobriram. O Benfica, sim, é que tem o direito de ir lá buscar reforços para suster a crise em que se encontra.

4. Não é de esperar que os portugueses vão jogar para o Brasil, já que não precisam de ser descobertos.

5. Os brasileiros quando estão em dificuldades têm uma tendência natural para procurar quem os descobriu, que somos nós e mais ninguém.

6. Etc...

Isso de descobrir o Brasil, foi mesmo uma grande coisa que Pedro Álvares Cabral fez há quinhentos anos. Depois dele, houve milhares de outros que para lá foram também descobrir aquilo. O problema é que a maior parte dos que se seguiram ficaram por lá e, agora, os seus descendentes são brasileiros.

Por isso, muitos destes podem hoje dizer que são descendentes dos portugueses. Mas isso não quer dizer que sejam descendentes do senhor Luís Filipe Vieira ou meus ou seus.

Já que os seus antepassados correram o risco de atravessar o Atlântico de barco à vela ou em vapores ranhosos, não terão esses brasileiros mais direito de dizer "Nós é que descobrimos o Brasil" do que o sr. presidente do Benfica ou eu, ou você?

Eu pelo menos nunca lá estive e, quanto aos meus ascendentes directos, também acho que não, a não ser um ou outro primo afastado, que já não é português.

Mas que me dá muito orgulho dizer "Nós é que descobrimos o Brasil", isso dá!
publicado por Redes às 01:22
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 9 de Janeiro de 2005

Comentário a "Pensar o sistema escolar"Educação

Para ver o artigo que comento, clique no título
abaixo:


Pensar
o sistema escolar


Um artigo de fundo, em vez do imediatismo e
fragmentarismo estético e lúdico, típico do
discurso bloguiano! Mas é disto que eu quero! Coisas que se
possam discutir, criticar, rejeitar ou apoiar e não
simplesmente ler para dizer "é giro!" ou "estive
lá".


Trata-se neste caso de apoiar absolutamente o que é
dito sobre a gestão de recursos por quem devia ter os
dados sobre as condições das escolas na mão e
sabemos que podia já ter avançado muito mais,
nomeadamente no que respeita à informatização.


Como professor que está efectivamente em
campo, prefiro ilustrar algumas das consequências pedagógicas
do desnorte da política educativa.


Há anos que sonho com a condição
ideal que é referida, a sala ter um dono: ou o professor ou os
alunos. Alguém tem de ser o anfitrião. Ora o que
acontece actualmente é que o espaço é nosso por
uma hora ou duas; depois, terá outros hóspedes. Um
aluno que tem dúvidas e quer falar com o professor não
sabe onde ele mora na escola. Se quiser, que use o tempo de antena
que lhe é dado na aula. Felizmente, isto será resolvido
quando o número de alunos por sala diminuir. Olhemos para a
curva demográfica e esperemos! É já ali ao virar
da esquina, assim que a curva inflectir para a direita e descer do 27
para o 20.


Não que eu aceite o número de
alunos por turma como desculpa para a baixa qualidade das
aprendizagens! Há países que têm turmas grandes e
ainda assim obtiveram um sucesso tremendo nos testes internacionais
de literacia: Singapura, por exemplo. O relatório do teste
internacional de leitura de 1990 (pode ver o texto em ELLEY,
Warwick,
How
in the world do students read?
,
Hamburg, IEA, 1992)
concluiu
que essa variável não explicava as diferenças de
resultados no teste. Por outro lado, mostrou que a diferença
de rendimento per capita tinha poder explicativo. Atenção
que há países de elevado rendimento per capita e com
muitos alunos por turma.


O problema não será termos turmas
grandes quando prevemos a todos os níveis ter turmas pequenas?
Por exemplo, construímos escolas para 600 alunos e pomos lá
1000. Lá está, construímos as escolas a pensar
na previsão da curva demográfica. Toda a nossa
legislação fala em diagnóstico, avaliação
formativa em detrimento da sumativa, individualização,
inclusão, etc., e cada professor tem 27 alunos por turma e, no
melhor dos cenários, dois tempos de 90 minutos por semana para
fazer isso tudo! A prova está no facto de eu ter alunos que se
sentam na secretária do professor ou numa bancada com um
ângulo de quase 180º em relação ao quadro! A
sala não está preparada para esse número de
alunos.


Precisamos de saber tirar as conclusões
necessárias das condições materiais de que
efectivamente dispomos. Se queremos combater o abandono escolar, é
preciso que haja medidas claras sobre o que fazer com os alunos que,
em turmas de 27 alunos, não têm um aproveitamento
aceitável. Baixar os níveis de exigência a fim de
que todos os alunos “passem de ano” ou manter os padrões
de exigência e “chumbar” os alunos que não
os conseguem atingir?


Criar sistemas ineficientes como “compensação
educativa” ou “apoio pedagógico acrescido”
que se reduzem a “explicações” de uma ou
duas horas por semana, a determinadas disciplinas, enquanto o aluno
continua no “main stream” sem compreender quase nada dos
programas tem sido a solução proposta ou, em casos
extremos, catalogar o aluno de “PEI” ou “NEE”
e reduzir as exigências programáticas. O resultado desse
tipo de medidas e do “PEI” (plano educativo
individualizado) acabam por ser, a maior parte das vezes, a confissão
da nossa incapacidade para tornar a escolaridade um tempo realmente
útil para muitas das nossas crianças. Estamos sempre
entre a espada e a parede, entre o objectivo de oferecer qualidade de
ensino e incluir todos nesse sucesso.


Penso que a resposta para todas estas questões
está em nós, professores. Temos que reconhecer e
aceitar as condições que temos e organizar o
ensino-aprendizagem de acordo com os nossos valores pedagógicos.
Portanto, se aceitamos a inclusão e a qualidade
da aprendizagem
como valores que temos que conciliar, não
podemos definir os mesmos objectivos para alunos com grandes
dificuldades de leitura e para alunos extraordinariamente fluentes.


Quando há alunos que chegam às nossas
mãos sem os pré-requisitos do nosso programa que
podemos fazer, se não nos é dado o poder de os reenviar
para o nível de ensino anterior? Fazer a média é
cilindrar os alunos mais fracos, confirmar a mediocridade de muitos e
reafirmar a excelência de alguns, sem que estes se tenham de
esforçar muito. Enfim, a curva de Galton! Ficaremos
satisfeitos com o sucesso destes que confirmam a excelência do
nosso ensino e esqueceremos o desperdício que vamos deixando
pelo caminho. Ignoraremos triunfalmente Bernstein, Labov, Bourdieu,
Mel Ainscow e outros que provaram que a escola premeia a origem
social, as famílias que têm condições
económicas e culturais elevadas, reproduzindo essas
desigualdades.


Sim, aceito que sou eu que tenho que saber o que
posso ou não fazer e o que devo ou
não fazer em função das condições
existentes. Mas o que acho insuportável é que as
autoridades educacionais passem a mensagem de que as condições
são outras e ponham no professor a responsabilidade de
conciliar o impossível.

publicado por Redes às 01:07
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Janeiro de 2005

Ler, escever, contar, descobrir e experimentar(Educação)

Joaquim Sá, militante do ensino das
ciências a crianças do 1º ciclo, veio agora dar
contas do projecto Ciência Viva, de que fez parte, na obra
Crianças aprendem a pensar ciências, lançado
recentemente pela Porto Editora, em co-autoria com Paulo Varela. Em
entrevista ao Educare, (Artigo
na revista Educare
), chamou a atenção para alguns
dos problemas da formação de professores e do
magistério do 1º ciclo. Critica o peso excessivo de
lobbys académicos no currículo da formação
de professores que diminuem o peso das componentes que
verdadeiramente interessam ao exercício pedagógico na
sala de aula.


Também me parece que, nesses cursos, abundam
cadeiras de sociologia, antropologia e de metodologia de investigação
em ciências sociais, como se os professores se preparassem para
fazer investigação sociológica. Também há
componentes da área das ciências da educação
como desenvolvimento curricular, didácticas gerais e
específicas (ou metodologias, como se prefere dizer,
actualmente), com um peso exagerado e com sobreposições
óbvias que levam os estudantes a ficarem frequentemente com a
impressão de que estão a tratar da mesma coisa, ao
passarem duma cadeira para outra.


Reconheço que nessas áreas das ciências
ditas sociais e da educação, há algumas coisas
válidas para a formação do professor, mas
concordo com Joaquim Sá, quando diz que o peso de programas de
áreas teóricas alheias ao dia a dia do futuro professor
resulta mais de lobbys académicos do que da
necessidade efectiva desses conteúdos.


Os programas estão espartilhados de acordo com
as especialidades dos formadores e não com as necessidades dos
futuros docentes. Daí a sobreposição de
conteúdos. Se pensássemos em termos do futuro docente,
as cadeiras teriam outras designações e poderiam
aglutinar conteúdos de especialidades académicas
diferentes.


É provável que um professor que dá
uma cadeira como Educação Matemática se refira à
taxinomia de objectivos educacionais de Bloom, mas esse mesmo
conteúdo será tratado em Ensino-Aprendizagem da Língua
Portuguesa e em Desenvolvimento Curricular. Num programa, vejo
História e Filosofia da Educação e pergunto
porque é que esta cadeira não aglutina também
Sociologia da Educação. Adivinho a resposta: porque
nessa escola não há departamentos autónomos de
Filosofia e de História, mas há com certeza um de
ciências da educação e, provavelmente, um
professor terá feito uma tese na área da história
da educação e achou importante a perspectiva filosófica
(ou o inverso).


Como se não bastasse o currículo ser
desfigurado pelos interesses departamentais das escolas de formação
de professores, ainda há o esforço de cativar os alunos
para esses cursos:


"Muitas instituições
têm como forma de recrutamento as facilidades concedidas na
atribuição de diplomas e de classificações
elevadas. Se no final dos cursos de formação de
professores do 1.º ciclo aplicássemos um exame com
questões simples como conversão de quilogramas em
decigramas e outros conteúdos que deverão ensinar aos
alunos, uma grande percentagem desses recém-licenciados
chumbava."

Acho melhor não fazermos a experiência.
Por vezes, o confronto com a realidade é demasiado duro. Se os
conhecimentos básicos dos recém-formados professores
são assim tão baixos, temos que considerar
verdadeiramente ridículo o peso das áreas que referi
acima.


A formação científica das nossas
crianças não deve ficar amarrada a preconceitos de
ordem curricular. Deve ser tão aberta quanto possível e
ser acessível e motivante. Por isso, Joaquim Sá dá
ênfase à necessidade de a escola ter recursos para levar
os mais novos a descobrirem o valor da ciência experimental.


As diversas competências devem ser
desenvolvidas articuladamente. A formação científica
não tem que esperar pela leitura e pela escrita. Muito pelo
contrário, a escrita, a leitura e o cálculo, ganham uma
motivação intrínseca quando têm como
conteúdo o trabalho de observação e de
experimentação. A mesma perspectiva á válida
para outros conteúdos como a história e a literatura
infanto-juvenil.



</html>
publicado por Redes às 12:54
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

. Bilinguismo e ortografia

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO