Terça-feira, 28 de Maio de 2013

Pesadelo em Portugal

Em mais uma artigo no NYT, é com esta palavra que Krugman define a situação portuguesa: *Nightmare*. O artigo: Nightmare em Portugal.

À revelia do que se aprendeu desde a grande depressão do final dos anos vinte, que é com expansão monetária que se resolvem crises destas, em Portugal e nos outros países periféricos, faz-se o contrário, com políticas que não cumprem nenhum dos objetivos que se proõem atingir. Não é que Krugman pretenda ilibar os governos anteriores ou apoiar os grupos de esquerda que já não se sabe se são marxistas ou keynesianos. Ele recusa o que muitos outros já disseram, como Stiligtz ou De Grauwe, nas crónicas publicadas no Expresso: "a situation in which austerity in the periphery is reinforced by austerity in the core, too". Quer dizer, poderia haver austeridade na periferia desde que houvesse alguma expansão no centro da Europa. Todos à míngua é que não!

publicado por Redes às 18:22
link do post | comentar | favorito
|

O valor das teses de Éric Hanushek

Li uma entrevista do Público a Hanushek. Não li nenhum dos seus textos. Estou na situação em que preciso de saber se importa realmente gastar mais tempo com a sua leitura.

Hanushek põe toda a ênfase na qualidade do professor  e afirma a comparabilidade de resultados escolares entre escolas para atribuir toda a responsabilidade pela melhor ou pior qualidade dos resultados aos professores e aos diretores.

A sua resposta negativa e lacónica a questões que remetem para outras variáveis como as variáveis culturais e o rendimento das famílias levantam-me toda a suspeição de que a sua tese se limite a correlações entre resutlados que fecham os olhos a outras variáveis para relevar apenas as que lhe interessam. Todos sabemos que numa comparação entre resultados em que usamos correlações, mesmo que uma dada correlação seja elevada pode acontecer que haja outra causa real que acompanhe - escondida - a que estamos a testar. Por exempo, mostra-se que há países desenvolvidos da Ásia que têm turmas grandes com maior sucesso do que países em que há turmas mais pequenas. Lembrei-me de num livro de Daniel Goleman sobre inteligência emocional, este apresentar dados que mostram que os sino-americanos têm resultados médios superiores ao resto da população americana. Goleman mostrava certas características do comportamento das famílias de origem chinesa que conduziam a maior sucesso escolar. Trata-se portanto dum fato cultural que se concretiza numa certa atitude perante o trabalho escolar e em práticas quotidianas dos pais de que Goleman dá conta no seu famoso livro. A cultura é mais difícil de alterar do que outras variáveis que também têm efeitos no sucesso escolar.

Como professor, alegra-me saber que sou eu que faço a diferença, mas é o próprio Hanushek que me diz que não vale a pena tentar melhorar, caso não seja bem sucedido. Ser bom professor é relegado assim para a categoria dos talentos do género "não tente que não é capaz".

Isto acontece apenas porque provavelmente Hanushek não sabe nada sobre educação a não ser o que diz respeito à economia da educação perante a qual o que se passa na sala de aula é uma caixa negra. Tudo o que se tem que comprovar tem que ser feito pela lei dos grandes números. Por outro lado, como é um liberal, no mau sentido, acredita que a concorrência entre professores, escolas e diretores acabará por selecionar os melhores e relegar os piores para o desemprego e para a miséria, precisamente o que não queremos que aconteça com as nossas crianças.

Ora, um dos seus títulos é precisamente No Child Left Behind: The Politics and Practice of School Accountability1Lembro-me desta palavra de ordem da Administração Bush. Sugere que as crianças soçobram na escola porque deixam para trás aprendizagens essenciais sobre as quais se constroem outras. Isso acontece no nosso sistema de ensino. O facilitismo e a indiferenciação pedagógica que resulta da inclusão de alunos com percursos, capacidades e prérrequisitos diferentes numa só turma complica em extremo a tarefa do professor. Se, através de testes, verificamos que um aluno não tem conhecimentos suficientes para acompanhar um grupo de trabalho (turma) e, por isso, falha e diminui o rendimento do grupo para onde vai, deveríamos poder agir no sentido de criar um ambiente onde esses alunos pudessem progredir ao seu ritmo. Todos os selecionadores desportivos sabem isto, assim como os professores de escolas de línguas, mas na nossa escola há uma série de princípios ideológicos (inclusão, igualdade de resultados e não só de oportunidades) que impõem práticas que ignoram a realidade.

O enfoque aqui está na gestão dos grupos de alunos, na seleção do programa para cada um dos grupos, tarefas que por vezes escapam ao professor, mas devem ser tratadas no âmbito do coletivo ou da gestão da escola.

Criticando este título, uma recensão na página da AASA2 (associação americana de administradores escolares) chama a atenção para Hanushek como um autor adverso a algumas componentes da escola pública. Muitos dos títulos ficam-se pelo que eu disse atrás - correlações, mas não causas suficientemente demonstradas.

A obra de Hanushek é bastante diversificada e falar sobre ela implica muito mais do que o que fiz aqui em que me limitei a algumas impressões que, provavelmente, aprofundarei mais tarde.

 

1edited by Paul E. Peterson and Martin R. West, Brookings Institution Press, Washington, D.C., 2003.

2 Artigo na AASA.

publicado por Redes às 14:25
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 19 de Maio de 2013

Alemanha versus Japão

Enquanto o Japão cresce, a Europa estagna. O arranque consegue-se com a receita do primeiro-ministro japonês, já conhecida como "abenomics", celebrizada com a expressão das "três setas":

  • Maior liquidez proporcionada pelo banco central, permitindo uma inflação de 2%;
  • Aumento do défice com programas de investimento público;
  • Estímulo fiscal do investimento privado.

Diríamos que é tudo o que precisaríamos para aumentar o défice e a dívida pública mas também... o crescimento e o emprego, logo, a receita fiscal!. Num dos últimos suplementos de economia do Expresso, Joseph Stiglitz elogiava Abe Shinzo e zurzia na política económica da Europa.

O bloqueio europeu reside na política alemã, amiga da austeridade e alérgica a défices e a inflação.

 

As Japan Courts Growth, Europe Keeps Up Its Love Affair With Austerity no New York Times

The Abe/Aso Government "Three Arrows" Agenda for Economic Revival, na Forbes

publicado por Redes às 01:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 14 de Maio de 2013

Educação: o modelo de Singapura

 

Paulo Prudêncio. autor do blogue Correntes, chamou-me a atenção para um post sobre política educativa (A ESCOLA PÚBLICA. O que virá a seguir) no blogue Atenta inquietude do Zé Morgado. O artigo pareceu-me deslocado tanto em termos retóricos quanto informativos, pois, é declarado um conhecimento privilegiado das intenções governamentais para a seguir se apresentarem orientações que nenhuma corrente política conhecida defende.

Parece-me que temos de alicerçar as nossas reivindicações com base num conhecimento efetivo. Se nos basearmos no "diz que disse" político, as nossas posições serão facilmente desmentidas e postas a ridículo pelos governantes.

Creio que o debate da "escola pública" seguiu esta direção por o ministro da educação ter declarado que o modelo já não era a Alemanha, mas sim Singapura.

Vou fazer algum trabalho de pesquisa e elencar as caraterísticas do sistema educacional daquela cidade-estado que tanto atrai a atenção dos nossos decisores.

  • Mais de 80% dos jovens cumprem os 16 anos de escolaridade obrigatória.
  • O primário vai até ao 6º ano.
  • No final do primário, os alunos são sujeitos a um exame chamado "primary school leaving exmination", em Inglês, Língua Materna, Matemática e Ciências, constituído por várias provas orais e escritas, cujos resultados decidirão o tipo de  currículo a seguir no ensino secundário.
  • No final do secundário, os alunos fazem exames que variam de acordo com o currículo que tiveram.
  • No secundário, há quatro tipos de currículos: Normal (T), isto é technicNormal (A), isto é, academic, Express e Special Express.
    • Em função do desempenho do aluno, os professores e o diretor da escola podem propor que um aluno salte do currículo "normal" para o "express".  O "special" e o "express" parecem ser os mais exigentes.
    • No final do secundário, os alunos fazem exames que certificam a sua habilitação: 
      • GCE "O" Level para o Express eo Special Express
      • GCE "N" Academic Level para o currículo "Normal academic"
      • GCE "N" Technical Level para o currículo "Normal Technic".
        • Há aqui uma hierarquia. Um aluno que revele um bom desempenho no currículo normal "técnico" pode aceder ao GCE Ordinary Level utilizando um quinto ano de preparação no secundário. Se não for o caso, pode ter sempre a sua habilitação "técnica".
    • A seguir ao GCE "O" Level que culmina no que corresponde, grosso modo, ao terceiro ciclo em Portugal e é a "compulsory education" de Singapura, os alunos podem ir para uma escola que os prepara para o GCE A level que inclui uma enorme variedade de disciplinas, no que corresponde ao nosso Secundário e dá acesso aos cursos universitários.
  • Muitos conteúdos são trabalhados em inglês, uma segunda língua e não a língua materna da maioria dos jovens de Singapura. Esta informação torna mais admirável o desempenho que eles atingem em leitura, em ciência e matemática.
  • A média de alunos por turma é 35 alunos, de onde não me parece arriscado concluir que há turmas de 20 a 40 alunos.
  • A contratação de professores está centralizada no ministério da educação e não relegada para autoridades locais ou para as escolas.
  • As aulas do currículo fundamental são todas de manhã e as atividades extra-curriculares à tarde.
  • As finalidades de ordem ética e moral explicitam sentimentos, como o amor a Singapura, capacidades de interação social, mas também o raciocínio moral independente que implicam, sobretudo no secundário e no pré-universitário, uma forte formação humanística.
  • No currículo do ensino primário fala-se em "skills" e não de "competences", isto é genericamente um saber que pode incluir teoria, prática e habilidade desenvolvida pelo estudo ou pelo treino.
    • Distinguem-se "life skills" de "knowledege skills". As primeiras incluem educação para a saúde, física, moral e nacional, entre outras. As segundas classificam-se em três áreas: matemática e ciências; inglês e língua materna; humanidades e artes. O trabalho de projeto é incluído como uma atividade transversal às três áreas, e não como uma disciplina. Nas artes inclui-se a música e as artes e trabalhos manuais ("arts and crafts").

 

Este trabalho foi publicado pela primeira vez em 14 de Maio às 12 e 49 e reformulado na data que se anuncia.

 

Continuarei com a sua reformulação assim que puder e achar conveniente.

 

Bibliografia:

 

Embaixada do Brasil em Singapura

 

Ministério da Educação de Singapura

 

Singapore Examinations and Assessment Board

 

Calendário de exames do ensino primário (equivalente ao nosso 6º ano)

 

Singapore-Cambridge GCE Advanced Level

 

publicado por Redes às 12:49
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Maio de 2013

Boicotem os esclavagistas!

A Mango encomendou amostras à Phantom-Tac, a empresa proprietária do edifício que ruiu no Bangladesh, matando centenas de trabalhadores. Agora desculpa-se afirmando a sua "responsabilidade social". 

Temos que dizer que isso não chega!

Creio que é nossa obrigação e que deve estar na nossa agenda da esquerda democrática boicotar, enquanto consumidores, a Primark, a Loblaw, a Bonmarché, a Benetton e o El Corte Inglés e outras do género que eram clientes fornecidos pela Phantom-Tac.

O que está aqui em jogo é, infelizmente, mas do que um prédio que ruiu e matou centenas de pessoas:

  • São escravos que trabalham em condições miseráveis para manter preços baixos nos países ocidentais, onde milhares de pessoas sobrevivem com subsídios e pensões, 10 a 15 vezes superiores aos salários daqueles que produzem aquilo que consomem.
  • São países endividados que não conseguem manter um estado social decente.
  • São capitalistas com lucros astronómicos com um "marketing" ideológico em que falam hipocritamente da competitividade e da responsabilidade social, como marcas distintivas das suas empresas.

Não contesto a existência de salários mais baixos em países em que o nível geral tecnológico e o custo de vida são inferiores. Temos que assumir que não procuramos que os capitais deixem de afluir a esses países, mas devem ir para lá para elevar as condições salariais e melhorar as condições de trabalho e de segurança, aumentando a procura de trabalhadores. Os trabalhadores ocidentais têm que aceitar essa concorrência ao mesmo tempo que devem considerar como parte da sua luta a melhoria das condições de vida de todos os povos do mundo.

 

Justificações da Mango

O discurso da responsabilidade social da Mango num relatório

Polícia detém dono do edifício que ruiu no Bangladesh (no Expresso)

publicado por Redes às 11:42
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO