Quarta-feira, 14 de Outubro de 2015

Onde estão os "moderados"?

Nesta página da BBC de 2013 - Guide to the Syrian rebels -, faz-se um levantamento dos grupos rebeldes na Síria que parecem ser quase tantos quanto os homens em armas. Não há quase nenhum grupo militar efetivo que não tenha uma designação "islâmica" remetendo diretamente para um ideal político islâmico. Será que nestes dois anos eles mudaram de cultura política e já estão em armas por um estado de direito laico e democrático ou apenas "forçaram" a barra para obter apoio ocidental?

Neste vespeiro, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), inimigo a abater pelo ocidente, é para muitos destes rebeldes, cuja agenda política é diferente da que projetaríamos num povo que luta contra um ditador, apenas um pouco exagerado. Quanto ao essencial, o seu ideário é semelhante ao de muitos rebeldes.

Um estado islâmico representa um retrocesso civilizacional e político relativamente à ditadura de Assad por pior que esta seja. 

Quando os líderes ocidentais falam em "moderados" que lutam de armas na mão contra Assad, devem estar a falar de heróis que devemos acarinhar, mas será que justificam uma intervenção militar maciça que provavelmente beneficiará os militantes da teocracia islâmica?

Que candidatos à moderação irá o "Ocidente" impedir de se "radicalizarem"?

Não será com certeza a Frente al-Nusra, 20 000 ou mais homens em armas, um grupo já ilegalizado pelos EUA por fazer parte da Al-Qaeda que começou com o modus operandi típico com ataques suicidas e etc, mas que, parece ter-se acomodado à lógica anti-Assad junto com os outros grupos, sem contudo desistir do ideal de um estado islâmico.

Será porventura o Ahrar al-Sham que tem uma importante base em Idlib e terá sido vítima dos ataques russos? Há quem o considere ainda mais poderoso do que a al-Nusra. Apesar de já não se considerar membro da Al-Qaeda e não ser militante do jihadismo global, limitando a sua ação à Síria, a sua ideologia islâmica não mudou.

A Brigada dos Mártires da Síria, apoiada pela Arábia Saudita, parece não colocar o islamismo no seu discurso político. São cerca de 7000 homens em armas, liderados por Jamal Maarouf, que já tiveram alguns êxitos militares como o derrube de dois MIg da Força Aérea de Assad. A Brigada agora está integrada na Jabhat Thowar Suriyya, Frente Revolucionária da Síria, liderada por Maarouf, um movimento que se diz laico e democrático. Contudo, para sobreviver nesta luta tem que se aliar aos outros movimentos fundamentalistas que já referimos e que são mais poderosos. Acrescentemos a Frente Islâmica, al-Jabhah al-Islāmiyyah, movimento fundamentalista, também com apoio saudita, mais de 40 000 homens em armas. Os cerca de 15 000 homens da Frente Revolucionária Síria integram-se nos cerca de 50 000 do Exército Livre da Síria que junto com os 50 000 curdos do YPG se unem no Conselho Nacional Sírio que agrupa cerca de 114 organizações das quais referimos algumas das mais relevantes.

Perante o fato de haver 100 000 ou mais homens que lutam na Síria contra a ditadura de Assad fora do quadro fundamentalista, concluo que a posição russa de reduzir tudo ao Estado Islâmico é errada. A Rússia está a apoiar massivamente o ditador mesmo se reduzir a sua ação a atacar grupos fundamentalistas e terroristas, pois liberta o exército sírio de uma das frentes. Mas isso é inevitável também para os americanos.

A guerra civil síria transformou-se num conflito regional, com várias frentes e vários agentes com intenções diferentes. Por um lado, temos o Irão, o pilar do fundamentalismo Xiita, a competir com a Arábia Saudita sunita por influência na região. A Síria e o Yémene são dois lugares dessa disputa. O Iraque, aparentemente, já entrou na órbita iraniana. A aliança russa ao Irão tende a diminuir o peso da influência americana em Bagdad. Os curdos que seriam aliados contra o Estado Islâmico são prejudicados gravemente pela Turquia que quer impedir a todo o custo que curdos sírios e curdos iraquianos criem um novo Curdistão que desestabilizaria a zona curda da Turquia.

O Estado Islâmico tem sobrevivido graças aos interesses divergentes que se apresentam. Se convém ao Irão combater os sunitas radicais, tal desiderato não convém aos estados sunitas da região. Embora sem apoios declarados, os islamitas de Raqqa beneficiam do desinteresse da Turquia e da divisão entre Xiitas e Sunitas no Iraque.

publicado por Redes às 23:32
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Outubro de 2015

Global Research

Os artigos do Global Research parecem-me ter a seguinte linha de orientação: os Estados Unidos da América e os seus aliados são os culpados de todos os males da humanidade.

Em Syria: Russian Intervention Exposes Coalition Lies. “The Terrorists R US” , suporta-se a posição de Putin na Síria e acusa-se a Inglaterra por fazer a mesma coisa pela qual os russos são elogiados. Exemplifica-se com o caso de uma intervenção em que militantes do ISIL ingleses foram assassinados na Síria por forças britânicas com um drone. Quanto à decisão do líder russo, de atacar os terroristas na Síria, é aceite sem crítica alguma a justificação do próprio: ter o apoio do governo legítimo da Síria. 

Este está desacreditado, tanto perante os países ocidentais como perante os seus vizinhos. Mas o artigo aceita esta posição legalista da Rússia para contrapor à ilegalidade dos ocidentais. Não se discute a natureza deste regime, nem as suas ações. Supostamente, todos os que Assad bombardeou eram terroristas.

Cita-se Michel Chossudovsky que, precisamente reduz toda a oposição síria a "terroristas", a mesma justificação que Assad dava no momento mais quente da guerra civil. Sabíamos que havia grupos que queriam um regime em que eles pudessem participar pacificamente. Algo a que podemos chamar democracia. Tratava-se de acabar de vez com a ditadura desta elite da etnia alauita, já responsável por inúmeros banhos de sangue.

Para Chossudovsky, a Al-Nusra que os americanos declararam terrorista, é financiada por eles próprios e faz parte do Exército Livre da Síria. Trata-se de uma evidente deturpação das difíceis condições no terreno. Os rebeldes anti-Assad estiveram num determinado momento unidos, mas tiveram de se demarcar uns dos outros. A Al Nusra já combateu contra o Exército Livre da Síria e assinou uma aliança com o ISIL.

Talvez os russos acabem com o terrorismo na Síria como fizeram na Tchetchênia e num Teatro de Moscovo: liquidando tudo o que estiver por perto.

 

publicado por Redes às 00:08
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO