Sábado, 21 de Novembro de 2015

USA: um entalanço estratégico

Entre republicanos e "liberals" - como esquerdistas, ex-trotskistas, anarquistas e etc. são chamados nos Estados Unidos - parece haver muita similitude de argumentos, quando se trata de criticar a política externa de Obama.

Para os primeiros, Obama é culpado de

  1. sair do Iraque, deixando o país nas mãos dos xiitas e do Irão
  2. ter potenciado a transformação da Al Qaida do Iraque no atual ISIS
  3. estar a atacar o ISIS servindo de força aérea do seu arqui-inimigo, o Irão e do regime de Assad que é satélite deste - os Estados Unidos pelo ar com o exército sírio, a guarda revolucionária iraniana e o Hezbollah por terra

Os esquerdistas fazem coro com a política russa. Para eles, tudo serve para atirar à cara de Obama:

  1. o que os republicanos consideram uma incompetência estratégica, é para eles uma continuidade política intencional, coerente com a política externa da administração Bush
  2. os americanos desestabilizaram os estados árabes
  3. criaram o ISIS em cumplicidade com a Arábia Saudita, a Turquia, e os outros estados do Golfo com o objetivo estratégico de destruir os principais inimigos comuns de Israel e dos estados sunitas - a Síria e o Hezbollah

Agora que a França dramatizou o mais recente ataque terrorista do ISIS, os Estados Unidos estão confrontados com soluções que se encontram entre estes dois extremos: 

  1. acabar com o ISIS sem qualquer intervenção com tropas terrestres e deixar o Irão tornar-se na maior potência regional, agora que já controla o Iraque, com a Síria reabilitada, em aliança com a Rússia. Esta solução não convirá nem à Turquia nem à Arábia Saudita, nem a Israel.
  2. acabar com o ISIS entrando com tudo, com apoio maciço aos outros movimentos, conselheiros militares e tropas especiais no terreno, dificultando a vida a Assad e à Rússia, dispensando o Irão, que é a solução que convém aos sunitas, à Turquia e a Israel. O preço será mais mortes e decapitações de soldados e conselheiros americanos, entre outras coisas desagradáveis.

Enfim, creio que Obama sabe que só tem más soluções, preso, com cão ou sem ele. Um presidente republicano inclinar-se-ia mais para a segunda hipótese. Seria melhor?

Nesta peça podem ver como raciocinam os republicanos: Obama's Emotional Reaction to ISIS

publicado por Redes às 00:16
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Novembro de 2015

O problema da anáfora

Na simplificação escolar a que recorremos, a anáfora aparece como um mera repetição do já dito. Contudo, uma análise mais fina revela algumas dificuldades. Por exemplo,

  • (1) "Alguns jogadores fizeram um jogo muito violento. Eles foram expulsos pelo árbitro"

Se "eles" for substituído pela expressão que supostamente substitui surgem problemas de referência:

  • (2) "Alguns jogadores fizeram um jogo muito violento. Alguns jogadores foram expulsos pelo árbitro"

Nada nos garante que os jogadores referidos em (2) na segunda frase são os mesmos da primeira. A única coisa que podemos dizer com segurança é que em (1) "alguns jogadores" e "eles" têm a mesma referência, isto é, são expressões "correferentes". Ver a este respeito, o velhíssimo Dicionário das ciências da linguagem de Ducrot e Todorov (Lisboa, D. Quixote, 1988, pp. 338-340).

É de facto uma questão mais importante do que parece, uma vez que referência e palavras ou expressões (signos) são coisas distintas. Quando se fala da anáfora como figura de linguagem, o que temos usualmente é a mera ideia de repetição de palavras. Neste sentido, "alguns jogadores" em (2) é uma anáfora que pode no contexto não coincidir com a referência.

Na Wikipédia, "Anáfora" aponta precisamente para esta mera repetição com efeito literário. Em InfoEscola, expressa-se a mesma ideia.

Observemos o poema de Cecília Meireles citado no artigo e assinalemos as anáforas do ponto de vista da referência e do ponto de vista do significante (palavra, expressão, signo). Assinalo a repetição dum significante a azul e outras palavras que partilham a mesma referência a verde.

No último andar é mais bonito:
do último andar se vê o mar.
É que eu quero morar.

O último andar é muito longe:
custa-se muito a chegar.
Mas é que eu quero morar.

Todo o céu fica a noite inteira
sobre o último andar.
É que eu quero morar.

Quando faz lua, no terraço
fica todo o luar.
É que eu quero morar.

Os passarinhos se escondem,
para ninguém os maltratar:
no último andar.

De se avista o mundo inteiro:
Tudo parece perto, no ar.
É que eu quero morar:

no último andar.”

publicado por Redes às 16:46
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

. Bilinguismo e ortografia

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO