Terça-feira, 20 de Dezembro de 2016

Bilinguismo e ortografia

Em O Português na hora di bai?, Nuno Pacheco dá-se conta, aparentemente surpreendido, da dualidade linguística fundamental das crianças africanas, como o serão também, as timorenses, divididas entre a língua materna e a da escola. Os países africanos são multilingues e os seus cidadãos, bilingues.

Que as crianças caboverdianas tenham de aprender o português como uma segunda língua e não como se fosse a primeira é um avanço que vai permitir a expansão do Português. Até onde vai esta lusofonia é uma incógnita, mas tome-se nota de que em Angola o português já está a matar as línguas africanas e a dualidade linguística a desaparecer.

O que interessa a respeito do acordo ortográfico é se há ou não uma ortografia comum aos dois países que têm o português como língua materna e como língua oficial (os tais milhões) extensível aos outros que têm a vontade política de manter o português como língua oficial e de cultura.

Se Portugal fizer marcha atrás no acordo, não sei que consequência terá isso para o Brasil onde milhões de crianças já foram alfabetizadas com as alterações acordadas. Não estou a dramatizar. Estou apenas a dizer que não sei. O que fica é uma irresponsabilidade e uma falta de solidariedade institucional e política que envolve na sua ação milhões de pessoas. As variações ortográficas em tão pouco tempo exibirão sobretudo essa flutuação da mediocridade governativa, já que, em si mesmas, importam muito pouco, pois não foi possível unificar ortografias que têm muito pouco de diverso.

publicado por Redes às 16:11
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016

O Ipiranga de Artur Anselmo

Artur Anselmo, presidente da Academia das Ciências de Lisboa, vai propor alterações ao Acordo Ortográfico. Um dos exemplos dados é a distinção ortográfica entre "para" e "pára" que se perdeu com o Acordo. Antes de avançar para as declarações do presidente da Academia, vou comentar este caso.

Em termos ortográficos, não é muito grave a homografia de duas palavras de classes diferentes - uma preposição e uma forma verbal - que muito dificilmente entrarão em contextos geradores de ambiguidade. Maiores dificuldades oferecem as numerosas palavras homógrafas e homónimas da nossa língua, especialmente quando se trata de nomes como por exemplo: "o canto era muito belo" (o da sala ou o da soprano?) "a sede naquele lugar era insuportável" (a falta de água ou o centro de um clube?). Contudo, embora possamos relativizar a gravidade desta mudança, não podemos negar que há uma perda de distintividade.  A minha posição é que haveria uma perda mínima, nesta como noutras alterações ortográficas, em função de um objetivo maior - o da unificação ortográfica, se esse objetivo político fosse prosseguido.

Mas o caso toma um aspeto bizarro quando nos damos conta de que os brasileiros também tiveram de mudar o seu par para/pára, pois também eles punham o acento na forma verbal. Se a distinção valia dos dois lados do Atlântico porque foi anulada? Também lá apoiantes e oponentes se esforçaram por racionalizar, isto é, inventar razões linguísticas para justificar mudanças ou para se opor a elas.

Neste caso, veja como o Gramatigalhas justifica para os brasileiros a perda do acento na forma verbal "pára": "Para e pára". Oiça bem como o professor José Maria da Costa pronuncia a preposição "para". Para si, tem ou não acento tónico na primeira sílaba? "Para" difere da sua forma reduzida, "pra". Esta é claramente átona. É frequente a preposição "para" ser pronunciada totalmente com acento tónico na primeira sílaba, especialmente em frases em que se dá uma ênfase ilocutória muito particular, embora também seja frequente a sua redução a átona.

Voltamos à pergunta "Porque foi alterada uma coisa comum às duas ortografias? Porque se quis reservar o acento gráfico para distinguir a sílaba tónica e não para distinguir diferentes fonemas representados pela mesma letra: /ɐ/ de "para" e /a/ de "pára". Por este princípio, só os casos em que o acento assegura a identificação da sílaba tónica é que as palavras graves (paroxítonas) o mantêm (Base IX). Então, "para" e "pára" foram vítimas duma tentativa de diminuir as exceções a uma regra geral.

Quanto ao presidente da Academia, ele não se limitou a propor algumas mudanças. Ele afirmou que o acordo tinha falhado, pois não se tinha chegado a uma ortografia comum, que o Brasil tinha sido colonialista a impor a sua a Portugal, que a orografia não era uma questão política e que agora era necessário tratarmos das ortografias nacionais. Enfim, um grito de Ipiranga ao contrário.

Como é que ele se sente perante a instituição que dirige e que, durante 26 anos, andou a negociar este acordo? Com o discurso que apresenta, ele deveria propor o regresso a 1945 e não "pequenas correções".

Não há coisa mais política do que a ortografia portuguesa. Desde o rei D. Dinis até às reformas de 1911, 1945 e 1990 foi sempre o poder político a regulamentar. Seria irónico que a democracia perdesse esse poder. A quem o entregaria? Quem é que teria legitimidade para decretar uma ortografia para a Escola, o Governo e os Media? Seria o Artur Anselmo?

Eu considero aquilo em que o acordo ortográfico mexeu uma insignificância em termos linguísticos. Espero que os especialistas façam um bom trabalho em fixar o que é comum e o que é diferente entre os vários países lusófonos, que se ponham de acordo a respeito duma ortografia para as organizações internacionais - desde logo, aquela em que se redigem as atas da CPLP - e que acabem os disparates nos jornais e na televisão.

Referências bibliográficas:

"Pronúncia do português europeu" in Instituto Camões

"Para ou pára" in Dúvidas de Português

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (pdf) Porto Editora

 

publicado por Redes às 22:43
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 4 de Dezembro de 2016

Ser ou não ser Fidel

Daniel Oliveira expôs as razões dos que se acham à esquerda e se afirmam democratas acima de tudo em "Porque continuo anti-castrista" no Expresso diário de sábado, 3/12/2016. De facto, esta é uma das dificuldades de quem andou por caminhos vizinhos dos do líder cubano, mas não o sente como parte da sua herança ideológica.

Primeiro, há que dizê-lo sem medo das palavras: Fidel era um ditador e, nessa qualidade, a sua silhueta ombreia com as de todos os que pululam à sua direita ou à sua esquerda. Não há mais nada a dizer a este respeito: somos contra déspotas. Não nos venham com a especificidade cubana, o bloqueio, ou o que quer que seja.

Comentário: Não posso deixar de lamentar os que na América Latina ou nas résteas de partidos comunistas europeus de ortodoxia soviética que ainda há por aí que, ao mesmo tempo que fazem o jogo democrático nos seus países, se afirmam amigos do regime cubano e de outros do mesmo género.

Segundo, a ditadura de Castro, assim como a de Salazar, para referir uma de esquerda e outra de direita, não têm comparação possível no que respeita a barbárie e violência com a ditadura de Staline ou a de Hitler, para referir também uma da esquerda e outra da direita.

Terceiro, não podemos ignorar os sucessos sociais na educação, na saúde e na segurança social conseguidos pelo regime cubano, mas temos que os colocar no seu devido contexto: resultam de uma ideologia socialista aplicada por um regime autoritário. Temos também que mostrar os seus limites: falta de iniciativa económica individual, de inovação tecnológica, de criação artística e de estímulo para impulsionar carreiras profissionais, dificuldades que conduziram à emigração maciça de centenas de milhar de cubanos para os Estados Unidos.

Posto isto, nós de esquerda e democratas, temos que nos solidarizar com todos os cubanos, de direita e de esquerda, que se posicionam contra o regime por se sentirem oprimidos, com direitos humanos cerceados, e por não poderem participar na política cubana com as suas ideias e iniciativas próprias.

No mesmo tom, mas mais direto e com maiores razões para exprimir a sua perspetiva, está o bloguista brasileiro Bertone de Sousa que em "Notas sobre a morte de Fidel" chama a atenção para o culto castrista dos políticos do Partido dos Trabalhadores e congéneres.

publicado por Redes às 17:52
link do post | comentar | favorito
|

Duplas grafias

Um dos argumentos contra o acordo ortográfico é a proliferação de duplas grafias. Por causa disso, tornei-me sensível a esse fenómeno nas línguas estrangeiras com que trabalho. Assim, dei com a palavra inglesa "organize" e, curioso, fui experimentar em dicionários online a versão que tinha por correta - "organise".

Repare-se que é uma diferença que abrange uma quantidade apreciável de palavras, pois a formação dos verbos terminados em "-ize" corresponde a uma regra produtiva da língua inglesa, de certo modo, correspondente aos nossos "-izar" (como organizar). Na língua oral, os falantes criam facilmente verbos a partir de nomes (e adjetivos) e, por sua vez, outros nomes derivados dos verbos. Formam-se assim "organization" ou "organisation", por exemplo. A dúvida que surge na escrita não tem qualquer implicação para a língua oral. Veja estas listas de palavras: -ize,  -ise em que encontrará muitos casos de dupla grafia. Normalmente, os dicionários apresentam as duas versões: Ver no Free Dictionary: organized e organised

Curiosamente, a versão americana, que grafa o sufixo em -ize, é a mais antiga. A versão britânica, em -ise deriva de "-yse", "organyse" que coexistiu durante muito tempo com "organize".

Poderíamos ir buscar a etimologia que leva do adjetivo latino "organizatus" ao verbo do latim medieval "organizato" (1ª do singular do presente do indicativo; o infinitivo seria "organizare"), ao francês "organiser" e ao inglês "organyse". Mas, ao seguir por esta via, perdemos de vista a enorme lista de palavras que, por vias similares a esta ou por outras chegaram aos dois paradigmas ortográficos que referimos acima.

Tudo se resume ao seguinte: tradições ortográficas diferentes.

Referências

"Organizo", "Organiser" "Organise" in Wiktionary

Morewords

"Organise vs. organize" in Grammarist

The Free Dicitionary

 

publicado por Redes às 16:04
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2016

Que ortografia representará internacionalmente Portugal (à falta de uma única)?

José Eduardo Agualusa dá a resposta relativa ao mais poderoso país africano de língua portuguesa 1:

"Angola «tem mais a ganhar com a existência de uma ortografia única do que Portugal ou o Brasil», porque o país não produz livros mas precisa «desesperadamente deles (...) e que deve optar pela ortografia brasileira [se o acordo não for ratificado devido à resistência existente em Portugal]»2 .

1 Para alguns puristas que vêm na ortografia a língua e não a sua mera representação escrita, talvez, a língua de Angola não seja o Português, mas sim o "Angolano", ou talvez, o "Angolês". Pelo menos, o que dizem do Brasil, é que "abrasileirar" a nossa ortografia estraga a língua.

2 "Academia quer fazer alterações ao acordo ortográfico Expresso diário, 30-11-2016

publicado por Redes às 23:16
link do post | comentar | favorito
|

Desempenho português a Matemática no TIMMS dos mais novos

TIMMS.jpg

 

O que aconteceu para Portugal ultrapassar a Finlândia?1 No teste de 2011, a Finlândia ombreava no topo com os países asiáticos. Países ocidentais como a Inglaterra situavam-se abaixo. Agora, o topo é exclusivo da Ásia e a Finlândia desceu para o patamar onde se encontram Portugal e a Inglaterra.

É notório o avanço consistente de Portugal, mas não podemos pôr de parte a possibilidade de a Finlândia também ter descido a qualidade dos seus conhecimentos matemáticos na idade de 9/10 anos. Terá a reforma educativa prejudicado o desempenho a Matemática? A mudança dum ensino focado na disciplina para um centrado em temas interdiscilinares2 poderia ser a causa dessa descida. Mesmo que a mudança esteja ainda a começar, a sua difusão poderia ter encorajado avanços nessa direção. Se for o caso, a Finlândia terá que ponderar o caminho a seguir, ou talvez, defender que o teste TIMMS não consegue avaliar as vantagens das novas orientações pedagógicas.

A comparação com o resultado a Ciências, em que Portugal se situa no trigésimo lugar, sugere que o sucesso é específico da Matemática3 . Portanto, alguma orientação no campo do ensino desta disciplina poderá ter contribuído diretamente para o desempenho dos alunos. Enquanto alguns atribuem o seucesso a Maria de Lurdes Rodrigues com o plano para a Matemática, outros há que dão o prémio a Nuno Crato. Agradou-me a reposta da ex-ministra que declarou que seriam precisos mais estudos para decidir a quem enviar os parabéns.

1 "Portugal com subida recorde nas notas de Matemática do 4.º ano", Expresso, 29/11/2016; Ver o relatório de 2011: "TIMSS and PIRLS 2011: Relationships Among Reading, Mathematics, and Science Achievement at the Fourth Grade—Implications for Early Learning"

2 "Finland schools: Subjects scrapped and replaced with 'topics' as country reforms its education system" Independent, 20/03/2015 

3 Ver nota 1.

publicado por Redes às 16:53
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO