Sábado, 12 de Julho de 2008

Exames

No seu blog, Correntes (http://correntes.blogs.sapo.pt), o meu colega Paulo Prudêncio insurge-se contra os exames. Veja aqui o artigo: "exames (arquivo de ideias simples)".

Fiz o exercício de apreciar cada um dos pontos dessa discussão.

 

"Se confiamos no professor para leccionar as aulas durante o ano inteiro, porque é que no fim havemos de duvidar da classificação que atribui aos alunos?"

- Muitos professores são críticos em relação às notas que os seus próprios colegas dão! Os próprios alunos distinguem os professores mais exigentes dos que o são menos. Os exames avaliam o trabalho de professores e alunos, através de um teste comum.
- Além do mais, no nosso sistema, as classificações dos professores são manipuladas nos conselhos de turma, com base em critérios extrínsecos.

"Os resultados dos exames nunca diferem muito da nota do professor"

- Esta afirmação é falsa.

"Para aferir conhecimentos?"

- Sim, os exames são, também, provas de aferição.

"Para os alunos estudarem mais?"

- Sim, em geral, estudamos mais se sabemos que vamos ser examinados.

"Para estudos internacionais?"

- Os estudos internacionais servem-se privilegiadamente de provas como o PISA. Não é preciso ir tão longe: as autoridades nacionais beneficiam da informação dos exames, para avaliar programas e escolas.

"Para hierarquizar as escolas?"

- Faz-se em alguns países, oficialmente. Como os resultados dependem de alunos, professores, encarregados de educação, serviços sociais e etc., uma escola com piores resultados pode ser melhor do que outra com melhores resultados.

"Para hierarquizar os alunos na entrada para a universidade?"

- Sim, os exames podem servir para isso. Não necessariamente à portuguesa, com decisões feitas em função de décimas! Na Inglaterra, há um sistema de exames independente do governo. As escolas aderem a entidades independentes que têm a tarefa de preparar exames e que definem os procedimentos para os fazerem. Há um programa nacional, oficial, e, o aluno, para obter certificação tem de realizar os exames finais. Não é só à entrada nas universidades, mas também no primeiro emprego, que exigem certificações específicas. Por exemplo, ter pelo menos um C a Matemática e um B a Inglês pode ser a condição de pré-selecção de candidatos a um emprego. Além do mais, na maior parte das vezes, os exames não se limitam a uma prova, num único dia. Podem incluir a apresentação de um trabalho realizado durante um certo período, com determinadas condições de tempo, materiais e lugar.


"Serão, portanto, os exames tão necessários assim?"


- Podem ser úteis. Não são, de certeza, um mal. Sobretudo, podem ser feitos de maneiras muito diferentes. Penso que o assunto mais sério é este: como se devem realizar exames nacionais e que consequência devem ter na avaliação de alunos, professores e escolas. Não concordo com a posição do CDS que vê nos exames e na consequente selecção de alunos a solução para o sistema educativo. Mas, no actual estado de coisas, exames nacionais podem ajudar a melhorar o processo de ensino-aprendizagem e, sobretudo, a dar mais credibilidade às certificações oferecidas pela escola.

publicado por Redes às 17:51
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De paulo prudêncio a 14 de Julho de 2008 às 17:35
A minha intenção ao fazer este post partiu do seguinte ideia que também é partilhada por Rui Tavares na sua crónica de hoje no jornal público: "nenhuma reforma seria tão bem-vinda como a reforma das banalidades que nos regem. Banalidades sobre as reformas, banalidades sobre a crise, banalidades sobre o país. Repetimo-las tanto que elas se tornam o nosso mundo".

Ou seja: Luís: os exames podem servir para aferição e para tudo o resto? Claro que sim. Os exames têm sempre o seu lugar nas chamadas ciências da educação? Claro que sim. Com esse ou com outro nome: provas de aferição, testes sumativos, testes internacionais. As questões que coloco são outras. Refiro-me á centralidade dos exames na vida actual e ao seu questionável valor. Há tanto para fazer. Se estivéssemos num nível mais avançado nas condições de realização do ensino os exames seriam dispensáveis. O maior valor está naquilo que se faz no quotidiano. Por absurdo, alguém deveria advogar exames nas disciplinas todas e nos anos todos e isso teria um peso logístico ainda mais insuportável do que aquele que se vive nos países pouco desenvolvidos.

Revejo-me no clube dos poetas mortos. Revejo-me nessa utopia de escola. Por o ser, como sabemos, é essa escola que devemos perseguir: convenço-me do seguinte: ou por aí ou morremos. Ficará a escola dos ricos, apenas.

O Rui diz um coisa muito acertada: os alunos delegam em quem?

Pois é. Por isso comecei o post pelos azarados alunos que têm um professor mau que, como sabes, não é muito o meu tipo de linguagem. Também sei que os professores bons nem sempre têm alunos cuja nota do exame é igual á sua. E depois? Se um aluno tem essa sorte não precisa do exame para nada. Fica muito feliz sem ele e nem tem qualquer problema em fazer os exames que forem necessários.

Enfim. Há muita vida para além dos exames e precisamos desesperadamente de confiar nos professores todos. A sério. Em todos. Essa deve ser a base de construção. Só depois é que podemos ajustar o que vai correndo menos bem. O que hoje se passa é como num espectáculo com pouco sentido: não apontamos o foco luminoso para o ensino mas no sentido contrário.

Mas que bela discussão. Obrigado e um abraço.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28

30


.posts recentes

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO