Quinta-feira, 8 de Dezembro de 2005

O conceito de manual de Língua Portuguesa

Nos textos universitários de didáctica da leitura é
comum a crítica - ou mesmo, a denúncia - de textos
cortados, ou melhor, amputados, nos manuais escolares. Contudo, os
manuais escolares continuam a basear-se num conceito de antologia que
é predatório relativamente à coerência
tanto da história como do texto enquanto unidade estética
e mensagem.


Muitos alunos não lêem outra coisa que não os
textos dos manuais e ficam provavelmente com uma má imagem do
que é a leitura literária, ou, mesmo, do que é a
leitura de um texto com princípio, meio e fim. É, além
disso, o próprio conceito de livro que é prejudicado.


Os professores que pretendem proceder contra este estado de
coisas, enfrentam a omnipotência do manual como único
recurso que conseguem impor à generalidade dos alunos, na
presente situação. Escolher uma obra para leitura
completa na sala de aula é virtualmente impossível
porque os alunos mais carentes quer quanto aos meios sócio-económicos
quer quanto ao "habitus" escolar de que fala Bourdieu, são
os que mais precisam dessa aula de leitura e são precisamente
os que não compram o livro. De nada vale, pois que os manuais
incluam guias de leitura de "obra completa" porque não
serão realizadas pelos professores.


De facto, não há qualquer motivo para que os
conteúdos de Língua Portuguesa não sejam
trabalhados exclusivamente com textos inteiros, salvo uma ou outra
finalidade, em que se admita o corte (de facto, não me lembro
de nenhuma), a não ser o custo do manual e o problema dos
direitos editoriais.


Por isso, proponho, que o conceito de manual escolar de língua
portuguesa inclua a selecção de textos completos que o
autor do manual escolheu como objecto didáctico. Se esses
textos são uma edição escolar separada do
suporte do manual ou lá estejam incluídos é uma
questão menor, neste contexto. Assim a minha imagem do manual
de língua portuguesa para o 2º ciclo, inclui os seguintes
elementos:



- textos completos seleccionados pelo autor do manual - contos,
poemas, provérbios, etc... e novela(s) ou romance(s)
juvenil(is) -

- sequências de actividades e de fichas de auto-avaliação
destinadas ao trabalho autónomo do aluno.

- apêndice conceptual de gramática da língua, da
escrita, do texto e da comunicação, que completa os
conceitos dispersos pelas fichas de trabalho.

- guia pedagógico para o professor (que pode incluir outros
recursos, como planos de aula, propostas de actividades, através
dos quais o autor pretende influenciar e apoiar o trabalho do
professor).


À guisa de conclusão lembro que alguns dos tesouros
literários da humanidade foram "encomendas"
escolares feitas pelos governos aos autores. Cito dois exemplos: A
Viagem Maravilhosa de Nils Holgersson de Selma Lagerlof e A Mensagem
de Fernando Pessoa. É uma incrível traição
que o sistema de ensino esteja a destruir estes textos nos manuais
escolares!


(publicado no Netprof:
http://www.netprof.pt/servlet/forum?TemaID=NPL0129&id=492&msg=3620)


publicado por Redes às 03:24
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Rui Correia a 8 de Dezembro de 2005 às 12:56
Luís, não posso estar mais de acordo contigo. E, se eu pudesse aumentar um dado pessoal dir-te-ia que poucas coisas me foram mais empolgantes do que fazer isso mesmo que dizes, mas, infelizmente, não em Língua Portuguesa. No liceu - sim, porque eu não fui a tempo de frequentar escolas secundárias - duas das minhas mais empolgantes experiências envolveram a leitura de obras completas. The Catcher in the Rye, do J.D. Salinger e o The Old man and the Sea, do Hemingway. Tive professores sensatos que me impuseram a leitura de dois livros inteiriços e escrever os respectivos resumos. Não eram duas coisas longas; eram duas coisas apaixonantes. E assim foram esses meus dias: obras completas. Era puto. Empolgava-me com aquilo. Não era o único. Quando pego hoje, num e noutro, sou um ganda puto e empolgo-me. E já soube, entretanto, que não sou o único.


De Anónimo a 25 de Outubro de 2007 às 17:34
É, pois, fundamental ver os textos que os manuais contêm. Os textos são o essencial num manual de Língua Portuguesa.
De acordo com a literatura da especialidade e as directrizes propostas pela política educativa portuguesa, o manual escolar de língua portuguesa deve incluir textos de tipologias diversas (narrativa, poesia; drama) e devem ser de bons e diversos autores portugueses e estrangeiros. A selecção textual deve ainda contemplar a diversidade de temas, géneros e tipos de texto. Poemas, crónicas, fábulas, contos, trechos de romance, narrativas de ficção científica, peças de teatro, artigos, telegramas, cartas, reportagens, anúncios, gráficos, tabelas, notícias, BDs, letras de música e outros géneros extraídos de contextos sociais devem figurar no manual.
Por outro lado, os textos que o manual contém devem proporcionar um progressivo grau de conhecimento de vocabulário e de situações relativas ao “eu” e ao mundo, as actividades propostas devem ser variadas e os questionários devem conter perguntas que exijam operações cognitivas de progressivo grau de complexidade.
Como há bons e maus manuais, também há bons e maus professores. Um bom professor é aquele que confere ao manual a importância que ele deve ter. Não o encara como um pequeno ditador da sala da aula, mas como um orientador do processo de ensino/aprendizagem. Compete ao professor, adequar o manual aos alunos que tem à sua frente e colmatar as suas falhas. Não podemos aceitar que um mau manual torne mau o ensino e incompetentes os alunos que por ele estudam. Não podemos exterminar os professores.
Esperança Martins
esperancamartins@ua.pt


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28

30


.posts recentes

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO