Sábado, 18 de Abril de 2009

Da coisa administrativa e da que ministra

A designação de "comissão administrativa", seja provisória, seja permanente, remete-nos para o paradigma dos nomes de quem manda na escola: reitor, director, conselho directivo, conselho executivo são, a este respeito, sinónimos.

Todas as coisas são iguais, excepção feita às diferenças. Se atendermos a estas, verificamos que o poder pode ser exercido por uma ou por várias pessoas, numa subordinação directa ao poder central ou numa maior autonomia, com orientações próprias ou apenas na aplicação duma direcção alheia. Ainda por cima, tudo isto, não como oposições binárias absolutas, mas sim como gradações diversas.

E os termos que designam estas diferenças estão longe de ter uma distinção lexical homóloga. Como se não nos bastasse reger, dirigir e executar, temos agora administrar. E, em vez dum conselho, uma comissão!

O adjectivo "administrativo" ganhou a conotação de coisa auxiliar. Assim, temos os serviços administrativos da escola que tratam do aspecto legal das coisas, de fazer chegar em devida forma a informação a quem decide, o conselho executivo. Do mesmo modo, na política, temos os ministros, eleitos e os funcionários administrativos de carreira que lá sempre estão. O programa "Sim, senhor primeiro-ministro" trata precisamente da oposição entre a função administrativa e a política, mostrando como uma corrompe a outra, como as contingências administrativas transformam em letra morta os programas eleitorais do partido no poder.

Há é claro, ocorrências em que a palavra "administração" ganha um sentido maior, como é o caso da Administração Obama, onde, além do Presidente, só há secretários. Também no Reino Unido, em termos vocabulares, temos um primeiro-ministro e mais nenhum, pois os outros membros do gabinete são secretários. Na verdade, são todos ministros, pois, de outro modo, não poderia haver um primeiro. Há apenas três "secretaries" (Justice, Foreign e Home) e um "chancellor" à volta de Gordon Brown, constituindo o "Cabinet".

Aquilo a que chamamos ministérios, são, na Inglaterra, os "departments" que constituem o "Her Majesty Civil Service". Por exemplo, a educação está integrada no "Department for Children, Schools and Families". O Secretário de Estado deste Departamento, actualmente, Ed Balls, tem sob a sua alçada outros dois "ministers", um que se encarrega das escolas e outro dos assuntos da infância e da família. Ora, Ed Balls tem que aturar um chefe não político do departamento, actualmente, David Bell, que é o seu "sim, senhor ministro".

Está aqui patente a distinção entre o "administrative management" e as tarefas ministeriais. "Minister" em inglês, ou "ministro" em português, opõe-se pois a "administrativo". Poderíamos especular sobre a diferença que o prefixo ad- faz na palavra, contudo, tal jogo, já se fazia no latim em que "minister" é qualquer pessoa que ajuda ou serve e "administer" é mais específico, significando operário, ajudante ou administrador. Os termos derivados do latim "minister" continuaram a ser usados sinonimamente em paralelo com os que derivam do "administer": ministrar, administrar, ministrador, administrador, etc., mas o uso do termo "administrativo" tem uma influência do francês "administratif" e do inglês "administrative". E já sobra de etimologia neste post.

Gostaria de realçar a nobreza do termo "ministro" e "ministrar" pela sua ligação directa com a pedagogia, com as seguintes citações bíblicas:

"Bendizei ao SENHOR, todos os seus exércitos, vós ministros seus, que executais o seu beneplácito". (Salmos 103: 21)
"Porque convosco falo, gentios, que, enquanto for apóstolo dos gentios, exalto o meu ministério" (Romanos 11: 13)
"Se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicaçäo ao ensino" (Romanos, 12: 7)

Ministro, ministério e ministrar remete para a noção de serviço e de missão. Por isso, aquele que ministra aproxima-se o mais possível das pessoas.

Pelo contrário, o administrador, ou administrativo preocupa-se mais com as coisas do que com as pessoas, põe entre si e os administrados, o maior número possível de intermediações, papéis, procedimentos que afastam o contacto directo.

Tínhamos um conselho executivo que conhecia pessoalmente todos os alunos e professores da escola. Cumpria a lei e as orientações, a direcção, de uma assembleia geral. Tinha o conhecimento do mester pedagógico, pois convivia diariamente com ele.

No seu dia a dia, o conselho executivo não parava no seu ministério de coordenar e apoiar os esforços de todos os profissionais da escola. As audiências eram da ordem das dezenas ou mesmo centenas por dia, numa apreciação impressionista pelo conjunto de movimentos que se viam à porta. De repente, temos uma comissão ad-ministrativa, sem ministério, apenas com procedimentos, justificações, papéis, uma porta fechada, um deserto de pessoas à porta. Onde estão os carentes de uma conversa, ou uma palmada encorajante nas costas, os alunos difíceis que iam ter uma conversa com uma pessoa do conselho executivo? No final do ano lectivo, quando os problemas ameaçam agravar-se, nada! O vazio!

 

publicado por Redes às 02:24
link do post | comentar | favorito
|
29 comentários:
De manuela a 18 de Abril de 2009 às 10:39
Concordo contigo, nada... o vazio. Tocaste na ferida real, os meus parabéns pelo teu post.


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 01:59
Obrigado, Manuela.


De Rui a 18 de Abril de 2009 às 12:58
Lição, Luís. Quanto te devo. (Não é pergunta).


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 02:03
Obrigado.
Tento apenas escavar um pouco.


De paulo prudêncio a 18 de Abril de 2009 às 13:37


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 02:07


De Lina a 18 de Abril de 2009 às 13:55

Faço minhas as palavras dos comentadores anteriores. Obrigada.


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 02:09


De Cristina Meneses a 18 de Abril de 2009 às 15:21
Parabéns pela lição. ;)


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 02:12

Escrever é uma maneira de aprender.
Obrigado


De Isabel a 18 de Abril de 2009 às 17:43
Luís igual a si próprio- fantástico.
Que bela lição!
Obrigada Luís!


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 02:15
Obrigado.
Quis apenas descobrir porque a designação de "administrativa" me parecia à partida uma menorização.


De N. Marques a 18 de Abril de 2009 às 23:45
Excelente texto. Mas, há anos, por mera alusão à natureza do "ministro" remetendo para a etimologia que aqui bem se clarifica, o actual inquilino de Belém quase mereceu auto-de-fé. Cuide-se, pois, caro Luís.


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 02:21
O problema é que as palavras que usamos arrastam, quer queiramos quer não, uma história que influencia os seus potenciais sentidos.


De Anónimo a 19 de Abril de 2009 às 05:54
Olá companheiro Luís... um abraço para ti.
Deves estar surpreendido com esta minha intervenção mas o facto de estar longe... muito longe... e o de ter tempo... faz-me estar ainda mais atento ao que se passa po aí...
cheguei ao teu blog através do "correntes"... e o que escreveste suscitou-me uma pequena... mas muito séria... brincadeira...
Fui ao diccionário ... retirei os siginficados de duas palavras... "razão" e "vazio"... que passo a transcrever...

razão

s. f.
1. O conjunto das faculdades intelectuais.
2. Fonte do raciocínio.
3. Justiça, dever, equidade.
4. Argumento.
5. Causa, motivo.
6. Prova.
7. Firma que adopta uma casa de comércio.
8. Mat . Quantidade que numa progressão opera sempre do mesmo modo (razão directa, relação entre duas quantidades que aumentam ou diminuem na mesma proporção; razão indirecta ou inversa, relação entre duas quantidades tais que uma aumenta na mesma proporção em que a outra diminui).
razões

s. f. pl.
9. Questões, contendas, alterações, quezílias, zangas.
s. m.
10. Com. Livro em que são lançados os créditos e débitos.
11. À razão de: na proporção de.
12. Dar razão: aplaudir.
13. Dar conta.
14. Idade da razão: aquela em que as faculdades intelectuais atingem todo o seu desenvolvimento.
15. Perder a razão: enlouquecer.
16. Ser de razão: ser justo. (Ver rasão.)

vazio

adj.
1. Que não encerra nada ou só ar. ≠ cheio
2. Despovoado. = ermo ≠ povoado
3. Despejado.
4. Destituído.
5. Fútil; frívolo; oco.
6. Desprovido. ≠ cheio
s. m.
7. O espaço vazio, o vácuo. ≠ cheio
8. Nome vulgar do hipocôndrio.
9. Trás-os-M. Carneiro novo, já castrado.
10. Parte da perna dianteira do boi junto à barriga, abaixo da pá.
vazios

s. m. pl.
11. Veter. Ilhargas (de cavalgadura); flancos.
12. Cabeça vazia: sem ideias.
13. Com as mãos vazias: sem ter nada que dar.
14. Coração vazio: sem afeições.

Posto isto... meu caro... Luís... onde a RAZÃO não existe... apenas há o VAZIO...

Mais um abraço e desculpa a brincadeira...


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 15:08
É de polissemia que queria falar?
Muito bem! Quase (por prudência, ainda estou a pensar) todos os significados de "razão" que elenca estão subordinados ao primeiro: o intelectual. É por metonímia que fonte de raciocínio se diz razão (Kant, a razão como faculdade). Veja Kant, há a razão prática - que tem a ver com justiça, - a razão aplicada à estética, com a faculdade de julgar. Ajustiça vem da razão. A matemática é toda ela racional (de razão, não sei se é preciso dizer), mesmo depois de ter criado os números irracionais e os números imaginários. Se você tem um número que consegue expressar sob a forma da relação aritmética entre dois outros, ainda que essa seja a única maneira, estamos perante um número racional. Já PI e a RAIZ DE DOIS, são irracionais, porque escapam à série dos números que se podem exprimir. Que se faz então, cria-se um novo conceito, o dos números irracionais que expandem o conceito de número. Uma razão ou divisão é apenas uma forma racional de expressar um número.
Por isso, fico sem perceber o significado da brincadeira. O que está em causa é o que já disse acima - substituir-se um conselho executivo, por uma comissão que é SÓ ADMINISTRATIVA. Ferida de morte, à partida, independentemente, da qualidade dos seus membros.


De "Olhando do Oriente" a 19 de Abril de 2009 às 06:00
Na "bricadeira" anterior... em vez de "anónimo"... deve ler-se... "Olhando do Oriente"... vê-se mesmo que sou um novato nisto...
As minhas desculpas... ;-)


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 15:12
Olhando do Oriente, muito prazer em conhecê-lo.
Sempre seu,
Luís Filipe Redes Palma Ramos


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 15:29
Caro, olhando,
Só quis mostrar que a diversidade de significados de uma palavra não denota grande coisa. O que interessa é mostrar as relações e as diferenciações de sentido que se produzem na história e nos contextos de uso.
Creio que foi o que fiz com "administrativo". A opção por esta palavra é significativa. Para o mostrar, recorri à história do uso e à análise de contextos.
De resto o oriente é um bom lugar mais para ser olhado o que para se olhar.
Obrigado


De "Olhando do Oriente" a 19 de Abril de 2009 às 15:47
Calma amigo Luís... apenas estava meter-me contigo... e a dizer-te... que concordo plenamente com o que escreveste... e que realmente... quando se não tem razão... apenas existe o... vazio. É o que este ME tem criado... vazios... e nada mais.

Um abraço.

Agostinho, ex-colega de educação física... agora em Macau.


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 20:35
Foi o que entendi.
E percebi logo que do oriente só podia ser uma pessoa, pois lá não existe quase ninguém. Eu sabia que o oriente fica em Macau ou lá perto.
Mesmo assim, quis responder "à letra".


De Redes a 20 de Abril de 2009 às 23:36
Agostinho, no teu primeiro comentário fiquei convencido de que estavas a contestar o meu "post", mas não que estivesses necessariamente do outro lado da coisa. Entendi como uma crítica amigável, como quem diz "assim não vais lá". Defendi o meu artigo com ferocidade argumentativa porque é assim que respondo sempre.
Parecia que estavas a tentar mostrar que, pela análise das palavras, poder-se-ia dizer o que se quisesse dada o amplo leque de significados possíveis que uma palavra pode ter. Para isso, exibias as entradas de "vazio" e razão.
Agora vejo que faz algum sentido o que tu disseste, pois eu acabo o meu artigo com a palavra "vazio".
Seja o que for, a brincar ou a sério, o Sem Rede é um lugar onde pode haver esclarecimentos, mas onde as desculpas não são necessárias.
Não, no primeiro comentário, ainda não tinha descoberto que eras tu. Talvez não saibas, mas podiam ser mais pessoas. Vivi em Moçambique e tenho relações perdidas que andam por aí. Depois, fui ao blog do Paulo e pelo teor dos comentários percebi que eras tu.
Brinquei com "Olhando do Oriente" porque é verdade que são os ocidentais que olham para lá desejosos de exotismo. Na verdade, o oriente é um objecto que nunca olha. A não ser é claro no teu caso, que ficaste à varanda a olhar para cá. Tens que o dizer, pois o oriente é tão sedutor que nós esquecemos que alguém nos possa estar a olhar de lá.


De AGOSTINHO a 21 de Abril de 2009 às 09:17
Obrigado Luís, pode parecer-te estranho mas foi com uma satisfação enorme... e não sem alguma emoção que li este teu comentário. Foi realmente com a única intenção de me "meter" contigo, no bom sentido... que ousei introduzir um comentário... e peguei exactamente na palavra com que acabavas o teu texto (para mim brilhante) e que me permitia estabelecer uma relação entre o Vazio... e o não se ter Razão... porque... confesso... análises mais profundas... eu não tenho conhecimento para as fazer.
Estou realmente à varanda a olhar para aí... e ficarei sempre... e sempre disponível para vos ser útil no que estiver ao meu alcance...
Um grande abraço para ti... e bem hajas.


De Maria de Jesus a 19 de Abril de 2009 às 20:33
Luís deste-nos uma óptima lição. Obrigada pelo teu post. Na verdade a nossa escola está estranha. Já não ouvimos os gritos da D. Teresa, a Ana já não entra na sala de professores com os seus comentários... Há um descontentamento geral.


De Redes a 19 de Abril de 2009 às 20:37
Parece que ninguém precisa do conselho executivo, uma vez que não recorrem à CAP, que se fecha com arame farpado à entrada, não é?


De ana soares a 26 de Maio de 2009 às 10:39
Maria de Jesus, obrigada,muito obrigada mesmo...Nem sabes como fiquei feliz ao ler o teu comentário. Nunca pensei escrever isto!... Mas é mais um pequeno passo na minha vida... Estou finalmente a conseguir!... Confesso que estou empenhada em reduzir a minha energia, alegria , e não só, também estou a fazer um esforço para ocupar a minha "mente", com outras actividades...É tudo uma questão de "proporções" ... Mas tenho a memória repleta de bons momentos, principalmente, naquele ano em que dividimos o 1ºlugar, no fabuloso , CONCURSO DE CHAPÉUS DE PRIMAVERA...


De Redes a 27 de Maio de 2009 às 23:47
Também me lembro.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO