Terça-feira, 13 de Outubro de 2009

Maité Proença

Muito antes de ser objecto de notícia na RTP, já eu tinha recebido de um colega a notícia do famoso vídeo de Maitê Proença sobre Portugal.

Não se percebe o propósito do vídeo. Para ela, como para qualquer turistazinho labrego ou novo rico - brasileiro ou de outro país qualquer - Portugal resume-se à zona de Sintra e Belém. De Sintra, a única coisa que vemos é uma porta e de Belém, uma parte dos Jerónimos fimada no escuro, em infravermelhos, e pouco mais. A actriz faz-se acompanhar de um "camera man" como se estivesse a fazer um programa cultural. Para a qualidade do resultado, não deixa de ser caricato.

Apresenta Sintra, como "uma vilazinha perto de Lisboa". De facto, precisava de dizer, pois só por milagre um "habitué" de Sintra reconheceria as imagens que apresenta como sendo dessa terra. Tudo para mostrar um número de porta invertido como sinal de estar em Portugal. Qualquer pessoa inteligente ao ver tal facto estranho perguntar-se-ia "porque raio está aquele 3 ao contrário?". Maité Proença rapidamente o atribuiu à portuguesidade do dono da casa. Poder-se-ia concluir que os portugueses não sabem pôr direito os números de porta, especialmente o "3".

Pisca o olho ao espectador sugerindo: "vamos", "follow me". Aparentemente, iria subir Sintra até à zona do castelo ou a algum dos palácios. Não! Vemo-la já nos "pastéis de Belém" que têm a faculdade de a entupir.

Na cena seguinte, já a vemos a apontar para os Jerónimos e para o mar - é ela que diz que é o mar. "É o mar, Daniel?" O rapaz responde primeiro que sim numa evidente referência à enorme amplidão do estuário, mas que logo corrige "é o Tejo". Depois de ser esclarecida, Maité anuncia com ar professoral: "Vou apagar a borrada que ele falou. É o rio Tejo!" Fantástico! Repete o que aprendeu com o outro para o corrigir!

Salazar, ditador por mais de vinte anos... Ninguém tem a obrigação do rigor histórico, sobretudo se não estiver a fazer vídeos para a televisão e não for uma personalidade conhecida.

A "éblouissance" cultural resume-se aos túmulos dos Jerónimos. Depois dos claustros do mosteiro, numa breve referência ao manuelino atribuído a D. Manuel e ao seu gosto - coisa parola de quem não sabe nada de história, já agora o estilo Luís XV tem a ver com o gosto do rei homónimo e por aí adiante - a actriz assume um ar solene de quem vai dizer alguma coisa que os portugueses não podem ouvir.

O que é? Um incidente de hotel! O hotel de 5 estrelas não dispõe de serviço de informática e o técnico que se apresentou olhava para o rato de computador "como se fosse uma capivara" e, finalmente, chamaram o porteiro que também não lhe resolveu o problema do "email". Este episódio serviu para concluir que os portugueses são esquisitos e atrasados já que ninguém lhe resolveu no hotel o problema dos emails. Bela conclusão: se você for a Portugal, é melhor levar um técnico de informática consigo  senão não poderá enviar emails.

No final, ficamos a saber que os emails sempre chegaram. Afinal o rato virou capivara nas mãos de Maité. Como ao longo da peça, a ignorância dos outros, seja a do Daniel, seja a do português que pôs o número de porta ao contrário, seja a do hotel, radica na sua própria. A ignorância de Maité, de uma mulher que é muito bonita, que fica muito bem a cavalgar nua nas grandes extensões brasileiras, mas que, em defesa desta bela imagem, não devia fazer vídeos, mesmo que sejam só para apresentar num programa de televisão onde algumas belas matronas se divertem a falar de superficialidades.

Mas Maité expressa apenas um preconceito conhecido dos brasileiros, especialmente da élite cosmopolita, cultural e intelectual, que não parece ser o caso desta actriz, que Portugal á apenas uma "terrinha". Vir à Europa, é vir a Paris, não a Lisboa. A origem desta sensibilidade está no século XIX, quando a burguesia portuguesa queria manter o papel de intermediária entre o Brasil e a Europa. Os portugueses do Brasil, assim como os de outras nacionalidades, brasileiros logo a seguir à independência, reagiram contra isso e queriam ligar-se de modo directo aos grandes centros europeus, quer em termos comerciais, quer culturais.

Estou farto de dizer a amigos brasileiros que não têm nada que ter esse preconceito. Sobretudo que não olhem para nós como "seus antepassados". Nós temos antepassados comuns, isso sim, mas Portugal não parou no tempo, para o Brasil avançar sozinho.

Portugal é um país de tamanho médio em termos europeus. Teve um papel importante na história mundial e na do Brasil, em particular. É suficientemente grande para ter muitas portas, muita gente ignorante - tal como o Brasil, - muita gente ineligente - como o Brasil  -, muitos hotéis, uns bons, outros piores - como o Brasil, etc. Tomar uns pelos outros, o particular pelo geral, a parte pelo todo é uma pura expressão de preconceito e uma manifesta falta de inteligência.

Em termos de pura literacia e rendimento médio somos muito superiores ao Brasil, mas em termos de volume somos muito inferiores. Mas isso não passa de estatística. O povo brasileiro não é mais inteligente que o português, nem o inverso. E nenhum português, assim como nenhum brasileiro, pode ser reduzido a um conjunto de estereótipos que de facto não se encontram na realidade.

publicado por Redes às 23:36
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Allie a 14 de Outubro de 2009 às 14:14
Olá. Apenas para dizer que achei este post excelente. Subscrevo-o totalmente.


De Redes a 28 de Outubro de 2009 às 01:48
Obrigado


De miguel nogueira a 15 de Outubro de 2009 às 23:09
a maitê proença é mais uma ignorante,que se defende da mesma(ignorância),com ironias e piadinhas para um programinha de merda,nós só somos inteligentes para ver as pecinhas de teatro feitas á pressa para compensar o tempo que ficam desempregados entre uma novela e outra,ou então para venderem livros.
Aí já somos uns amores,eles amam todos os portugueses dwe coração.eles é que escrevem a palavra stress e dizem:(istress),e o portueguês é que é o esquisito...?


De Redes a 28 de Outubro de 2009 às 01:50
Obrigado pelo seu comentário.
Concordo consigo, demasiadas novelas são um mal para a saúde mental.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28

30


.posts recentes

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO