Sábado, 14 de Novembro de 2009

Ana e a árvore da vida (2)

Episódio 1 - Filha de Eva (se ainda não o leu, clique aqui)

 

Episódio 2 - A visita de Henoch

Havia aquela preocupação de Ana que era, ao fim e ao cabo, a dura aprendizagem da morte de todos os jovens quando assistem ao fim das gerações que os antecedem, com a particularidade de ela e os seus irmãos serem os iniciadores dessa tradição. Adão não conseguia esconder o mal-estar que constantemente o invadia. Eram muitas as memórias perdidas que lhe faltavam em momentos decisivos, cada vez mais frequentes as caminhadas pelos rebanhos, pelas terras agrícolas e pelas cabanas da sua gente em que tinha que pedir para parar e sentar-se ofegante, deixando o agora inseparável cajado apoiado numa parede ou numa árvore. Eva suportava-lhe os queixumes, os resmungos num silêncio culpado, como se ela não tivesse as suas próprias dores e tivesse que ajudar o marido a carregar as suas.

Num desses dias, fora anunciada a chegada de Henoch por um mensageiro que o precedera um mês antes. As visitas mútuas dos grandes patriarcas tinham-se institucionalizado uns séculos antes. Eram uma oportunidade de forjar alianças com o casamento de jovens pertencentes a diferentes grupos familiares, já que a regra de casar fora da família natural se tinha generalizado.

Quando Henoch chegou, com a sua enorme caravana, o dia foi de festa. Adão recebeu-o efusivamente e conversou longamente com ele. "Henoch, são poucos os anos da tua vida, mas já tens alguns cabelos brancos. Já estás a morrer sem o saber." Henoch encolhia os ombros e sorria. "Sou forte e sinto-me bem. Quanto ao resto, que seja feita a vontade do Senhor". A Adão perpassou na face uma expressão de amargura: "Não tivesse eu transgredido, seria outra a herança da humanidade". Henoch tentou demovê-lo desses pensamentos, o envelhecimento, explicava-lhe, era para os homens a sua natureza, a única realidade que conheciam. O que interessava é que cada um estivesse de consciência tranquila perante o Senhor. Adão ainda insistiu no tema. "Sei que é pecado, mas às vezes penso naquela árvore que estava no meio do jardim. Se eu lhe tivesse deitado a mão antes de ser expulso". Henoch, olhou para ele com uma expressão dura: "Que Deus te perdoe, Adão..."

Ana escutara aquele pedaço de conversa e uma ideia começou a germinar: "Falam da árvore da vida. Se eu conseguisse o fruto, dá-lo-ia ao meu pai".

Enquanto Henoch ali esteve, houve festas, banquetes, orações ao Senhor e sacrifícios oficiados por Henoch que percebia que a Adão restavam apenas alguns anos e queria que ele acabasse a sua vida na "graça do Senhor". Dos filhos de Henoch, o primogénito, Metusalém já era, ele próprio, um patriarca e vivia longe do pai. Vieram vários filhos com ele, alguns muito jovens. Dan, que tinha mais ou menos a idade de Ana, rapidamente se tornou seu amigo. Era forte, muito musculoso, cabelos longos, uns olhos negros com umas espessas sobrancelhas, que pareciam ler-lhe a alma quando nos dela os fixava.  Henoch e Adão observaram os dois em animadas conversas e trocaram um olhar entre si que foi como se tivessem assinado um contrato.

Quando se fez boa a ocasião, Adão falou com a filha: "Ana estás na idade de casar. Vimos que te dás com Dan. Vamos casar-vos antes de Henoch regressar a sua casa, pois irás com Dan". Ana ficou surpreendida com esta decisão, mas não teve coragem de argumentar, por causa do tom solene do pai que ela já ouvira dezenas de vezes com outros irmãos. Ficou magoada por o pai a deixar ir assim embora. Não podia revelar o que lhe ia na alma: "Não casaria antes do pai morrer". Mas só baixou a cabeça. Foi como se tivesse dito "sim".

Dan não cabia em si de contente. Sentia-se honrado por casar com uma filha do "Pai Adão". Ainda por cima, lindíssima, cabelos pretos, pele muito branca, com olhos verdes, elegante e atlética.

Ana começou a perguntar a toda gente "onde era o Éden".  Invariavelmente, todos lhe diziam que o caminho se tinha perdido. Já ninguém sabia lá ir. Mesmo Adão e Eva ficavam confusos com a direcção para onde se deviam dirigir. Não se recordavam e discutiam quando tinham que dizer se tinham vindo de poente ou de nascente, de norte ou sul, ou de algum ponto intermédio. Henoch disse que era pecado querer saber e que já muitos tinham desaparecido a tentar lá chegar.

Apenas Dan, querendo exibir os seus conhecimentos, lhe dissera algo mais. Estava muito nervoso e combinou encontrar-se com ela num sítio do campo, longe da casa de Adão onde poderiam ser surpreendidos por Henoch ou Adão. "Conheço um homem que tentou lá chegar,  arrependeu-se a tempo e voltou para trás. Viu os querubins. Ele contou-me a sua história. Sei que é no sentido do pôr-do-sol. Adão e Eva devem ter saído pelo lado nascente".

Conversaram longamente abraçados. "Estou preparada para te amar, mas não para ir contigo e Henoch. Ama-me agora porque nunca mais me verás". Acabou assim este episódio: sob um céu mesopotâmico de lua-cheia, dois corpos amantes entrelaçados, com a conivência duma primeva seara de cevada.

 

publicado por Redes às 03:14
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De paulo prudêncio a 14 de Novembro de 2009 às 15:27
Só me sai um What?

Aquele Abraço.


De Redes a 14 de Novembro de 2009 às 22:02
What?
É uma história que utiliza o material de Génesis. Não sei se funciona num sistema de blog. Alguns romances novecentistas foram feitos sob a forma de folhetim que saía no jornal.
Neste caso, tenho 5 episódios. Penso que tem a estrutura de um conto e não tanto a de um romance.
Vou colocar os três episódios em falta e, depois ecará-lo-ei apenas como um exercício de escrita narrativa.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. "Tablets" e computadores ...

. Desventuras de Maria do C...

. A revolução russa vista p...

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO