Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2009

Tempo de reflexão

Tomou hoje posse uma nova direcção no Agrupamento de Escolas de Santo Onofre que foi eleita pela grande maioria dos membros do Conselho Geral Transitório. Como professor desta escola pertencente à minoria que se sente derrotada, cumpre-me felicitar o Sr. Director e a sua equipa, e desejar-lhe sucesso na espinhosa tarefa de dirigir a escolarização de muitos jovens, para quem os próximos anos serão marcos singulares das suas vidas e não apenas experiências educativas de maior ou menor sucesso.

O conselho que elegeu o novo director foi eleito com uma única lista de sete docentes, para a qual não apareceu rival, facto que, mesmo no contexto da chamada “gestão democrática das escolas" não constitui novidade – o Conselho Executivo demitido pela DREL também fora eleito por uma única lista concorrente. A novidade está no carácter indirecto da eleição que colocou o acto eleitoral ao abrigo do julgamento pessoal de autarcas, encarregados de educação, professores e funcionários. Ficou tudo nas mãos dum conselho composto por 21 membros.

A verdade é que muitos professores, alérgicos ao processo eleitoral do CGT por causa da solidariedade com o executivo apeado, não participaram no acto que elegeu os seus representantes. Mas também não foram tantos que impedissem um muito honroso resultado para a lista de professores concorrentes, com uma quantidade impressionante de votos favoráveis. Parece evidente que muitos professores concluíram que era chegada a altura de regularizar a situação das escolas de Santo Onofre.

A presidente do conselho executivo cessante, com quem me solidarizo, concorreu também e perdeu estrondosamente (2 contra 15). O fracasso em conseguir os votos do CGT, deveria levar a uma reflexão por parte da candidata e dos seus apoiantes. A tentação para teorias da conspiração ou acusações de fraude eleitoral deve ser afastada para que se cogite sobre os erros próprios. Pois se aquelas são boa solução para salvaguardar o amor próprio, são estes que nos permitem avançar e prepararmo-nos para outras situações similares. Eu quero contribuir com a minha modesta parte, como sempre num salto “sem rede”.

O conselho executivo cessante teve um grande mérito que temos que lhe reconhecer: não pode ser acusado de ter militado em defesa de interesses pessoais, pois os factos desta história evidenciam que caso os seus membros o tivessem desejado poderiam ter sucedido a si próprios, quer como CAP quer como candidatos ao cargo de “Director”. Porque não aproveitaram essas oportunidades? A CAP foi imposta pela DREL exactamente por causa da sua recusa.

O Conselho Executivo sentia que a maioria dos professores - diríamos todos se a História não tivesse vindo desmentir-nos - achava que o executivo, fiel ao mandato que recebera dos seus pares, não se devia tornar “direcção” no novo modelo de gestão, cuja implementação parecia ser condição do calendário do nefasto sistema de avaliação.

Há aqui dois erros que quero assinalar. O primeiro tem a ver com os apoios. Em reuniões, onde aparentemente se discutiam abertamente os assuntos, imperava uma "maioria silenciosa" que não manifestava opinião nenhuma. Nem lhe era dado apresentá-la. Perante minorias militantes com caras que se apresentam como gurus seguros do movimento, ninguém ou quase ninguém se atreve a apresentar um ponto de vista divergente. A maior parte das pessoas não tem mesmo opinião formada e aceita o rumo das coisas para "ver o que é que dá". Ora em nenhuma dessas reuniões foi feita a votação formal de uma ou mais moções que definisse o caminho a seguir. Nem teria de... - dir-me-ão. Nem teria de... - concordo eu. Mas essa seria a única maneira de comprometer todos com uma posição. Perante a energia das minorias activas, ficou o conselho executivo com a ideia de que tinha o "povo" consigo, mas não o tinha.

O voto secreto é a arma da "maioria silenciosa". Por ele, nunca se fazem revoluções. Quanto a mim, ainda bem. Os líderes democráticos têm que temperar as suas opções pelo sentir das maiorias. Na TV, vemos manifestações impressionantes feitas por minorias que não têm o apoio declarado da maioria dos seus concidadãos, mas oferecem aos seus líderes a ilusão do apoio do povo.

O segundo erro tem a ver com a interpretação de que o calendário da avaliação dependia da implementação do novo modelo de gestão, com uma ordem que se supôs implicar um CGT, um um novo regulamento e a eleição do director. Não vou entrar em pormenores de discussão jurídica, que não me interessam muito, mas já vi interpretações diferentes, que dissociam completamente as duas leis.

Eu, pessoalmente, sou uma ovelha obediente, que aceita a luta de massas dirigida nacionalmente pelas organizações sindicais que nos representam. Se a lei de gestão das escolas mudou, temos que eleger os nossos dirigentes de acordo com ela. Se não concordamos com ela, fazemos manifestações, influímos nos nossos partidos, mas esta é uma questão nacional e não local.

No que respeita à avaliação, houve uma directiva sindical a nível nacional, a que aderi, que consistia em não entregar os objectivos. Tinha a perfeita consciência de que os custos e os riscos eram meus e dos milhares que procediam como eu. Ora, lembro-me que numa dessas reuniões, os professores que não queriam aderir a esta forma de luta manifestaram preocupação quanto à entrega dos seus objectivos e à sequência da sua avaliação...

A partir do momento em que há um grupo de professores disposto a participar no Conselho Geral Transitório, a estratégia tácita que os professores da escola seguiam ficou ferida de morte. Na altura, chamei a atenção para o facto. Nem podemos acusar ninguém. A mudança de posição foi antecipada e abertamente expressa e os procedimentos de criação da lista foram límpidos. Já tive ocasião de adjectivar positivamente a pessoa que liderou a lista para o Conslho Geral Transitório. Leio nos comentários dos blogues processos de intenção como se dum lado houvesse só interesses pessoais mesquinhos e do outro só grandeza e nobreza. Há interesse pessoal e nobreza quanto baste, tanto num lado como no outro.

Quer me parecer que o resultado desta dinâmica foi a radicalização e a divisão entre colegas, os que estão solidários com o executivo cessante e os que estão do lado da CAP e do Conselho Geral Transitório. Ora isto não é verdade à partida, mas pode ter-se tornado tal por se ter afirmado tão peremptoriamente ao nível das relações pessoais. Não terá esse mal-estar peturbado a nossa candidata quando se apresentou ao CGT?

publicado por Redes às 01:59
link do post | comentar | favorito
|
15 comentários:
De Paulo Prudêncio a 17 de Dezembro de 2009 às 09:28
Viva Luís.

Boa reflexão, como é hábito. Há aqui alguns detalhes com os quais não estou de acordo, naturalmente. Os prognósticos depois do jogo são o que são, claro.

Por acaso, há um dado neste processo que tu não salientas mas que achei muito interessante; tirando a recta final, o processo sempre decorreu sem qualquer concertação entre os professores.

Mas as lutas são assim; não se pode ganhar em todas as frentes e em todos os momentos. Há uma lição inesquecível, espero eu: só perde ou ganha quem luta. E os professores ganharam em muitos aspectos e contra uma maioria absoluta e contra quase tudo e contra quase todos. Foi um obra cívica, realmente.

Abraço.


De Toina a 17 de Dezembro de 2009 às 22:13
Esperava que soubesse usar melhor as palavras: "concertação" no sentido que lhe dá é com "s", ver CONSELHO DE CONSERTAÇÃO SOCIAL.


De paulo prudêncio a 17 de Dezembro de 2009 às 23:20
Viva.

Exactamente ao contrário, se me permite:

concertação

nome feminino
1. acto ou efeito de concertar
2. conciliação;
concertação social acordo entre governo e parceiros sociais (sindicatos, associações profissionais, etc.) sobre medidas laborais (horários de trabalho, rendimentos, etc.)

Consertação com s usa-se no sentido de reparar, arranjar, etc.




De Toina a 18 de Dezembro de 2009 às 10:27
Peço desculpa pela minha ignorância e agradeço a lição. Aprendi. Mas como já tinha lido do mesmo autor (PP) "fariam-no" em vez de "fá-lo-iam"...
Quanto à Mª. Clara fico contente por ter orgulho no prof. luís Redes. Isso é bom. Por aquilo que vejo deve ser um bom professor e muito equilibrado.


De maria clara a 18 de Dezembro de 2009 às 01:28
Aconselho a Toina a frequentar o 6º ano de Língua Portuguesa, com o professor Luís Redes, na EBI de Santo Onofre, pois ainda há vagas.


De Redes a 18 de Dezembro de 2009 às 10:01
Obrigado pelo comentário.
Aprendemos todos uns com os outros e há erros ortográficos involuntários, precisamente nos casos de homofonia.
Foi o seu caso, não o do Paulo.


De APereira a 17 de Dezembro de 2009 às 13:26
Se em poucas palavras e linhas se pode traçar um esboço de todo o processo, ei-lo aqui... Não sendo eu um estratega de formação, mas sendo o estratega possível que a vida sempre vai construindo, julgo ser-me autorizado o que afirmo na primeira linha deste meu comentário... Por razões que me dispenso e reservo o direito de não explanar, agardeço, pelo menos em meu nome, o que me parece ser uma evidente clarividência...
Bem- hajas por esta "leitura" da realidade... E deixo expresso o voto de que outros consigam o desiderato que ela propõe...
[]


De nela a 20 de Dezembro de 2009 às 18:43
olá, luís...
segui, em silêncio, toda a problemática da escola.Nunca comentei nada, por opção mas a tua frase "sou uma ovelha obediente" não me permitiu continuar calada. Desculpa, (já nos conhecemos há tantos anos, que sei que me desculparás...), mas o mal deste país é ser mesmo um país de "ovelhas obedientes". No entanto, não te esqueças que muitas vezes as "piores cabras" vestem a pele de ovelhas... um beijo
manela


De Manuela Saturnino a 20 de Dezembro de 2009 às 22:28
Luís, caro amigo e compincha, gosto da isenção a que já nos habituaste. Quanto à minha homónima, não estou a ver...


De Redes a 20 de Dezembro de 2009 às 23:35
Olá,
Manuela,
Se clicares no nome "Nela", verás quem é a Manuela.

Obrigado


De Redes a 20 de Dezembro de 2009 às 23:32
Olá,

Manuela,

Já há muito tempo que não conversamos.
Dou-te toda a razão! Não disse isso como auto-elogio. Apesar de "ovelha obediente", tenho defendido aqui algumas posições fortes.
A obediência declarada circunscreve-se à luta sindical.

Obrigado pelo teu comentário.


De Mena a 8 de Janeiro de 2010 às 19:39
Olá!
Então Luís quando nos brindas com mais uma publicação? Já estou farta de vir aqui e espreitar e nada!...
Bj
Mena


De Redes a 2 de Fevereiro de 2010 às 15:23
Fazia-o a desoras. Infelizmente agora, escasseiam.me.
Obrigado


De Mària Correia Almeida a 27 de Março de 2010 às 20:48
Na Telescola, no meu 5º e 6º ano (1968), eu fazia testes de escolha múltipla de 40 questões, com 5 alternativas cada.
Esta informação apareceu num post seu muito antigo

Estou a fazer doutoramento sobre um professor que leccionou Matemática na Telescola entre 65 e 75
Gostaria de saber se foi seu professor e se se lembra das aulas.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Na Telescola, no meu 5º e 6º ano (1968), eu fazia testes de escolha múltipla de 40 questões, com 5 alternativas cada. <BR>Esta informação apareceu num post seu muito antigo <BR><BR>Estou a fazer doutoramento sobre um professor que leccionou Matemática na Telescola entre 65 e 75 <BR>Gostaria de saber se foi seu professor e se se lembra das aulas. <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Mária</A> Almeida <BR>212165579 <BR class=incorrect name="incorrect" <a>ajs.mcr.almeida@gmail.com</A>


De Redes a 12 de Abril de 2010 às 01:02
Olá,

Não me lembro dele. As aulas eram pela televisão. Havia um monitor do posto da telescola que organizava as sessões e tirava dúvidas. O professor de Matemática era do país todo. Dado o período de 10 anos referido, só pode ter sido ele o meu professor.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO