Sábado, 18 de Dezembro de 2010

Vagas em medicina: o dedo na ferida

Um dia, ao ter de pagar mais de 3000 euros por uma cirurgia a que acresciam cerca de 500 euros para o anestesista que não estaria em cena mais do que meia-hora, perguntei-me por que seriam estes montantes tão altos. Sabia que o médico, após a operação, teria um dia de trabalho normal no hospital e no seu consultório privado, isto é, com inúmeras consultas para facturar.

Constatava também que não havia mercado concorrencial na medicina privada que justificasse o meu preço como resultado de uma escolha de qualidade perante a oferta disponível.

Ao reflectir sobre isto, em nenhum momento pus em questão a pessoa do cirurgião que muito estimo, mas que tinha a sorte de estar numa profissão paga a peso de ouro.

Foi nessa altura que dei com um artigo do Expresso que mostrava um gráfico com o número de vagas de acesso anual aos cursos de medicina em Portugal. Por volta do final da década de 70 e princípio de 80, o número de vagas diminuía extraordinariamente. Eu perguntava-me: "mas Portugal ficou de repente com menor capacidade para formar médicos?"

 

De acordo com

Do Plano estratégico para a formação nas áreas de saúde II.

 

Agora, o ministro Mariano Gago vem pôr o dedo na ferida ao declarar abertamente na última Única (revista do Expresso):

"Houve uma redução horrível nos anos 80, em que se autorizaram todas as faculdades de medicina a receber menos alunos do que hoje qualquer grande faculdade recebe. Essa irresponsabilidade política, que teve origem corporativa, pagou-se cara, e foram precisos muitos anos para inverter a situação, aumentar o número de vagas e termos uma oferta minimamente razoável, que ainda tem de aumentar"

Não é o que pensam muitos responsáveis corporativos. Todos querem controlar o número de médicos, para diminuírem a oferta e manter elevados, os salários e os preços dos serviços de saúde. Declaram que as actuais cerca de 1600 vagas já são demais. A verdade é que todos temos conhecimento de casos de jovens que vão para o estrangeiro estudar medicina. Os argumentos que apresentam não colam. Um exemplo "Vagas de Medicina geram críticas".

O actual bastonário protesta, que nunca se teria metido nesses assuntos. Tanto cuidado não teve um ex-bastonário Gentil Martins que precisamente se associa à queda referida das vagas para Medicina.

 

Que corporações conseguem controlar a oferta, impedindo inúmeros jovens de seguir essas vias? Os médicos conseguiram-no, os advogados tentam fazê-lo a todo o custo, os professores, esses, pululam por todo o lado. Não há escola que não os forme... para o desemprego.

publicado por Redes às 23:34
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Lúcio a 21 de Dezembro de 2010 às 00:49
Acrescente-se à análise certeira que faz, o facto de se saber (e, absurdamente, tolerar) que as vacas sagradas, perdão,  médicos que começa por referir, não fazem no hospital, por conta do seu ordenado, o que apenas resolvem na sua clínica particular. O Estado paga duplamente, portanto: nos seus vencimentos (debalde) e nas comparticipações do serviço que já pagou em primeira instância mas que não foi executado. Apenas a esta casta sagrada se permite tal coisa. E, curioso, nenhum calhau, perdão, bloco de esquerda ou de direita levanta o problema.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28

30


.posts recentes

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO