Domingo, 2 de Outubro de 2005

Eles comem tudo e não deixam nada

Gostava de ver na televisão, aquele que, no mundo das ideias de Platão, seria a imagem da seriedade. Aparecia sempre com papéis debaixo do braço, era o homem que sabia da verdade das contas públicas e que a pedido dos governos a comunicava imparcialmente. Pois este homem, que vem pôr os pontos nos i, que aparentemente desoculta o que todos os outros escondem, a verdade orçamental, esconde de todos nós precisamente... aquilo que lhe pagamos.

O vencimento de Constâncio, segundo publicitado pelo Independente, pelo Correio da Manhã e pelo requerimento do deputado Agostinho Lopes, ascende a 272.628 euros por ano o que ultrapassa o vencimento do lendário Allan Greenspan que se limita a 146 mil euros. Podia-se dar o caso de um ter um patrão rico e outro um patrão pobre ou então do currículo do administrador do nosso banco central ultrapassar em mérito o do presidente da Reserva Federal dos EUA. Ora tudo isto joga no sentido contrário, de diminuir Constâncio e aumentar Greenspan. Enfim, talvez, Constâncio seja tão procurado que, para o retermos, não temos outro remédio senão pagar-lhe mais de 50 mil contos por ano.

O maior escândalo, contudo, é que este salário é rodeado do maior secretismo. Não sabemos de que fonte foi obtida esta informação e o Banco de Portugal recusa-se a dizer quanto paga aos seus administradores. Se a informação é verdadeira, temos que dizer: "Viv'ós comunistas! Viv'á imprensa livre!" Sei que são duas coisas contraditórias, mas que, felizmente, em democracia se conjugam muito bem!

A democracia só ganha em discutir o que esta gente ganha, se merecem esse dinheiro ou não, se não há ninguém que consiga desempenhar esse cargo por um pouco menos... nem que seja o próprio Greenspan!

Parece-nos cada vez mais que já não temos referências éticas nem à esquerda nem à direita. Se pensarmos que alguém está na política a defender ideais e princípios claros, sem nada ter a esconder, é melhor desconfiar...

Até agora eu pensava que era contraditório um dirigente público ter um vencimento secreto de cerca de 50 000 contos por ano e considerar-se socialista, sobretudo se essa pessoa está precisamente a exigir sacrifícios duríssimos aos seus concidadãos.
publicado por Redes às 17:54
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Lus Filipe Redes a 3 de Outubro de 2005 às 01:06
Concordo com muito do que o José Albano diz. Eles são todos muito sabedores, muito importantes e decidem a melhor maneira de rendibilizar o capital de influência que têm em seu benefício pessoal. O interesse público é uma conversa da treta.


De Lus Filipe Redes a 3 de Outubro de 2005 às 01:02
Rui, parece-me que o cargo do Greenspan é muito mais complicado do que o do Constâncio. Comparado com o do Greenspan, o cargo do Constâncio não ultrapassaria o nível de uma filial estadual do Federal Reserve Bank. Repara que qualquer decisão do Alan Greenspan envolve o mundo inteiro. Para encontrar um cargo e uma pessoa com responsabilidades similares teríamos que nos lembrar do Duisberg, aquele alemão do Banco Central Europeu que agora já foi substituído por outro. Greenspan é lendário: nenhum presidente americano recém-eleito teria coragem para o despedir. Contudo, ganha uns míseros 30 mil contos por ano, isto é, cerca de 6 vezes o meu rendimento de simples professor. Com certeza que tem outras regalias, mas também o Constâncio as tem. Gostaria de pensar que há uma justificação válida para tão alto salário e tão grande secretismo. Mas não encontro nenhuma que branqueie o caso. Quer-me parecer que a única explicação para o caso é que o Greenspan só ganha aquilo, porque institucionalmente não pode aumentar o seu vencimento. O vencimento de Constâncio é, em última análise, decidido por velhos colegas e amigos: Ministro das Finanças, um ex-governador, o responsável pelo conselho fiscal do BP. Em suma pessoas que já passaram por lá ou que podem lá aportar. No caso presente, Miguel Beleza, Rui Vilar e Pinto Barbosa.


De Jos Albano Silva a 2 de Outubro de 2005 às 21:13
É mais uma das escandaleiras deste país de brandos costumes. Enquanto a amioria dos pensionistas deste país não ganha o suficiente para pagar os medicamentos, necessários para ter um fim de vida com alguma dignidade, eis que aparecem estes novos senhores feudais que em torno de uma mesa redonda (PODER) vão dividindo benesses entre si.
Mas o mais escandaloso de tudo, é a despudorada nomeação de António Vitorino para representar o Governo no negócio da GALP.


De Rui Correia a 2 de Outubro de 2005 às 20:58
Vê isso por outro lado: quem teria a vida mais facilitada? O Constâncio no lugar do Greenspan ou o Greenspan no lugar do Constâncio? Ou, para dizer o mesmo de outra forma: que lugar gostarias tu de ocupar com esses mesmos salários? Por mim, não tenho grandes dúvidas que o Greenspan no Banco de Portugal entrava em coma três dias depois. Aplaudo mesmo um aumento de salário ao grande Constâncio, o paladino - até ontem - da verdade. Toda a verdade (eco)


De meiadesfeita a 22 de Setembro de 2007 às 00:47
Copiei do seu blog, que não consegui identificar
Queira desculpar, mas diga como registar a cópia


De Redes a 13 de Outubro de 2007 às 13:23


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28

30


.posts recentes

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO