Quarta-feira, 22 de Junho de 2005

Quanto tempo dá por cada consulta do seu médico?

Umas dores lombares, resquício dum acidente desportivo, levaram-me ao ortopedista. Havia muito que adiava aquela consulta, requerida pelo médico de clínica geral. Como gosto de natação e de outras actividades físicas, apesar de as praticar irregularmente, temia ouvir uma série de proibições em catadupa. Um dia, lá me resolvi, que mais não fosse para poder colocar um “x” de “feito” na lista de tarefas da minha agenda.
Preparava-me para uma longa explanação, quando o médico, me fez, em três minutos, algumas perguntas de “sim” ou “não” e, impedindo qualquer exercício retórico do paciente, deu a sua receita: “meu amigo, você tem é que fazer exercício, ir para um ginásio”. Nada de mais exames – eu esperava uma ecografia da coluna -, apenas isso: “vá a um ginásio”. Nem tipos de exercícios, nada!
Pagos 70 euros por esta célere consulta de cerca de 5 minutos, aí incluídas saudações e despedidas, pus-me a pensar no seguinte: quanto do meu tempo de trabalho está condensado nos 70 euros que eu dei por aqueles 5 minutos?
Imaginei então uma situação modelo: quantas horas é que um trabalhador de formação superior tem de dar, em troca, por uma hora de um médico, considerando uma consulta de duração de meia-hora – um tempo infindável para muitos médicos – ao preço de 50 euros e um salário mensal de cerca de 1500 euros. Lembro que o salário médio do trabalhador por conta de outrem, em Portugal, anda pelos 900 euros. Faça as contas, se quiser.
Eu cheguei à seguinte conclusão. O médico cobra ao seu ex-colega da academia, mas de outro curso menos promissor, 10 horas por cada uma das suas. Isto é, para pagar a meia-hora de consulta, o licenciado teve que pagar 5 horas de trabalho. Infelizmente, a maior parte das consultas médicas é inferior a meia hora e raras são as que a ultrapassam.
Num próximo artigo, vou tentar explicar por que razão é que existe esta abissal diferença.
Reparem que não está aqui implícita nenhuma crítica aos rendimentos dos médicos, pois acho que devem ser exactamente como os das outras pessoas: tão altos quanto possível. A questão é: por que razão pode esta discrepância ser tão grande?
publicado por Redes às 00:17
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Lus Filipe Redes a 28 de Julho de 2005 às 23:01
Tocaste no ponto aonde eu queria chegar: o corporativismo.

Já tenho os números para fazer outro artigo sobre o assunto: não há mercado
na medicina em Portugal. Quero dizer: não conhecemos a variação de preço
entre clínicas e entre médicos. A relação qualidade / preço é-nos dada boca
a boca - uns dizem bem, outros dizem mal do mesmo médico. Além do mais, os
preços são definidos em grande parte pela Ordem. A limitação do mercado é
feita também pela medicina pública. Quem não tiver paciência para esperar
por uma operação no hospital do estado, prontifica-se a pagar o que quer que
seja. O médico, como, além de dar consultas particulares, também trabalha no
hospital, não se sente pressionado para baixar o preço a fim de não deixar
fugir o cliente.


De Lus Filipe Redes a 27 de Julho de 2005 às 15:01
A diferença de rendimento horário foi só uma maneira de realçar o custo relativo da medicina privada em Portugal. Não ponho a questão da legitimidade desse preço. Por mim, os médicos podem pôr o preço que quiserem pelos seus serviços. O problema é o seguinte: o que é que torna possível esses custos. Queria escrever sobre isso no artigo seguinte. Se ainda não o fiz, é porque me faltam documentos que eu tinha por aqui e que desapareceram. Mas vou fazê-lo mesmo assim. A minha opinião é que, mesmo considerando o capital que os médicos têm de investir, eles ganham demasiado, tendo em consideração o rendimento médio dos seus clientes. Mas não vem ao caso criticá-los por isso. Eu, se pudesse, ganhava tanto como eles. Ainda por cima, o meu patrão acha que eu ganho demasiado e eu, que sou um tolo, reconheço-lhe alguma razão. Voltando aos custos a medicina: numa operação feita numa clínica privada, a factura veio discriminada: cerca de 3000 euros, 1500 euros para o cirurgião, 450 euros para o anestesista e cerca de 1000 euros para a clínica. A estadia foi de apenas uma noite, num luxo comparável a uma pensão de baixa qualidade. Duração da intervenção: menos de uma hora, antecedida de um encontro e sucedida por outro. 1500 euros pagam o quê além da própria operação? 450 euros pagam o quê, além da injecção? Riscos? Quanto deveriam ganhar os polícias?


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO