Terça-feira, 15 de Novembro de 2011

Devem os nazis ter os mesmos direitos que os outros partidos?

Esta é a questão que está em cima da mesa no debate entre a CDU e o SPD, a propósito da ilegalização do NPD, o partido que está relacionado com os neonazis implicados na violência racista dos primeiros anos do milénio.

A situação é similar a alguém que quer entrar num jogo com a intenção de acabar com ele. Foi exactamente isso que aconteceu em 1933. O partido de Hitler ganhou as eleições, mas numca teve maioria parlamentar para mudar o regime. Foi um governo minoritário que pôs fim ao jogo democrático e às liberdades e direitos civicos.

O mesmo aconteceu em outros tempos e lugares com outros protagonistas que de "democrático" têm muito pouco. Lembremo-nos dos bolcheviques que eram de facto minoritários nos sovietes operários e ainda mais minoritários no panorama político global (na representação na Duma, parlamento russo). Foi o partido armado que tomou o poder, primeiro dentro do soviete de Petrogrado, contra a maioria de representantes que tinham outras filiações - mencheviques, socialistas-revolucionários e anarquistas. O que é certo é que a chamada revolução de 1917 foi um golpe dum partido minoritário dentro do próprio movimento operário.

De facto, a ideia do partido armado teve a sua grande aparição com os bolcheviques e foi copiada, depois pelos fascistas italianos e pelos, nazis alemães. A consulta popular pelo voto é desprezada como coisa "formal", "burguesa", tanto por comunistas como por nazis. O líder impõe-se primeiro aos seus seguidores e, depois, ao povo essencialmente através do medo, da coerção e do policiamento das ideias que foi o que aconteceu em todos esses regimes.

 

publicado por Redes às 20:17
link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De Paulo G. Trilho Prudencio a 15 de Novembro de 2011 às 20:22
Vodafone 360?


De Redes a 16 de Novembro de 2011 às 18:33
Foi um post por email do telemóvel que segue através do vodafone 360. Esqueci-me de apagar esta frase que aparece por defeito na mensagem.


De paulo prudêncio a 16 de Novembro de 2011 às 21:52
Percebi que foi qualquer coisa dessas. Divertido. Abraço.


De Lúcio a 18 de Novembro de 2011 às 00:22
Um texto que é uma luva feita à medida dos aventureiros portugueses de 5 de Outubro de 1910?
Si non é vero, ...


De Francisco Santos a 20 de Novembro de 2011 às 12:37
Luís,
A extrapolação, ainda por cima descontextualizada, leva-nos, frequentemente, a cometer erros de análise e injustiças na apreciação do papel dos atores sociais e dos programas políticos que preconizam.


Os portugueses continuam a pagar, demasiado caro, a eficácia da propaganda anti-PCP que foi tão eficientemente montada e aplicada por Mário Soares e seus amigos americanos, que hoje continua a ter efeitos no prolongamento do impasse para a saída da crise.


Em nome da defesa de uma liberdade genérica e mal definida, o PS abstém-se de combater o empobrecimento das populações e a exploração do país às mãos do capital nacional e internacional.


De Redes a 24 de Novembro de 2011 às 15:45
A contextualização da ascensão do bolchevismo, do nazismo e do fascismo é o período da 1ª grande guerra e das suas consequências.
Nos três países em crise formaram-se partidos armados que destruíram aquelas frágeis democracias. Os bolcheviques nunca conseguiram qualquer maioria nem no soviete de Petrogrado, nem na Duma. Tudo aconteceu muito rápido naqueles dias de Outubro de 1917. Não tens o líder mais destacado da classe operária a tomar o poder, mas apenas o chefe dum partido poderoso, armado com a sua guarda vermelha que desde Junho de 1917 dominava nas ruas de São Petersburgo.
O mesmo aconteceu com os outros dois.
Partidos armados, partidos que não tinham qualquer hipótese numa eleição formal, "burguesa". Partidos que, uma vez no poder, semearam os seus países de campos de concentração e de centros de detenção, que acabaram com a liberdade de expressão dita "burguesa" e que cilindraram todos os seus opositores políticos fossem da classe operária, do campesinato ou da burguesia.
Estas são as semelhanças e os contextos que me interessam. Há diferenças, claro.


De Francisco Santos a 24 de Novembro de 2011 às 20:12
E o que é que isso tem a ver com a ação do PCP em Portugal, antes e depois do 25 de Abril?
Em que momento da sua história identificas o PCP como "um partido armado"?
Em que momento da história portuguesa identificas o PCP como tendo "tomado o poder"?
Onde nos levou (trouxe) a "europa connosco" de Mário Soares? E a adesão à CEE e mais tarde ao Euro?
Que benefícios trouxe ao povo que vive da força do seu trabalho?
Parece-me que sobre estas questões tens muito para refletir.


De Redes a 24 de Novembro de 2011 às 15:47
Reparo que não falei do PCP no meu post.


De Francisco Santos a 25 de Novembro de 2011 às 19:25
E eu Luís, reparo que não mencionei a Fonte Luminosa, o verão quente de 75 e o "inventona" que o grupo dos nove preparou no 25 de Novembro.
Salut


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO