Terça-feira, 10 de Maio de 2005

Política: mercado livre

Será que para estarmos de acordo com a organização mundial do comércio teremos que voltar a dias de trabalho de dez horas? Esta e outras do género parecem ser as reivindicações dos empresários chineses. Nas suas fábricas aliam as técnicas mais avançadas de produção do século XXI a condições de trabalho típicas do século XIX. Há casos em que os trabalhadores fazem 10 horas por dia. Os salários são 5 a 6 vezes inferiores aos nossos.
A nossa indústria não pode concorrer com tais condições num mercado totalmente aberto. A solução que os estrategas da economia nos propõem é alterarmos a nossa posição na divisão internacional do trabalho, passando a produtos de maior densidade tecnológica e com mais design, isto é, em vez de fazer tecidos, passaremos a vender fábricas de tecidos ultra-modernas, onde os chineses colocarão os seus trabalhadores ultra-explorados a produzir com altas taxas de produtividade e salários baixíssimos.
Vamos fomentar o nosso desemprego para dar emprego de baixíssima qualidade a milhões de chineses. Se usam a mesma tecnologia, era caso, para lhes exigir:
- semanas de, no máximo, 40 horas;
- repressão efectiva do trabalho infantil;
- ingualdade salarial entre homens e mulheres;
- condições de segurança e higiene no trabalho;
- liberdade de associação sindical;
- direito à greve
. Se algumas destas ou de outras condições não fossem cumpridas, esses produtos não deveriam concorrer nos nossos mercados com os das nossas fábricas. Quem não se preocupa absolutamente nada com isso são os nossos grandes capitalistas porque podem mobilizar os seus capitais para a China e beneficiar também da docilidade e do baixo preço do trabalho chinês. Mas os trabalhadores ficam sem solução: nem podem ir para a China trabalhar nem trabalhar cá com salários chineses!

publicado por Redes às 14:50
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Lus Filipe Redes a 14 de Maio de 2005 às 12:07
Estou inteiramente de acordo. Não há nenhum perigo amarelo. A China e a sua cultura estão connosco, europeus, desde Marco Polo até Mao Tsé Tung. Há apenas um problema que é de ordem política e económica: que condições devemos exigir, nós, trabalhadores, para a liberalização do mercado mundial. A China é apenas o caso mais dramático dentro desta questão meramente económica e política. A China libertou a iniciativa privada que estava asfixiada pela burocracia estatal, mas manteve a opressão ideológica e política desse modelo. O resultado é um capitalismo selvagem de que beneficiam essencialmente os grandes capitalistas do mundo inteiro, aqueles que têm capacidade para deslocalizar e investir lá. Quem perde são os trabalhadores europeus e americanos mais fragilizados que vêem os seus postos de trabalho fugirem para outros países. A liberalização não é global: os capitais mexem-se livremente, mas as fronteiras continuam fechadas ao trabalho. O resultado é que a China constitui uma reserva de trabalho barato que não tem liberdade para lutar pelos seus direitos. Salários baixos, tabalhadores oprimidos, combinam-se com alta tecnologia, para obter elevadas taxas de lucro, uma enorme acumulação de capital, num modelo virado para a exportação que inunda os nossos mercados com produtos baratíssimos. A única maneira de concorrer com eles talvez seja sujeitar os nossos trabalhadores às mesmas condições. Como não podemos fazer isso em toda extensão, a tendência será para a descida dos salários reais nos países que não conseguirem fazer coisas tecnológicamente mais avançadas do que aquelas que a maioria dos chineses faz - porque eles estão a avançar em todos os níveis tecnológicos. Preparemo-nos para grandes minorias sem trabalho, a escapulirem-se para a criminalidade, vidas feitas de expedientes, ruptura dos sistemas de apoio social, como o subsídio de desemprego, aumento da toxico-dependência, etc... Casas vazias à venda e pessoas a morar na rua ou em condições cada vez mais precárias etc...


De Rui Correia a 10 de Maio de 2005 às 23:25
O que há tempos ouvi um senhor dizer foi muito próximo do que eu acredito. Estranho é que um mostrengo prodigioso como a China só agora dê entrada em cena no mercado mundial. Com franqueza, assusta-me muito mais o que a China faz pelos seus do que o que os chineses nos têm feito e venham a fazer. Subitamente, o inimigo passa a ser a China. Mas não é bem um inimigo. Um inimigo que não é bem um inimigo porque convém ter amigos em altos lugares, os mesmos onde hoje vivem e decidem os empresários chineses. Há uns meses o conflito era Atlântico. Hoje já é amarelo. Nada como uma bela visita de um presidente americano a arrastar a asa à Europa para que todos fiquem de acordo com o inverosímil. O descalabro ambiental e humano em que se está a transformar a China não poderá suster-se interminavelmente. O que de melhor pode ocorrer é a sua abertura ao mundo. Comercial e culturalmente já aqui estão. A maravilhosa literatura chinesa já impõe universos e horizontes que desprezámos décadas a fio. Pela mesma intumescida visão de nós mesmos. O temor amarelo não esconde bem um dispensável, senão perigoso, vilipêndio do incógnito. Mas, ainda assim, De tudo o mais o que é inqualificável é este namoro arrebatado pelo mercado chinês. Quando o continente da democracia e o continente do liberalismo abraçam a maior ditadura do mundo, não se lhes peça meças de idoneidade.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO