Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2012

Wir Lehrer gegen die Rechtschreibreform

Parece que é impossível fazer uma reforma ortográfica sem uma grande polémica e sem muita oposição. Os que divergem da mudança não sugerem nunca mudanças em sentido contrário, apenas se opõem a mudar os seus hábitos ortográficos. Tudo se resume ao seguinte - como está é que está bem. A escrita das palavras é uma aquisição feita em tenra idade. É uma norma cultural. A forma escrita da palavra, assim como as regras que aplicamos com todas as racionalizações que explicam as exceções tornam-se coisas absolutas que não queremos ver alteradas nem tidas à conta de meros arbítrios.

Na Reforma Ortográfica dos anos 90 na Alemanha, houve um estado - Schleswig Holstein - que resolveu desobedecer e não aderir ao acordo que envolvia três países - Alemanha, Suíça e Áustria.

Desenvolveu-se por toda a Alemanha o movimento "Wir Lehrer gegen die Rechtschreibreform" - Nós professores contra a reforma ortográfica.

Contudo, a nova ortografia aí está. Eu mal sei como era a anterior, pois já me basta a difiuldade do idioma para me preocupar com a história recente da sua escrita.

Fui alertado para este facto particular pela obra Spelling and society: the culture and politics of orthography around the world.

 

 

 

publicado por Redes às 21:33
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Lúcio a 23 de Fevereiro de 2012 às 10:06
"(...) como está é que está bem"? Não necessariamente. Melhor diria: quanto mais se mexe, pior fica.
Se reparar, as sucessivas reformas ortográficas, pretendendo acrescentar "racionalidade" e clareza à grafia, foram, afinal, abrindo brechas e criando problemas onde eles não existiam.
Em 1911, meia dúzia de republicanos - esses jacobinos autorizados pelo pensamento positivo, "iluminados" e cientes dos "horrores da tradição, mãe de todos os obscurantismos" - achou que a supressão das consoantes duplas era a via para a solução do luso analfabetismo. Qual "pharmacia", qual "plilosophia ", qual "telephonia"!; há que simplificar em nome da clareza, da racionalidade, do progresso. Está explicado o atraso civilizacional dos ingleses e franceses...
Que vantagem trouxe, também, a supressão do "h" intersilábico? Impôs o recurso a acentuação onde ela antes não era necessária.
Que se ganhou, em 1945, com a substituição do "z" pelo "s" el "Luiz" ou "paiz" (mas não em "raiz", por exemplo)? Nada, apenas de impôs a necessidade de acentuação onde ela se dispensava. O mesmo acontecendo com a substituição do "Victor" pelo "Vítor". Etc.
Portanto, quem se opõe ao AO não está obrigado a sugerir o recuo à grafia originária (o ónus da prova relativa às suas vantagens é de quem, à catanada nas consoantes erradamente ditas mudas - o magno erro do AO de 1990-, impõe a nova grafia); já lhe basta que não se estrague mais o que se tem vindo sucessivamente a adulterar.
Cumprimentos.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

. O Acordo Ortográfico entr...

. O reino de Walter Hugo Mã...

. Defesa da escola pública ...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO