Quinta-feira, 19 de Abril de 2012

Da escola e das comunidades de aprendizagem.

A leitura de uma apresentação feita por José Luís Almeida sobre o futuro da escola, motivou-me os seguintes comentários que não são argumentação contra as teses apresentadas, mas simplesmente, uma expressão da minha opinião sobre os tópicos apresentados. Basicamente, defendo que a escola não irá operar uma mudança de 180º, isto é, nada justifica uma revolução pedagógica atualmente, embora a escola se modernize e adeque aos novos recursos e modos de vida representados pela revolução digital, eletrónica e virtual.

 

1. A dificuldade de acesso a recursos de aprendizagem tem a ver apenas com o lugar e o tempo, já que há uma enorme quantidade de recursos didáticos, científicos, culturais, técnicos (do género “How to do”) e informativos de acesso praticamente gratuito, seja para aprender línguas, a cozinhar, a programar computadores, redes e telemóveis. Para estudar e ler sobre quase todos os tópicos culturais e científicos, a quantidade de informação, de redes e de fóruns de comunidades online é gigantesca.

Desde a década de 70, que se fala na “lifelong education” – educação ao longo da vida . As novas tecnologias apenas tornam mais efetiva a possibilidade de as pessoas se auto-formarem.

 

2. Embora haja competências ditas transversais que o ensino escolar tradicional tem descurado, tem-se verificado a confirmação da importância e valor das competências escolares tradicionais que constituem a chave de acesso, o mapa do conhecimento humano que permite às pessoas se desenvolverem. Falamos de leitura, escrita, língua estrangeira, história e geografia (do seu país e do mundo), trabalho com números e padrões (aritmética e matemática). Além disso, a escola desenvolve competências expressivas, artísticas e físicas. Desenvolve também conhecimento científico e tecnológico.

 

3. Além disso, tem sido contestada ultimamente a tese de que se podem aprender técnicas de aprendizagem num vazio de conteúdos. Isto é, já não podemos dizer que o que se aprende pouco importa, o que interessa é “aprender a aprender”. Muito pelo contrário, as técnicas do aprender só fazem sentido em objetos de aprendizagem. De fato, conseguimos aprender mais porque já temos um mapa, uma base, que podemos completar e desenvolver, seja em que domínio que for. Muitas das competências tradicionais escolares são mesmo meios de acesso ao conhecimento, nomeadamente, a leitura, a escrita, as línguas e a matemática.

 

4. Com a rádio e a televisão criaram-se também ilusões a respeito da possibilidade de os professores serem dispensáveis, pois os conteúdos de aprendizagem poderiam ser difundidos. Verificou-se que os meios audiovisuais de ensino, não obstante experiências interessantes como a telescola, não se tornaram a regra e a escola tradicional manteve-se de pedra e cal.

 

5. Os conteúdos sempre estiveram acessíveis em bibliotecas públicas, em programas gravados e em diretos da rádio e da televisão, agora em formatos interativos e multimédia online, mas a sua aprendizagem nunca dispensou a mediação dos professores. A escola cria o ambiente necessário a que o indivíduo se interesse, se forme e se informe, que crie os hábitos e a disciplina que tornam possíveis essas aprendizagens. Para os adultos, são necessárias também comunidades que deem sentido ao estudo, ao treino e ao exercício. Nessas comunidades tem de haver mediadores, formadores ou professores que têm a autoridade necessária para orientar o trabalho de aprender, premiar o esforço e certificar resultados.

 

6. A escola já é uma comunidade de aprendizagem, mesmo na sua aceção mais tradicional. Não tenho a menor dúvida de que a escola deve utilizar da forma mais produtiva possível todos os recursos que a internet e as novas tecnologias permitem, mas não deve fugir da sua tarefa nuclear.

publicado por Redes às 01:04
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 19 de Abril de 2012 às 17:12
Caro amigo

Em primeiro lugar queria agradecer-lhe reconhecidamente o seu comentário. Acho que o tema merece uma discussão mais aprofundada da minha parte e não irei responder à sua argumentação nesta plataforma. Até porque quem ler não conhece o documento que lhe deu origem.
Contudo, sobre o futuro da Escola não tenho opiniões tão categóricas sobre o papel dos vários protagonistas do processo de aprendizagem.
O mundo nos últimos 50 anos mostrou-nos tantas alterações, que não cometo a ousadia de dizer que será de uma maneira ou de outra. Uma coisa quase tenho a certeza: é que não será igual ao que é hoje.
Até porque os alunos dentro de 20 anos serão outros, os professores (muitos) também serão outros e o mundo será diferente, tal como as tecnologias que utilizamos hoje, provavelmente serão muito diferentes, tal como as que usávamos há 20 anos são muito diferentes das que utilizamos hoje.
Eu dou aulas num nível diferente de ensino e há vinte anos era incompreensível que pudesse estar em contacto permanente com todos os alunos, como os próprios alunos tivessem acesso a computadores portáteis individuais que utilizam como entendem.
Provavelmente dentro de alguns anos em muitos graus de ensino, os alunos terão acesso on-line aos cursos ministrados pelos melhores "professores" do mundo.
Provavelmente os "encarregados de educação" desses alunos poderão assegurar os principais passos da aprendizagem dos seus "filhos" e recorrendo à medida a especialistas para cada área do saber.
Provavelmente haverá menus de aprendizagem à distância com "mediadores" ou "monitores" que permitam as famílias viveram a locais muitos distantes daqueles em que é ministrada a aprendizagem.
Provavelmente haverá robots com competências para exercitar certas aprendizagens dos alunos, etc., etc.
Poder-me-á dizer que é impossível ou inviável.
No final do séc. XIX jornalistas credenciados de Nova Iorque diziam que era impossível fazer passar a voz por um fio, desmentido as invenções de Edison , quando algum tempo mais tarde isso estava em funcionamento.
Daí que eu não seja tão categórico em pensar nas impossibilidades . O que é mentira hoje pode ser verdade amanhã. Mesmo em temas que o problema moral e ético se possa colocar hoje, amanhã com outras gentes e outros tempos, isso poderá ser inevitável, desejável ou necessário.
O futuro está aberto a uma infinidade de possibilidades, que muitas não podemos descortinar totalmente hoje.
Renovo os meus agradecimentos sobre a sua reflexão.


De Redes a 21 de Maio de 2012 às 12:39
Pareceu-me que o meu comentário era de certo modo independente do seu texto (apresentação). Por isso, o coloquei aqui, não com a intenção - nobre, em todo o caso - de polemizar, mas apenas de expor os meus pontos de vista, independentemente de estarem ou não de acordo com o texto que os originou.
Contudo, vi-me na obrigação de referir a fonte.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. "Tablets" e computadores ...

. Desventuras de Maria do C...

. A revolução russa vista p...

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO