Sábado, 23 de Março de 2013

A crise portuguesa explicada a um Totó (eu)

Paul De Grauwe é quem melhor me explica as coisas na sua coluna do Expresso. Portugal, apesar de ter uma dívida elevada, apenas se tornou incapaz de pagar as suas obrigações por os juros terem subido - isto é, por ter-se tornado incapaz de colocar dívida a juros aceitáveis. Em consequência da crise financeira de 2008, os governos foram encorajados a aumentar o investimento público como medida anti-crise e os défices públicos elevados foram mais uma vez tolerados. Ouvimos várias vezes José Sócrates a justificar-se assim.

A crise grega agudizou a crise financeira que já vinha de 2008 e fez com que os mercados da dívida aumentassem os juros para Portugal e Irlanda, com as agências de notação financeira, três bruxas de mau vaticínio, a assustar os investidores com as suas notas.

O problema do mercado da dívida já se fazia sentir em Portugal em 2005, segundo explicou João César das Neves numa palestra da acção Educação, Cultura e Desenvolvimento promovida pelos centros de formação de professores de Caldas da Rainha e Bombarral. Mesmo assim, Sócrates prosseguiu com a expansão da despesa seguindo uma orientação europeia. Por isso, o défice salta de 3,7% em 2008, para 10,2% do PIB em 2009.

A política de austeridade tem diminuído o défice em termos absolutos, mas em relação ao PIB ele mantém-se alto (4,9% em 2012, na verdade, 6,6 se não incluirmos o encaixe da Ana), porque o PIB também tem descido (PIB desce 1,4 em 2010 e 1,8 em 2011).

Resumindo, temos que gastar menos, mas produzir mais ou, pelo menos, não diminuir a produção) o que não está a acontecer.

Noutros artigos, De Grauwe tem-me explicado que a solução é, de fato, europeia - a Europa não pode estar toda a fazer austeridade. Esta devia ser apenas para os países do sul, com défices elevados, não para os do norte. O problema dos juros devia ser resolvido com o BCE a comprar maciçamente dívida dos países com programas de austeridade de modo a dar confiança ao mercado.

Ao dizermos que a solução é europeia e ao verificarmos que ela não aparece, só podemos concluir que a chave está na política europeia. Se a Europa impõe orientações políticas aos governos que nós elegemos, então temos que ser nós também a eleger essa Europa. Temos de acabar com a Europa dos comissários e das negociatas dos países grandes a impor medidas de acordo com o peso da sua economia, dos efeitos do seu abrir ou fechar os cordões à bolsa e não de acordo com o peso eleitoral dos seus cidadãos.

O sistema financeiro tem de ser verdadeiramente unificado. Já que temos a mesma moeda, temos que ter também as mesmas instituições bancárias e a solidariedade na emissão de dívida, com uma relação clara entre orçamento comunitário e orçamento nacional. Não podemos ter países que pagam a sua dívida ao preço da chuva e outros que a pagam com o preço do seu sangue. Os países do sul e outros países médios e pequenos com problemas económicos similares podem ter um peso eleitoral favorável na eleição dum verdadeiro parlamento europeu e dum verdadeiro governo e presidência europeia.

publicado por Redes às 22:19
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. "Tablets" e computadores ...

. Desventuras de Maria do C...

. A revolução russa vista p...

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO