Quarta-feira, 17 de Abril de 2013

Paradigmas pedagógicos

Na pós-modernidade pedagógica, parece que tudo o que é considerado vanguarda constitui um todo coerente.

Por exemplo, em vários países europeus, houve uma reformulação dos programas com base na ideia de "competência". As competências vieram substituir as tabelas de objetivos e conteúdos programáticos.

A novidade é recebida pela vanguarda pedagógica como se este novo elemento fosse coerente com os outros paradigmas, ainda dominantes.

Um  deles é o chamado construtivismo, a ideia de que a aprendizagem tem como sujeito o indivíduo que na sua relação com o meio vai construindo esquemas da realidade, que, na versão piagetiana, passam por uma série de estádios de ordem lógica e epistemológica que se presume serem universais na espécie humana. Esta ideia era considerada coerente com a teoria chomskyana da linguagem, dominante também no ensino da língua materna. 

No entanto, no final da década de 70, vimos um debate rigoroso entre os partidários da teoria construtivista da aprendizagem e os inatistas, que mostou quão profundas eram as divergências entre as duas conceções. Para mim, que li atentamente a discussão havida entre Chomsky, Katz e Fodor por um lado e Piaget, Inhelder e outros, pelo outro, os primeiros arrasavam completamente o construtivismo, sem que aos segundos acudissem argumentos sólidos em sua defesa.

Não quero entrar aqui em pormenores, mas a aprendizagem da linguagem não se faz de maneira alguma através da interação sensório-motriz, nem a aprendizagem do conceito de número se faz da maneira como Piaget propõe. O que acontece é que a nossa espécie tem inscrita no seu genoma algo que nos permite desenvolver o conceito de número. O mesmo acontece com a linguagem. Existe uma faculdade da linguagem na nossa espécie que nos permite criar e adquirir línguas específicas. A interação social é essencial ao desenvolvimento linguístico, mas não menos necessária é também essa predisposição genética.

A ideia de que é a criança que descobre tudo e que não é positivo ensinar diretamente a criança e treiná-la num certo tipo de raciocínio ou algoritmo que ela tem de descobrir e aprender, primeiro, tem como efeito inibir o professor de ensinar e torna-o numa espécie de orientador dum processo que está a acontecer, que ele estimula, mas para o qual não adianta explicitamente conteúdos que espera que o jovem descubra. Isto torna a aprendizagem desnecessariamente demorada. Em vez de perguntar ao professor, o aluno pode ir diretamente a outras fontes que ensinam direta e explicitamente o que ele quer. Em todo o caso, não é ele que descobre ou "constrói". Ele raciocina de acordo com modelos que a cultura humana desenvolveu historicamente. Pode aprender a lógica da investigação científica, mas não a pode descobrir; ou, pelo menos, não é expetável que a generalidade dos seres humanos a descubra por si.

O que é que a ideia de "competência" tem a ver com o "construtivismo"? Creio que ela é mesmo contrária ao construtivismo, pois, como aquela noção vem para o desenvolvimento curricular através de sociólogos da educação preocupados com a desigualdade dos resultados escolares e com a inutilidade da escola para quem não quer ou não pode seguir estudos, o "construtivismo" é uma abordagem que ainda atrasa mais o domínio de competências para a vida.

Se utilizarmos o critério da "competência" para definir um currículo, iremos pôr de lado os conhecimentos que não conseguimos relacionar com nenhuma competência visível. Faremos, pois, um programa mais rasteiro, menos exigente. Que é que isto tem a ver com "construtivismo"? Nada. Não será mais útil um perspetiva comportamentalista dirigida para o treino de procedimentos e a memorização de conteúdos que sabemos úteis para a vida?

Por isso, parece-me evidente que temos um cocktail de propostas teóricas contraditórias nas ideias dominantes na educação.

publicado por Redes às 21:52
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De AC a 18 de Abril de 2013 às 18:15
Mais Skinners e afins Pavlovianos??
UUUUHHHMMMM
Já sei que ultimamente andamos a toque de caixa, mas voltamos aos anos 80?
Em grande parte é isso que as atuais políticas educativas, e não só!, pretendem, só falta obrigarem ao uso da sineta!!!
Venha de lá um bife!


De Redes a 20 de Abril de 2013 às 19:19
Mas os anos oitenta são também os anos de ouro do construtivismo e de todas as utopias pedagógicas.
Nos anos 80, todos éramos marxistas e parecia-nos que marxismo, psicanálise e construtivismo eram todos compatíveis.
Bem, até o CDS era marxista. Não há nenhum partido sem o "social" no seu nome. Onde estão os liberais, os conservadores e os democrata-cristãos?~
Nada Tudo=tudo. E é disso que eu trato no que respeita à educação.
Muito pelo contrário, Skinner foi pouco mais do que um nado morto.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28

30


.posts recentes

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO