Domingo, 24 de Novembro de 2013

Congresso das esquerdas - uma "fronda" da classe política

Soares a dirigir os políticos contra o governo

 Soares a dirigir a classe política contra o governo.


A minha formação marxista obriga-me a pensar objetivamente os fenómenos sociais.

Sublinho "objetivamente" para fugir a qualquer juízo de intenção. As motivações individuais variam com certeza. Só cada um, o seu padre ou o seu psicanalista pode falar sobre elas.

O que me interessa aqui é procurar as condições que explicam fenómenos de massas, ainda que estas sejam muito perfumadas. O que está aqui em causa é compreender porque é que tanta gente se une contra um governo que para muitos deveria ser o seu.

Junto com Mário Soares, estiveram muitas pessoas que estão longe de se sentirem à vontade com o punho erguido duma rosa demasiado vermelha.

O fenómeno da oposição ao governo do PSD tem indícios muito anteriores. Bem sabemos que é comum haver "enfants terribles" daqueles que, assim que saem de cena, começam a estragar o jogo dos que lá ficam - Manuel Maria Carrilho no PS, por exemplo. Mas aqui há algo mais.

Vimos Manuela Ferreira Leite, Bagão Félix, Pacheco Pereira, António Capucho entre vários outros.

Do lado do PS, que deveria também estar comprometido com a Troika, não faltam exemplos de pessoas que tomam a iniciativa em prejuízo da direção do partido.

O que é que há de objetivo nesta onda? Primeira questão - a que classe social pertencem estas pessoas. Sim, se há luta de classes, a qual pertencem elas? O Marx do  Manifesto... acreditava que o proletariado havia de integrar a maior parte dos pequeno-burgueses que seriam proletarizados para a batalha final contra a única classe que ficaria do outro lado, a burguesia. Esta análise simplória ignora que o exercício do poder gera uma classe com interesses próprios independentes dos da classe que diz servir. Staline e os seus correligionários, Molotov, Beria, Brejnev, etc... estavam muito longe de poder ser considerados proletários. A ditadura era mais sobre do que do proletariado.

Para compreender o que une objectivamente essas pessoas temos que compreender o que eles são - a classe política - e o que os une é terem também perdido, enquanto políticos, rendimentos, quer como assalariados, quer como subsidiados (através de fundações, por exemplo), quer como reformados.

Isso é explícito em alguns testemunhos - por exemplo, de Manuela Ferreira Leite e de Bagão Félix e, mais ingenuamente, de Cavaco Silva.

Quer isto dizer que o governo está contra a classe política, a sua própria classe? O governo tenta legislar de um modo universal ignorando as categorias que permitiriam salvaguardar os políticos, mas não o consegue fazer sempre, por medo ou por interesse próprio, de classe. As exceções que faziam dos políticos um grupo à parte só há pouco começaram a ser desmanteladas. Assim o exigia a dureza das medidas impostas aos outros portugueses. A prova que temem tanto os políticos quanto os polícias está numa notícia do Expresso de ontem, "Maioria alivia cortes aos políticos", em que o património imobiliário deixa de contar como critério para a suspensão da subvenção vitalícia. Alguns dos senhores em pé de guerra estão entre estes beneficiários da dita subvenção.

No que diz respeito a viver à custa do Estado, os políticos estão como uma boa parte dos portugueses, por isso, se não o fosse ideologicamente, seriam, pelo menos, materialmente solidários com os outros funcionários. Tal como na "fronda" francesa do século XVII, em que os nobres se revoltaram contra o rei e o seu primeiro-ministro, também aqui temos uma parte do Estado contra ele próprio, os descontentes a arrastar as massas.

Nesse sentido, é perfeitamente legítimo ler a apreensão de Soares quanto à violência, como um incitamento. Como estou aqui em baixo da pirâmide estatal, dá vontade de perguntar: "Boa, Mário Soares, por onde havemos de começar para fazer a revolução ou para a salvar? Como vamos apear aqueles que lá estão?"

Mas será que esta "fronda" nos resolve algum problema, indica algum caminho novo?

Foi com pouca admiração que vi os deputados do PS revoltarem-se contra medidas que eles próprios tinham inscrito no PEC 4. Poucas coisas se parecem tanto uma com a outra como o PSD e o PS na oposição. O primeiro fez cair um governo para fazer o mesmo, o segundo também quer que o atual caia para não fazer diferente.

publicado por Redes às 21:57
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. "Tablets" e computadores ...

. Desventuras de Maria do C...

. A revolução russa vista p...

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO