Sábado, 1 de Abril de 2017

Deve o exame condicionar a leitura orientada?

Dedico este trabalho à Vitória de Sousa,

uma grande defensora da leitura e do leitor,

uma pessoa com quem espero ainda

poder aprender algumas coisas importantes.

 

A aprendizagem da leitura literária em Portugal baseia-se no seguinte paradigma: os programas prescrevem obras que são lidas uniformemente em todas as escolas, em todos os níveis de ensino.

Ao ser questionada esta perspetiva autoritária e arbitrária do cânone e do ensino da literatura, respondem‑nos invariavelmente com o problema dos exames: todos têm que ler os mesmos textos para que todos sejam sujeitos à mesma prova.

Sinto-me desconfortável com a ideia de Portugal ser, de entre os países que pesquisei, o único cujos programas de ensino especificam escolhas que podiam ser feitas por alunos e professores, enquanto comunidades de leitores que deviam ter alguma autonomia. Para chegar a esta desagradável conclusão, li programas do ensino básico e secundário do Reino Unido, França, Alemanha, Brasil e Espanha, entre outros.

Será o exame um constrangimento válido para justificar a uniformidade da leitura no ensino secundário e a imposição dogmática dum cânone, ou mesmo, duma preferência literária?

Um país que tem um sistema importante de exames é o Reino Unido. Lá, a administração de exames é da responsabilidade de organizações independentes do governo, cujos serviços são requeridos pelas escolas. A AQA, uma dessas organizações, é responsável por cerca de metade de todos os exames de GCSE (correspondente ao 9º ano) e A-Level (10º a 12º ano) de todo o Reino Unido. No caso dos exames de A-Level, as especificações não se limitam ao exame propriamente dito, mas ao programa da disciplina.

Li agora com atenção dois cadernos de especificações o de English Literature para o GCSE e English Language and Literature para o A-Level. Nesta disciplina, restringindo-me à literatura, à escolha de textos e ao tipo de questões de exame, verifico o seguinte:

Para uma parte da narrativa ficicional (secção "imagined worlds", isto é, "mundos imaginados"), os alunos podem escolher uma de entre as seguintes obras:

  • Mary Shelley, Frankenstein;
  • Bram Stoker, Dracula;
  • Margaret Atwood, The Handmaid’s Tale;
  • Alice Sebold, The Lovely Bones;

Para uma outra temática da narrativa ficicional ("writing about society", escrita sobre a sociedade), os alunos podem escolher uma das seguintes obras:

  • Jon Krakauer, Into the Wild;
  • Kate Summerscale, The Suspicions of Mr Whicher: or the Murder at Road Hill House;
  • F. Scott Fitzgerald, The Great Gatsby;
  • Khaled Hosseini, The Kite Runner;

Na parte relativa à poesia, os alunos podem escolher de uma antologia, poemas de um de quatro poetas:

  • John Donne
  • Robert Browning
  • Carol Ann Duffy
  • Seamus Heaney

Para o texto dramático, eles têm de escolher uma peça de entre as seguintes:

  • William Shakespeare, Othello;
  • Arthur Miller, All My Sons;
  • Tennessee Williams, A Streetcar Named Desire;
  • Rory Kinnear, The Herd;

A avaliação da disciplina compõe-se de 2 testes (peso de 80%), um de 3 horas e outro de 2, e de um ensaio realizado sob a orientação do professor obedecendo também a especificações (20%).

No primeiro teste de exame, a parte ficcional ("imagined worlds"), apresenta no enunciado várias questões, referentes aos textos mencionados acima, de entre as quais o aluno tem de escolher uma (que dirá respeito ao texto que preparou). Trata-se de uma questão de desenvolvimento com um peso de 35% desse teste. O mesmo acontece com as questões relativas à narrativa ("writing about sociey"), à poesia e ao drama.

A especificação poderá, numa próxima edição - esta que apresento é a relativa a 2017 -, incluir outros autores e outros textos canónicos de maneira a evitar a transformação da leitura numa estereotipificação ou numa reprodução de interpretações feitas na aula dum texto já repetido e massacrado em inúmeros comentários.

Em English literature (GCSE, correspondente ao nosso 9º ano), a escolha ainda é maior. Há uma secção dedicada a Shakespeare na qual o aluno poderá escolher uma peça de entre várias:

"Students will answer one question on their play of choice. They will be required to write in detail about an extract from the play and then to write about the playground as a whole".

A escolha será feita entre:

  • Macbeth
  • Romeo and Juliet
  • The Tempest
  • The Merchant of Venice
  • Much Ado About Nothing
  • Julius Caesar.

Há uma secção sobre o romance do século XIX em que os alunos terão que escolher um romance para responder a uma questão no teste, em que lhe será apresentado um extrato da obra que preparou para responder em pormenor e globalmente. 

  • Robert Louis Stevenson, The Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde
  • Charles Dickens, A Christmas Carol
  • Charles Dickens, Great Expectations
  • Charlotte Brontë, Jane Eyre
  • Mary Shelley, Frankenstein
  • Jane Austen, Pride and Prejudice
  • Sir Arthur Conan Doyle, The Sign of Four

As obras que aqui se apresentam são por nós conhecidas mesmo que não tenhamos lido todas. Fazem, pois, parte dum cânone. A diferença entre este currículo e o nosso está na redução dos nossos programas a uma espécie de catecismo histórico-literário que vai ao ponto de prescrever partes de romances e de estabelecer interpretações para os textos indicados (vejam-se os temas de Camões lírico). Esta orientação constitui um convite ao desinteresse, em que o texto objeto se transforma no próprio conteúdo programático, matéria a decorar. Nenhum texto sobrevive a esta carnificina escolar.

Se o tema programático é o romantismo, pois que leiam os alunos um grande romance romântico à sua escolha. Se é o realismo, então que experimentem um grande texto realista de entre os melhores.

Isso mostra perfeitamente duas conceções diferentes sobre o ensino da literatura nos nossos dois países. Lá importa a leitura literária e o conhecimento histórico-literário requerido. Aqui importam os textos canonizados que têm de ser os mesmos para todos os alunos e todos os professores. É a lógica da antologia. Já que não é possível ler tudo, então que leiam um bocadinho de cada, como se em cada excerto estivesse toda a essência da obra e do autor.

Bibliografia consultada:

Clique no título dos documentos para os abrir.

AS and A-Level. English Language and Literature (especificações da disciplina e do exame)

A-Level. English Language and Literature - specimen material (exemplos de questões de exame)

GCSE - English Literature (especificações da disciplina e do exame)

publicado por Redes às 23:46
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Desventuras de Maria do C...

. A revolução russa vista p...

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO