Quinta-feira, 9 de Março de 2017

Encontro sobre o Acordo Ortográfico na Academia das Ciências - primeiras observações

Enquanto membro da Associação de Professores de Português, participei no encontro sobre o Acordo Ortográfico que a atual direção da Academia promoveu.

A iniciativa, realizada para discutir um importante aspeto da nossa cultura, é louvável e os presentes, ao que me parece, na sua generalidade, oponentes ao Acordo, estão de parabéns. O facto de estar pouca gente não é imputável nem à instituição nem à importância do tema, mas a dificuldades inerentes a eventos deste nível de exigência, pois já estive em encontros de grande qualidade com muito parca assistência. Se estão em causa ou não os meios de divulgação empregues, só a Academia poderá ajuizar.

A presidente da APP fez o histórico dos acordos ortográficos para acentuar a responsabilidade histórica da Academia na gestação da presente legislação ortográfica. Agora, com centenas de milhar de jovens ortograficamente formados com as novas regras, seria no mínimo uma falta de respeito, dizer-lhes que o estado português lhes pede desculpa por os ter levado ao engano.

A seguir, falou Maria do Carmo Vieira, com argumentos que já lhe conhecemos e sobre os quais já aqui escrevi e sobre os quais voltarei a escrever. Às objeções que lhe pus, respondeu sobre a minha pessoa, chamando-me de ignorante. Noutra entrada, tratarei disso. Limito-me a observar que a intolerância de que esta professora se queixa, de não ser ouvida, está patente na sua atitude ao reduzir os que não concordam com ela a simples "ignorantes".

Tratava-se das maiúsculas nas estações do ano. Segundo ela, todos teríamos de as continuar a utilizar porque num poema de Ricardo Reis as ditas estações são alegorias, referem entidades únicas. "Se é esse o caso, porque não se grafam com maiúsculas?" -, tinha eu objetado. Passam a ser nomes próprios, não é? Mas quando eu escrevo "Esta primavera vou ao estrangeiro", será "primavera" um nome próprio? Se a Primavera é o nome de uma deusa, que se escreva então com maiúscula.

Será por eu ter dito que isso não passa de uma convenção que ela concluiu que eu era ignorante da cultura clássica? Não é uma arrogância, por uma questão ortográfica, ajuizar do conhecimento de cultura clássica do seu oponente? Então, imagine a Carmo Vieira o que acontece ao dito poema ao ser traduzido para o alemão: todos os nomes, próprios ou não, aparecerão com maiúscula e a Primavera, deusa ou não, será igual a todos os nomes comuns! Perde-se a intenção alegórica de Ricardo Reis na tradução alemã? Ou em espanhol em que as estações do ano se escrevem com minúscula?

Então aqui está para fechar este assunto, uma ocorrência de "primavera" de Ricardo Reis lida por "nuestros hermanos":

 

Cada cosa a su tiempo tiene su tiempo.
No florecen en el invierno las arboledas,
Ni por la primavera
Tienen blanco frío los campos.

A la noche, que entra, no pertenece, Lidia,
El mismo ardor que el día nos pedía.
Con más sosiego amemos
Nuestra incierta vida.

A la hoguera, cansados no de la obra
Pero porque la hora es la hora de los cansancios,
No acerquemos la voz
Encima de un secreto,

Y casuales, interrumpidas, sean
Nuestras palabras de reminiscencia
(Para nada más nos sirve
La negra ida del Sol) —

Poco a poco el pasado recordemos
Y las historias contadas en el pasado
Ahora dos veces
Historias, que nos hablen

De las flores que en nuestra infancia ida
Con otra consciencia recogíamos
Y bajo otra especie
De mirar lanzado al mundo.

Y así, Lidia, a la hoguera, como estando,
Dioses hogares, allí en la eternidad,
Como quien compone ropas
Otrora lo compongamos

En este desasosiego que el descanso
Nos trae a las vidas cuando sólo pensamos
En aquello que ya fuimos,
Y hay sólo noche allá fuera.

 

http://www.fpessoa.com.ar

 

Que escândalo, não é? Escreverem "primavera" como nós fazemos agora!

Mas há mais, Maria do Carmo Vieira, se todas as utilizações da palavra "Primavera" forem grafadas com maiúsculas, não haverá diferença entre a "Primavera" alegórica, a única que nos visita todos os anos, da minha reles que aparece em "Esta Primavera não passeei nada". Numa tradução portuguesa da Odisseia, em todos os dias bons aparece a "Aurora de róseos dedos" justamente grafada com maiúscula.

publicado por Redes às 12:01
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Redes a 9 de Março de 2017 às 14:35
Não, não me parece indispensável a maiúscula nas palavras "inverno" e "primavera" neste poema para os compreender alegoricamente (o contexto aparece depois com a referência aos deuses lares). São simultaneamente entidades comuns que se repetem diferentemente e próprias. Neste caso, especifica-se tempo "no inverno" e "pela "primavera". Se fosse a primavera como agente, seria diferente. Veja-se por exemplo esta lição:
"Many animals hibernate in the winter."
Mas "It’s that time of year again, when Winter blankets all creatures with somniferous snow and whispers to them, “Rest, children, rest.”
(https://www.grammarly.com/blog/capitalization-the-days-of-the-week-the-months/)




De N M a 10 de Março de 2017 às 11:27
Aspecto absolutamente convencional e, portanto, menor.


De N M a 10 de Março de 2017 às 11:39
Aspecto absolutamente convencional e, portanto, menor.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. "Tablets" e computadores ...

. Desventuras de Maria do C...

. A revolução russa vista p...

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO