Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016

O Ipiranga de Artur Anselmo

Artur Anselmo, presidente da Academia das Ciências de Lisboa, vai propor alterações ao Acordo Ortográfico. Um dos exemplos dados é a distinção ortográfica entre "para" e "pára" que se perdeu com o Acordo. Antes de avançar para as declarações do presidente da Academia, vou comentar este caso.

Em termos ortográficos, não é muito grave a homografia de duas palavras de classes diferentes - uma preposição e uma forma verbal - que muito dificilmente entrarão em contextos geradores de ambiguidade. Maiores dificuldades oferecem as numerosas palavras homógrafas e homónimas da nossa língua, especialmente quando se trata de nomes como por exemplo: "o canto era muito belo" (o da sala ou o da soprano?) "a sede naquele lugar era insuportável" (a falta de água ou o centro de um clube?). Contudo, embora possamos relativizar a gravidade desta mudança, não podemos negar que há uma perda de distintividade.  A minha posição é que haveria uma perda mínima, nesta como noutras alterações ortográficas, em função de um objetivo maior - o da unificação ortográfica, se esse objetivo político fosse prosseguido.

Mas o caso toma um aspeto bizarro quando nos damos conta de que os brasileiros também tiveram de mudar o seu par para/pára, pois também eles punham o acento na forma verbal. Se a distinção valia dos dois lados do Atlântico porque foi anulada? Também lá apoiantes e oponentes se esforçaram por racionalizar, isto é, inventar razões linguísticas para justificar mudanças ou para se opor a elas.

Neste caso, veja como o Gramatigalhas justifica para os brasileiros a perda do acento na forma verbal "pára": "Para e pára". Oiça bem como o professor José Maria da Costa pronuncia a preposição "para". Para si, tem ou não acento tónico na primeira sílaba? "Para" difere da sua forma reduzida, "pra". Esta é claramente átona. É frequente a preposição "para" ser pronunciada totalmente com acento tónico na primeira sílaba, especialmente em frases em que se dá uma ênfase ilocutória muito particular, embora também seja frequente a sua redução a átona.

Voltamos à pergunta "Porque foi alterada uma coisa comum às duas ortografias? Porque se quis reservar o acento gráfico para distinguir a sílaba tónica e não para distinguir diferentes fonemas representados pela mesma letra: /ɐ/ de "para" e /a/ de "pára". Por este princípio, só os casos em que o acento assegura a identificação da sílaba tónica é que as palavras graves (paroxítonas) o mantêm (Base IX). Então, "para" e "pára" foram vítimas duma tentativa de diminuir as exceções a uma regra geral.

Quanto ao presidente da Academia, ele não se limitou a propor algumas mudanças. Ele afirmou que o acordo tinha falhado, pois não se tinha chegado a uma ortografia comum, que o Brasil tinha sido colonialista a impor a sua a Portugal, que a orografia não era uma questão política e que agora era necessário tratarmos das ortografias nacionais. Enfim, um grito de Ipiranga ao contrário.

Como é que ele se sente perante a instituição que dirige e que, durante 26 anos, andou a negociar este acordo? Com o discurso que apresenta, ele deveria propor o regresso a 1945 e não "pequenas correções".

Não há coisa mais política do que a ortografia portuguesa. Desde o rei D. Dinis até às reformas de 1911, 1945 e 1990 foi sempre o poder político a regulamentar. Seria irónico que a democracia perdesse esse poder. A quem o entregaria? Quem é que teria legitimidade para decretar uma ortografia para a Escola, o Governo e os Media? Seria o Artur Anselmo?

Eu considero aquilo em que o acordo ortográfico mexeu uma insignificância em termos linguísticos. Espero que os especialistas façam um bom trabalho em fixar o que é comum e o que é diferente entre os vários países lusófonos, que se ponham de acordo a respeito duma ortografia para as organizações internacionais - desde logo, aquela em que se redigem as atas da CPLP - e que acabem os disparates nos jornais e na televisão.

Referências bibliográficas:

"Pronúncia do português europeu" in Instituto Camões

"Para ou pára" in Dúvidas de Português

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (pdf) Porto Editora

 

publicado por Redes às 22:43
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28

30


.posts recentes

. Processos de transformaçã...

. "Colectivos" - o partido ...

. Nicolás Maduro defendido ...

. Avaliação da Homeopatia

. Deve o exame condicionar ...

. Bloomberg desvaloriza efe...

. Tratados ortográficos int...

. Acordo Ortográfico: Decla...

. Aniversário da Revolução ...

. Encontro sobre o Acordo O...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO