Quinta-feira, 24 de Novembro de 2005

Quem falta mais, Walter Lemos ou os professores?

A nossa política doméstica entretém-se com polémicas deste tipo. O Ministério divulgou um estudo sobre as faltas dos professores que constituem um problema político que deve preocupar os responsáveis pela Educação. Os sindicatos responderam com o registo de faltas de Walter Lemos, enquanto autarca, que só é um problema político por ter sido indevidamente trazido para a discussão das aulas de substituição.
Se se reconhece que as faltas dos professores constituem um problema nas escolas, por os alunos ficarem desocupados, Walter de Lemos, quer no seu percurso, tenha faltado muito quer tenha faltado pouco, tem que combater as faltas dos professores.
Repare-se que quando se fala em faltas dos professores, não se diz que são ilegítimas, injustificadas, ou o que quer que seja, não se fala de A ou de B, apenas deste problema que é o dos alunos ficarem sem aulas. Imagino até que a maior parte das faltas estão justificadas legalmente. O problema é que as faltas existem. E persiste a questão: o que fazer quando um professor falta, numa escola. Ora no caso do autarca Walter de Lemos o problema foi resolvido com perda de mandato. No caso dos professores, como se faz?
No que respeita ao perfil do Secretário de Estado, parece-me abusivo, tirar desse facto qualquer ilacção nem sobre a pessoa - não sabemos o que o levou a essas faltas, nem se isso constitui um padrão normal na sua actividade - nem sobre a sua adequação às presentes funções.
publicado por Redes às 11:52
link do post | favorito
De Rui Correia a 25 de Novembro de 2005 às 14:55
A primeira coisa que me veio à cabeça quando ouvi falar das aulas de substituição já para 2005 foi "Ai. O absentismo este ano vai ser bonito, vai...". Considero importantíssimo discutir-se este tipo de coisas, depois de se terem discutido as outras. Nem conheço o W(com W?)alter Lemos de maneira a ajuizar qualquer info sobre o moço. No outro dia fiz, no blog postal, um elenco das coisas que me apetecia ver discutidas e fiquei mais esclarecido comigo mesmo. Às vezes perco-me na voragem das polémicas populares, que são as minhas, por eu ser do povo.
Interessante é que estas discussões, depois de confirmada a sua provável inofensibilidade, é quando se percebe que não servem a inacção.
É importante não nos ficarmos pela condenação destas discussões. E não sou o único a pensar assim. Tenho assistido a vários posicionamentos que apontam neste sentido: "Este não é o assunto sobre o qual devíamos estar a ocupar-nos. Importante é discutir isto e isto, desta e daquela maneira." Parece-me mais edificante.
Sei que as aulas de substituição são uma violência e uma que se exerce sobre pessoal mais frágil e decepcionado. Ninguém se iluda. Isto mudou mesmo. E é preciso explicar por que está mal que assim seja feita uma incongruente volição ministerial. O Radical vai abordar o tema porque é urgente reforçar que o mal está mesmo feito. E que não é justo, por ser tão indigentemente pensado.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Da santidade da arte em S...

. Cortez, o apóstolo do cân...

. Advérbio ou quantificador

. Da redução de frases à re...

. O lugar do livro - Cortez...

. Porque mataram Hugo Betta...

. Debate sobre o ensino da ...

. "Tablets" e computadores ...

. Desventuras de Maria do C...

. A revolução russa vista p...

.Blogs das minhas desoras

.Extreme Tracking

eXTReMe Tracker

.Wikipédia

Support Wikipedia

.arquivos

. Outubro 2018

. Agosto 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO