Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sem Rede

"Sobre aquilo de que não conseguimos falar, é melhor calarmo-nos." (Was sich überhaupt sagen lässt, lässt sich klar sagen; und wovon man nicht sprechen kann, darüber muss man schweigen) - Wittgenstein.

"Sobre aquilo de que não conseguimos falar, é melhor calarmo-nos." (Was sich überhaupt sagen lässt, lässt sich klar sagen; und wovon man nicht sprechen kann, darüber muss man schweigen) - Wittgenstein.

Sem Rede

19
Abr10

A lição de Katyn

Redes

PolishVictims

Prisioneiros polacos em 1940 (Wikipedia:  "Katyn massacre", http://en.wikipedia.org/wiki/Katyn_massacre)

 

Katyn contém uma lição que poucos tiraram na altura e nos anos da Guerra Fria. Resumamos o caso em poucas palavras, já que não disponho do tempo necessário para um artigo extenso.

Soviéticos e Nazis dividem entre si a Polónia. Em 1939, cada um conclui a ocupação a sua parte. No ano seguinte, Estaline, Béria e, convenhamos todo o Comité Central do Partido Comunista Soviético assinam unanimemente uma ordem de assassinato em massa de toda a oficialidade polaca a que se acrescentam intelectuais, professores, padres, etc.. Morrem cerca de 22000 polacos na floresta de Katyn. Trata-se de decepar a Polónia de toda a sua elite pensante e actuante.

Agora vejam o caricato da situação. Os resistentes polacos criam um governo no exílio, refugiado em Londres, que luta contra Nazis e Soviéticos. Este governo frequentemente exige esclarecimentos pelos oficiais em falta. Os russos respondem sempre com evasivas.

Em 1941, os nazis, no seu avanço para este, fazem letra morta do acordo, ocupam toda a Polónia e prosseguem para a Rússia. Logo a seguir ao início da invasão, polacos no exílio vão para a URSS ajudar soviéticos na resistência aos nazis. Os generais polacos procuram no terreno os milhares de oficiais que agora seriam úteis para a reconquista da Polónia. Em 1941, as evasivas de Estaline continuam, que os oficiais tinham sido libertos e ido à vida, etc. Em 1943, os nazis encontram os restos mortais de milhares das vítimas e fazem do caso propaganda internacional anti-soviética.

O governo polaco no exílio quebra relações com os russos, mas na frente os polacos não têm outro remédio senão lutar ao lado dos seus carrascos contra os nazis. Uma vez reocupada a Polónia, chegou a vez do refazer da história pelos russos: os oficiais e os demais polacos tinham sido assassinados pelos nazis, com toda a espécie de documentos forjados. Os grupos democráticos polacos nunca tiveram qualquer dúvida sobre o que tinha acontecido.

Poucos factos mostraram com tanta evidência a similaridade entre comunismo e nazismo face às sociedades democráticas ocidentais. Durante décadas, os partidos comunistas ocidentais, intelectuais, dirigentes políticos e sindicais ignoraram os factos históricos para manter a sua fé no futuro da grande ilusão comunista. E esta foi a grande lição que em Katyn se escreveu com rios de sangue.

02
Mar08

Exames - email para Henrique Monteiro

Redes
Do artigo de H. Monteiro (Expresso, 1 de Março):

"Falar de exames é, para Ministério e sindicatos, como falar do diabo. No entanto, a sua realização seria a forma mais justa de avaliar o desempenho dos professores e o que realmente interessa: a qualidade da transmissão de conhecimentos"

"Vejamos, por exemplo, o caso da avaliação dos professores. Se tudo fosse feito de forma simples (e não da forma pretensamente científica que os burocratas da 5 de Outubro gostam de apregoar), seriam considerados melhores professores aqueles cujos alunos tivessem melhores resultados. Simples? Para o Ministério não é, porque o Ministério se opõe a exames nacionais, cujos resultados seriam a única forma de aferir, de modo justo e igual para todos, os conhecimentos adquiridos."

Email:

O seu artigo é de uma imbecilidade angustiante.
 
Com os exames, nunca se sabe o que estamos a avaliar:
- o nível económico e cultural dos pais;
- a qualidade dos explicadores que o aluno tem em casa;
- o acesso a bens culturais;
- o trabalho do encarregado de educação;
- as potencialidades cognitivas dos alunos;
 
Por causa de vários desses factores, tenho uma turma que tem 2 alunos de desempenho bom e 6 que mal sabem ler (dos quais 4 ou são repetentes ou já repetiram anos no 1º ciclo) e 11 com um desempenho satisfatório (com alguma condescendência).
 
O nível de leitura dos 6 acima referidos impõe um trabalho especial de diferenciação pedagógica. Uma vez tendo já determinado as suas características, sei que não lhes posso exigir o mesmo que à maioria, nem posso adaptar o programa da turma para o nível que eles têm, pois isso deixaria os outros a não aprender nada.
Tenho à partida 6 alunos que sei que não poderão ter o mesmo sucesso numa prova normalizada, aferida aos programas oficiais.
Acresce que algumas destas crianças vêm para a escola porque a lei assim o exige, senão estariam a trabalhar no campo ou nas obras. Creio que o Henrique Monteiro quer devolvê-las a esses lugares.
 
Ora, há um colega meu que tem uma turma que tem, apenas, 1 aluno com as características dos meus 6 e tem 10 ou 12 alunos, entre o bom e o muito bom, que fazem sempre o trabalho de casa, nunca faltam, nunca repetiram o ano e vêm a todas as aulas.
O êxito dos alunos dele será muito superior ao dos meus, ainda que ele seja pior professor do que eu!
 
Embora os exames possam ser úteis, não servem de maneira nenhuma para avaliar os professores.
02
Mar08

Desde Cuba

Redes
Cuba, como eventual destino de férias, deixou-me sempre renitente. Já fui à Tunísia, outra ditadura, mas Cuba era outra coisa, talvez por ter seguido a sua história, desde os anos 70, primeiro como uma espécie de alternativa saudável ao socialismo siberiano, numa época em que éramos todos marxistas e a questão não se punha entre democracia e socialismo, mas sim, entre as variantes de socialismo presentes no mostruário marxista-leninista.
A meio da década de 80, já tinha bem claro, que o que havia a mais em Cuba era apenas o sol que faltava ao Gulag. As notícias da fuga massiva de centenas de milhar de cubanos para os EUA e da repressão que eram alvo por parte do governo de Castro, a prisão de intelectuais e de tímidos políticos da oposição deixaram-me bem claro do que se tratava.
As perspectivas políticas abertas pela doença do líder encheram num primeiro momento de esperança muitos cubanos, para pouco depois os decepcionarem.
De um "site" cubano retirei estas palavras que resumem algumas das delícias que fazem o sonho de muitos cubanos:
"Se trata de poder comprar, con lo que ganamos decentemente en nuestro trabajo cualquier cosa que esté en el mercado y poder pagar con él todo tipo de servicio, como un teléfono móvil, el alquiler de un auto o un paseo por las costas de la isla. Que hospedarse en un hotel no constituya un premio sino un derecho; que acceder a Internet en nuestra casa no sea un delito; que nuestro país sea el sitio al que queramos volver siempre y no el lugar de donde no podemos salir si no tenemos un permiso... todo eso se está soñando."
(http://www.desdecuba.com)
Agora que o Partido Comunista Português fez sua a nossa luta de professores descontentes e fez uma marcha em defesa da democracia ameaçada, gostaria de lhe perguntar o que pode fazer pelos cubanos que lutam por coisas que a maior parte de nós já tem. Qualquer coisa que não seja mais um elogio ao decrépito Comandante.
26
Fev08

O que está em causa - viva o 8 de Março!

Redes

Os movimentos críticos da avaliação do desempenho que o Ministério da Educação quer impor à Escola expressam um mal-estar muito profundo que resulta não só desse último diploma, mas também da forma como a gestão do défice se repercutiu na profissão docente - a talho de foice!

De repente, milhares de professores viram a sua carreira interrompida. Repare-se que não se trata de uma mudança na estrutura da carreira negociada, sofrida, com medidas de transição que acautelassem expectativas justificadas, mas de uma brusca brutalidade. Professores que estavam em vias de apresentar relatório para a mudança de escalão, descobriram que já não valia a pena fazê-lo.

A seguir, o Ministério impôs aos professores um novo horário de trabalho, com uma componente não lectiva "presencial", a reduzir perigosamente o tempo disponível para elaborar enunciados, corrigir testes, elaborar projectos de trabalho com os alunos e um grande etc.

Para uma grande parte dos professores, a componente não-lectiva tornou-se lectiva, com as aulas de substituição, sem que as respectivas horas extraordinárias lhes fossem abonadas.

A divisão entre titulares e não-titulares soou arbitrária para a maior parte dos professores, incluindo a maior parte dos que se conseguiram incluir na nova categoria. Muitos dos que concorreram e falharam sentem que não são piores e, muitas vezes, são, mesmo, melhores do que alguns dos que foram agora investidos do título.

Por vezes, a sensação de injustiça vem da avaliação dos critérios do próprio concurso, outras, da comparação do trabalho efectivamente realizado na escola. É que até agora a progressão salarial tinha apenas relação com a antiguidade e muitos dos que faziam a Escola desenvolver-se e desempenhavam cargos não pertenciam aos últimos escalões da carreira. E muitos dos professores agora agraciados de "titulares", desempenhavam as suas funções num grau mínimo de exigência e olhavam com desprezo para a inovação tecnológica e para as questões pedagógicas e científicas mais prementes no universo da educação.

O concurso para titular premiou esses mesmos professores, redundantemente, pois, como já estavam no topo da carreira, dispensavam a homenagem. Portanto, podemos concluir que o concurso foi REDUNDANTE e ARBITRÁRIO.

Depois de reduzir drasticamente o tempo disponível para preparar aulas, produzir materiais didácticos adaptados a alunos com dificuldades, e etc., o Ministério aparece com um dispositivo burocrático de avaliação com itens de observação, incluindo a observação de aulas alheias, com ponderações, alienações numéricas a impor a uma classe ainda não refeita das mudanças anteriores.

As escolas vão parar para fazer a avaliação da classe docente. Da bolsa de substitutos disponíveis, migrarão titulares que em vez de substituir vão complicar as aulas dos seus avaliados. Será que os titulares da biblioteca terão também de abandonar esse trabalho para fazer avaliação? Os apoios pedagógicos continuarão a fazer-se?

Qual será o preço desta avaliação ponderada, antes classificação, redução a número do diverso, coisa do tipo do que fazemos aos alunos com a escala de 1 a 5 a condensar milhares de coisas diferentes?

Todos os que batem palmas à Sra. Ministra da Educação por ela ter conseguido "pôr os professores na ordem", fazem-no justificadamente, pois o Estado Português S. A. R. L., - sim aquela empresa que oferece cargos chorudos como prémio de carreira a políticos medíocres e aos amigos dos políticos medíocres e respectivos "compagnons de route" -  tem na Sra. Ministra um dos mais eficazes capatazes no que toca a conter a massa salarial! A talho de foice!

Muitos colegas perdem-se a discutir coisas como os critérios do concurso para titular, o que me parece completamente irrelevante. Por aí, só encontramos divisões.

É o próprio concurso que é uma aberração, precisamente por sancionar o sistema que quer condenar e promover a mediocridade, numa indiferenciação que continua. Em todos os sistemas, há pessoas verdadeiramente medíocres, há pessoas que se esforçam com mais ou menos êxito que consideram criticamente as suas falhas e procuram melhorar e outros que são bons, verdadeiramente exemplares.

Ora o concurso para titulares juntou todos no mesmo molho, como já estavam nos escalões de topo e deixou de fora muitos bons que mereciam ser promovidos e não o foram em benefício de alguns medíocres ou de menor merecimento.

Isto tem que ser dito com todas as letras e temos que deixar a cantiga alienante de que nós os professores somos isto ou somos aquilo. Não somos nada mais do que as outras profissões. Temos uma deontologia não precisamos que nos digam como ensinar, como avaliar.

NÃO PRECISAMOS DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO PARA AVALIAR OS PARES. Posso ser avaliado por qualquer colega e posso avaliar qualquer outro. A questão é: quem de nós tem o direito de o fazer e como o vai fazer e com que garantias, pois somos concorrentes uns dos outros e essa concorrência aumenta com a instauração de um sistema de avaliação selectiva deste género.

Perguntem: que acção de formação teve o Armando Vara para ir para a administração da CGD e, depois para o BCP?

Abandonemos os argumentos de oportunidade do género "as aulas de substituição não servem para nada". Não! As aulas de substituição melhoraram o ambiente da escola em muitos aspectos. Cabe ao substituto torná-la proveitosa. O problema não é esse: É que é um TEMPO LECTIVO. Os professores que fazem substituições têm que se preparar com materiais e planos de actividades para tornar proveitoso o tempo dos alunos. E essas horas são lhes roubadas.

Por isto tudo e muito mais, estarei no 8 de Março!

16
Fev08

Ao oitocentista Vasco Pulido Valente

Redes

O paradigmático confronto entre nós e os outros, cá dentro e lá fora, portugueses versus estrangeiros, vem de muito longe, talvez desde que meia dúzia de cavaleiros, filhos segundos, da Burgúndia descobriram que esta pobre terra de mouros da Hispania era a única hipótese de salvarem o seu lugar de aristocratas europeus.

Vem isto a propósito da insistência de Vasco Pulido Valente em convencer os fidalgos lusos da actualidade de que o seu país é mesmo uma m... Um desses fidalgos é o bonacheirão, simpático e condescendente, ex-estrangeirado,  Mário Soares que acha que os seus mouros não são assim tão maus e até nem ficam mal no retrato, quando comparados com os habitantes de outros cantos.

O discurso do Pulido Valente no Público de hoje fez-me lembrar algumas passagens de Os Maias que vou aqui transcrever em homenagem aos pobres avaliados que são o que são e têm que viver com o fado de serem assim mesmo:

 

"A oposição confessa sempre que os ministros, que ela cobre de injúrias, têm, à parte os diaparates que fazem, «um talento de primeira ordem! Por outro lado, a maioria admite que a oposição [..] está cheia de «robustíssimos talentos»! De resto, todo o mundo concorda que o país é uma choldra" (João da Ega)

 

"Querem dizer agora aí que isto por fim não é pior do que a Bulgária! Histórias! Nunca houve uma choldra assim no universo!" (Gonçalo ao João da Ega)

 

13
Out07

Sindicalismo ou comunismo?

Redes
De Fernando Madrinha no Expresso, sobre as conclusões do inquérito ao caso da Covilhã:
"Ouvindo polícias e sindicalistas, ficámos a saber que, afinal, o contacto entre eles, em situações como a desta visita do primeiro-ministro à Covilhã, não só é legítimo como rotineiro."
Apetece-me dizer: "Não pago cotas para isto!".
Ouvi uma sindicalista, dita socialista, a protestar por os comunistas voltarem a aparecer como "o papão", nas palavras do primeiro-ministro. Tenho vontade de lhe dizer: vá aos países do leste europeu e pergunte às pessoas o que elas pensam dos comunistas que as governaram durante décadas. Repare-se que eram países que o PCP apresentava como modelares, aonde Álvaro Cunhal era recebido como herói.
Para mim, é muito claro, o socialismo democrático tem dois inimigos declarados: comunistas e fascistas. Se o Partido Comunista tivesse maioria absoluta não tenho a menor dúvida sobre as suas primeiras vítimas: os socialistas. Isso aconteceu em muitos lugares. Veja-se 1917 e os anos subsequentes, socialistas-revolucionários e mencheviques eliminados, após o tomada do poder de Lenine em S. Petersburgo. Uma maravilha: os sovietes sem outra representação que não a dos bolcheviques, quando ainda uns meses antes eles eram maioritários!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Wikipédia

Support Wikipedia

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 2004
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D