Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sem Rede

"Sobre aquilo de que não conseguimos falar, é melhor calarmo-nos." (Was sich überhaupt sagen lässt, lässt sich klar sagen; und wovon man nicht sprechen kann, darüber muss man schweigen) - Wittgenstein.

"Sobre aquilo de que não conseguimos falar, é melhor calarmo-nos." (Was sich überhaupt sagen lässt, lässt sich klar sagen; und wovon man nicht sprechen kann, darüber muss man schweigen) - Wittgenstein.

Sem Rede

14
Dez20

TIMSS 2019

Redes

Os dois testes incluíram itens de matemática e ciências aplicados a amostragens da população de alunos do 4.º e do 8.º anos, respetivamente. No 4.º ano, Portugal piorou em relação a 2015. Sobre o último teste do Trends in International Mathamatics and Science Study, consulte o relatório oficial.

No Público, "Resultados TIMSS: Afinal de quem é a culpa, será que importa?", Alberto Veronesi conclui que a responsabilidade do menor desempenho é das políticas educativas do Governo do PS apresentando como evidências,

  1. a coincidência entre início do governo PS e o início da escolaridade da geração dos alunos testados;
  2. a mudança drástica das políticas educativas no periodo de 2015-2019;
  3. a diminuição da exigência em que "o esforço deixou de ser valorizado e arranja-se sempre uma forma para que não haja retenções";
  4. a publicação e implementação da Flexibilidade Curricular e das Aprendizagens Essenciais (2018-2019).

O primeiro ponto refere prescisamente o que tinha sido contestado pelo Secretário de Estado da Educação [1] com os seguintes argumentos:

  • A mudança curricular feita por este governo só teve efeito a partir de 2018, como António Veronesi refere (ver ponto 4). Portanto, o que está em causa é o programa de Nuno Crato. Este governo poderia ser criticado e é-o por muitos professores de Matemática por não ter mudado esse programa mais cedo - e não estou a defender que tenham ou não razão nestas críticas.
  • É errado atribuir a responsabilidade pelo sucesso do TIMSS (2015) à política educativa de Nuno Crato pelo mesmo motivo: a alteração curricular por ele feita só terá tido efeito a partir de 2015. Nas escolas, funcionava uma abordagem ao ensino da Matemática com base no programa de 2007 com uma formação específica de professores para esse efeito [2]

O mínimo que o articulista devia fazer era discutir estes argumentos do Secretário de Estado e não se limitar a repetir precisamente o que ele contestou. Quanto à exigência e ao número de retenções, verifica-se que a maior parte dos países com melhor desempenho nesse teste têm menos retenções do que Portugal (na Finlândia, são residuais; na Noruega, proibidas). Tudo o resto é irrelevante pois não se mostra nenhuma correlação entre as mudanças referidas e os resultados no TIMSS. Para isso, seria preciso analisar os itens do teste e as mudanças curriculares referidas e mostrar que teria havido alterações que prejudicaram os alunos no ano letivo 2018-2019.

Continuando no seu facilitismo e falta de exigência jornalística, António Veronesi remete para o artigo "PISA 2015: alunos portugueses ficaram pela primeira vez acima da média da OCDE" para comprovar que este governo teria reivindicado o sucesso nos resultados do PISA de 2015. Parece-me que essa mudança teria de refletir também mudanças mais profundas anteriores ao governo de Crato. Mas o artigo acima referido não diz nada sobre esse assunto.

No mesmo sentido da facilidade, rema Luís Aguiar-Conraria em "Passa-culpas para o Passos", no Expresso. 

Se bem que me pareça aceitável não se poder ainda atribuir qualquer efeito às mudanças curriculares do presente governo, é preciso analisar com rigor se os desempenhos programaticamente previstos coincidem com o requerido pelo TIMSS e, se concluirmos que importa mudar nesse sentido, que o façamos. Contudo, não é fácil justificar quer o sucesso quer o insucesso em testes internacionais recorrendo unicamente a enunciados programáticos: importa ver como essas diretrizes foram aplicadas num tempo mais longo já que há uma importante correlação entre resultados positivos e todo o percurso anterior do aluno e não unicamente os últimos dois anos.

Quanto ao título, "Resultados TIMSS: Afinal de quem é a culpa, será que importa?", diria, em resposta, que não é a culpa que importa, mas sim as políticas e os seus efeitos. Têm que ser analisadas as mudanças curriculares operadas pelos governos nos tempos que têm para produzir efeitos e descobrir, eventualmente, o que há a corrigir e a melhorar.  E a mudança está em curso: "Vem aí um novo currículo para a Matemática".

[1] Desempenho das crianças portuguesas a Matemática piora. Governo culpa políticas de Crato

[2] Desempenho português a Matemática no TIMMS dos mais novos

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Wikipédia

Support Wikipedia

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 2004
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D